Síndrome de Estocolmo - Causas e Sintomas

Definição

Síndrome de Estocolmo refere-se a um grupo de sintomas psicológicos que ocorrem em algumas pessoas em um cativeiro ou situação de refém. A Síndrome de Estocolmo recebeu publicidade considerável nos últimos anos, porque tem sido usada para explicar o comportamento de tais vítimas bem conhecidas como o do sequestro de Patty Hearst (1974) e Smart Elizabeth (2002). O termo leva o nome de um assalto a banco em Estocolmo, na Suécia, em agosto de 1973. O assaltante levou quatro funcionários do banco (três mulheres e um homem) para o cofre com ele e os manteve refém por 131 horas. Depois que os funcionários foram finalmente libertados, eles parecem ter formado um vínculo emocional com seu paradoxal captor, que disse aos repórteres que viram o policial como seu inimigo em vez do ladrão de bancos, e que tinha sentimentos positivos para com o criminoso. A síndrome foi nomeada por Nils Bejerot (1921-1988), professor de medicina que se especializou na pesquisa e atuou como consultor psiquiátrico para a polícia sueca durante o impasse no banco. Síndrome de Estocolmo é também conhecida como Síndrome de Identificação de Sobrevivência.

Descrição

Síndrome de Estocolmo é considerada uma reação complexa a uma situação assustadora, e os peritos não concordam completamente em todas as suas características ou sobre os fatores que tornam algumas pessoas mais suscetíveis que outras a desenvolvê-la. Uma das razões para o desacordo é que seria antiético para testar teorias sobre a síndrome através da experimentação em seres humanos. Os dados para a compreensão da síndrome são derivados de situações de reféns reais desde 1973 que diferem consideravelmente entre si em termos de localização, número de pessoas envolvidas, e tempo.

Outra fonte de discordância diz respeito a extensão em que a síndrome pode ser usada para explicar outros fenômenos históricos ou tipos mais comuns de relações abusivas. Muitos pesquisadores acreditam que a síndrome de Estocolmo ajuda a explicar certos comportamentos dos sobreviventes de campos de concentração da Segunda Guerra Mundial II, membros de cultos religiosos; mulheres agredidas; sobreviventes de incesto, e fisicamente ou emocionalmente crianças vítimas de abuso, bem como pessoas feitas reféns por criminosos ou terroristas.

A maioria dos especialistas, no entanto, concordam que a síndrome de Estocolmo tem três características centrais:

-Os reféns têm sentimentos negativos sobre a polícia ou outras autoridades.
-Os reféns têm sentimentos positivos em relação a sua captor (s).
-Os captores desenvolvem sentimentos positivos para com os reféns.

Causas e Sintomas

Síndrome de Estocolmo não afeta todos os reféns (ou pessoas em situações comparáveis), na verdade, o FBI estudou de mais de 1200 incidentes com reféns e descobriram que 92% dos reféns não desenvolveram a síndrome de Estocolmo. Pesquisadores do FBI, em seguida, entrevistando assistentes de vôo que haviam sido levados como reféns durante seqüestros de avião, concluiu que três fatores são necessários para a síndrome desenvolver:

-A situação de crise tem a duração de vários dias ou mais.
-Os seqüestradores permanecem em contato com os reféns, isto é, os reféns não são colocados em uma sala separada.
-Os seqüestradores mostram alguma bondade para com os reféns ou, pelo menos, abster-se de prejudicá-los. Reféns abusados por sequestradores normalmente sentem raiva deles e geralmente não desenvolvem a síndrome.

Além disso, pessoas que muitas vezes se sentem impotentes em outras situações estressantes ou estão dispostas a fazer qualquer coisa para sobreviver parecem ser mais suscetíveis a desenvolver Síndrome de Estocolmo, se forem tomados como reféns.

Pessoas com Síndrome de Estocolmo relatam os mesmos sintomas que os pacientes diagnosticados com transtorno de estresse pós-traumático (TEPT): insônia, pesadelos, irritabilidade geral, dificuldade de concentração, sendo facilmente assustado, sensações de irrealidade ou confusão, incapacidade de desfrutar de experiências prazerosas anteriormente, a desconfiança crescente de outros e flashbacks.

Diagnóstico

Síndrome de Estocolmo é um termo descritivo para um padrão de lidar com uma situação traumática, em vez de uma categoria diagnóstica. A maioria dos psiquiatras usaria os critérios diagnósticos para transtorno de estresse agudo ou transtorno de estresse pós-traumático quando se avalia uma pessoa com síndrome de Estocolmo.


Tratamento

O tratamento da síndrome de Estocolmo é o mesmo que para O Transtorno De Estresse Pós-Traumático, mais comumente uma combinação de medicamentos para perturbações de curto prazo do sono e psicoterapia para os sintomas de longo prazo.









Quem leu "Síndrome de Estocolmo - Causas e Sintomas" também leu:

Síndrome de Estocolmo... voce se torna refém de quem?
Síndrome de Estocolmo - Causas e Sintomas

Os artigos publicados no portal Índice de Saúde são para uso informativo e não substitui a consulta de um profissional de saúde.