Alergia Alimentar | Principais Sintomas, Tratamentos e Causas

Alergia Alimentar | Principais Sintomas, Tratamentos e Causas

Pessoas com alergia alimentar têm um sistema imunológico que reage a certas proteínas encontradas nos alimentos.

publicidade
publicidade
Sintomas e Doenças

Alergias alimentares: o que você precisa saber

Pessoas com alergia alimentar têm um sistema imunológico que reage a certas proteínas encontradas nos alimentos. Seu sistema imunológico ataca esses compostos como se fosse um patógeno nocivo, como uma bactéria ou um vírus.

O Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas estima que cerca de 5% das crianças e 4% dos adultos nos Estados Unidos têm alergia alimentar. Esse é um aumento de 20% nas alergias alimentares na infância nos últimos 20 anos. Em todo o mundo, as alergias alimentares afetam de 250 a 550 milhões de pessoas em países desenvolvidos e em desenvolvimento.

Sintomas de Alergia Alimentar

Alergia Alimnetar

Os sintomas podem variar de leves a graves e afetam cada indivíduo de forma diferente. Nem toda pessoa experimentará todos os itens abaixo, e cada reação pode ser um pouco diferente, mas os sinais e sintomas comuns incluem:

  • Formigamento na boca
  • Sensação de queimação nos lábios e boca
  • Lábios e rosto podem inchar
  • Erupção cutânea
  • A pele pode ficar coçando e / ou manchada
  • Chiado
  • Náusea
  • Diarreia
  • Coriza
  • Olhos fluindo

Sintomas de anafilaxia

Anafilaxia significa uma reação alérgica grave. Geralmente ocorre logo após a exposição ao alérgeno específico, mas pode levar algumas horas. Sinais e sintomas geralmente surgem rapidamente e pioram rapidamente; eles podem incluir:

  • uma queda rápida na pressão sanguínea
  • medo, um sentimento de apreensão
  • coceira, garganta raspando
  • náusea
  • problemas respiratórios, que muitas vezes se tornam progressivamente piores
  • a pele coça, a erupção pode se espalhar rapidamente e cobrir grande parte do corpo
  • espirros
  • nariz e olhos fluindo
  • taquicardia (aceleração do ritmo cardíaco)
  • garganta, lábios, rosto e boca incham rapidamente
  • vômito
  • perda de consciência

Gatilhos comuns de alergia alimentar

Segundo o Serviço Nacional de Saúde, no Reino Unido, entre as crianças, os alimentos mais comuns para desencadear reações alérgicas são amendoim, trigo, soja, leite e ovos.

Em adultos, eles são tipos de peixe, amendoim, alguns mariscos, como lagosta, caranguejo e camarão, nozes, como pistache, castanha-do-pará, amêndoa, nozes e amendoim.

Os alimentos alergênicos mais comuns, que respondem por cerca de 90% de todas as alergias alimentares, comumente chamadas de "oito grandes", são:

  • ovos
  • peixe
  • leite
  • nozes de árvores (incluindo avelãs, nozes, amêndoas e castanha do Brasil)
  • amendoim
  • marisco (incluindo camarões, mexilhões e caranguejo)
  • soja
  • trigo

Diagnosticando alergias alimentares

O médico perguntará ao paciente sobre sua reação, incluindo os sintomas, quanto tempo leva para que uma reação ocorra, quais alimentos causam, se a comida é cozida ou não, e onde foi consumido.

O médico estará interessado em quaisquer outras alergias existentes, como febre do feno ou asma.

O paciente também precisará informar o médico sobre parentes próximos que possam ter alergias.

Teste de picada de pele - alimentos diluídos são colocados no braço do paciente e, em seguida, a pele é perfurada, introduzindo o alimento no sistema. Se houver alguma reação, como coceira, inchaço ou vermelhidão, é provável que haja algum tipo de alergia.

O teste cutâneo de picada por vezes pode produzir resultados falso-negativos ou negativos, resultados falso-positivos. Os médicos geralmente pedem outros testes para ter certeza.

Exame de sangue - o sangue de um paciente é coletado para verificar se há anticorpos IgE específicos para determinadas proteínas alimentares.

Dieta de eliminação - alimentos suspeitos não são ingeridos por 4-6 semanas, normalmente, para ver se os sintomas desaparecem. Eles são então reintroduzidos para ver se os sintomas retornam.

Dietas de eliminação devem ser supervisionaoas por um médico ou nutricionista. É importante não excluir grandes grupos de alimentos indefinidamente. As dietas de eliminação são frequentemente consideradas o padrão-ouro para identificar os alimentos problemáticos, uma vez que muitos testes de diagnóstico podem produzir resultados falsos.

Diário alimentar - os pacientes anotam tudo o que comem e descrevem os sintomas caso eles ocorram.

Desafio alimentar cego oral supervisionado por médico - isso é mais preciso. O paciente recebe vários alimentos diferentes. Um deles tem pequenas quantidades do alérgeno suspeito. O paciente come cada um e sua reação é observada...

publicidade ;)

... de perto.

Cego significa que o paciente não sabe qual alimento tem o alérgeno suspeito; isso é importante porque algumas pessoas reagem psicologicamente a alguns alimentos (isso não seria classificado como alergia).

Este tipo de teste só deve ser feito por um médico em uma instalação médica adequada.

Alergia ou Intolerância

Especialistas descobriram que muitas pessoas que pensam ter uma alergia alimentar na verdade têm uma intolerância alimentar, o que não é o mesmo. As intolerâncias alimentares não envolvem anticorpos IgE, embora outras partes do sistema imunológico possam estar envolvidas.

Os sintomas podem ser imediatos ou tardios e podem ser semelhantes aos das alergias alimentares. Ao contrário de uma alergia que é apenas em resposta a uma proteína, uma intolerância alimentar pode ocorrer devido a proteínas, produtos químicos, carboidratos em alimentos, ou por falta de enzimas ou comprometimento da permeabilidade intestinal.

O indivíduo pode tipicamente comer pequenas quantidades desse alimento em particular sem ser afetado. A exceção é alguém com doença celíaca. 

As seguintes condições ou exemplos são freqüentemente confundidos com alergias alimentares:

  • Enzimas - o indivíduo não tem uma enzima (ou o suficiente) para digerir um alimento adequadamente. Por exemplo, a intolerância à lactose, que causa diarréia, gases, cólicas e inchaço. 
  • Síndrome do intestino irritável - uma condição de longo prazo (crônica) em que o paciente tem diarréia, constipação e dores de estômago. Sofredores da síndrome do intestino irritável são muitas vezes intolerantes a carboidratos fermentáveis.
  • Sensibilidade a aditivos alimentares - como sulfitos, que são usados para preservar frutas secas ou alimentos enlatados.
  • Fatores psicológicos - algumas pessoas podem se sentir mal apenas pensando em um determinado alimento. Ninguém sabe ao certo porque isso acontece.
  • Doença celíaca - uma condição digestiva auto-imune de longo prazo que é causada pela consumo de glúten. O paciente pode ter diarreia, dores de estômago e inchaço, embora muitos pacientes sejam assintomáticos. Há envolvimento do sistema imunológico, mas especialistas dizem que é uma intolerância alimentar, não uma alergia.

Alergia alimentar significa que até mesmo uma pequena quantidade de alimentos pode desencadear o sistema imunológico, causando uma reação alérgica. Uma alergia alimentar pode causar desmaios, vertigens, tonturas, problemas respiratórios, inchaço de várias partes do corpo, como garganta, língua e rosto, e urticária. O indivíduo também pode sentir formigamento na boca.

O que causa alergias alimentares?

Em alergias alimentares, o sistema imunológico trata uma proteína específica em um alimento como uma substância prejudicial, um patógeno, algo que pode causar doenças. Ele responde produzindo anticorpos para atacar essa proteína.

Quando esse mesmo alimento é consumido em seguida, os anticorpos estão prontos e dizem ao sistema imunológico que reaja imediatamente. O sistema imunológico reage liberando histamina e outras substâncias na corrente sanguínea.

Histamina e esses outros produtos químicos causam os sintomas de alergias alimentares. A histamina faz com que os vasos sanguíneos se dilatem (expandam) e a pele fique inflamada (inchada). Também afeta os nervos, fazendo a pessoa sentir coceira. O nariz pode produzir mais muco, resultando em coceira, queimação e um nariz escorrendo.

Quem está em risco?

  • História da família - os cientistas acreditam que algumas alergias alimentares podem ser causadas por genes herdados de seus pais. Por exemplo, pessoas que têm um pai ou irmão com uma alergia a amendoim têm um risco 7 vezes maior de ter essa alergia em comparação com aqueles sem histórico familiar.
  • Outras alergias - aqueles que têm asma ou dermatite atópica têm um risco consideravelmente maior de desenvolver uma alergia alimentar do que pessoas sem outras alergias.
  • Primeiros anos - a pesquisa mostrou também que os bebês nascidos por cesariana, que receberam antibióticos no nascimento ou no primeiro ano de vida, e aqueles que tiveram alimentos introduzidos tardiamente, após 7 meses, todos tinham riscos mais altos de alergias.
  • Bactérias do intestino - pesquisas recentes mostram que as...

    publicidade

    ...bactérias intestinais em adultos com alergias sazonais e nozes estão alteradas. Especificamente, eles têm níveis mais altos de bactérias bacterianas e níveis mais baixos de cepas de Clostridiales. Os cientistas estão tentando determinar se influenciar as bactérias intestinais poderia ajudar a tratar ou prevenir alergias.

Por que certas pessoas têm reações alérgicas?

Alergias alimentares parecem estar em ascensão. Por exemplo, o CDC diz que "a prevalência de alergias alimentares aumentou de 3,4% em 1997-1999 para 5,1% em 2009-2011".

Ninguém sabe ao certo porque os números estão aumentando; No entanto, existem algumas teorias:

  • Dieta - alguns cientistas sugerem mudanças nos hábitos alimentares nas nações ocidentais podem ser a causa, enquanto outros dizem que pode ser devido a um menor consumo de gorduras animais e maior consumo de gorduras vegetais.
  • Pesticidas e alimentos geneticamente modificados - alguns acreditam que a alta exposição a resíduos de pesticidas e consumo de alimentos geneticamente modificados afeta a função do sistema imunológico durante o desenvolvimento em útero e também como as pessoas envelhecem.
  • Antioxidantes - a maioria das pessoas come menos frutas e vegetais frescos do que as de gerações anteriores (alimentos ricos em antioxidantes, que ajudam a proteger contra danos às células); talvez uma menor ingestão de antioxidantes durante a infância prejudique o desenvolvimento adequado do sistema imunológico.
  • Vitamina D - a prevalência de alergia alimentar é maior em países mais distantes do equador, onde há menos luz solar, uma fonte importante de vitamina D. A sugestão é que a baixa ingestão de vitamina D pode resultar em um maior risco de alergia alimentar.
  • Falta de exposição precoce - também conhecida como a hipótese da higiene. As crianças estão sendo criadas em ambientes super-estéreis, com exposição muito menor a germes do que seus pais eram. Os países desenvolvidos com maior uso de sabonetes antibacterianos e produtos com menor exposição a bactérias saudáveis nos solos e no meio ambiente apresentam taxas significativamente mais altas de alergias alimentares.

Talvez o sistema imunológico não tenha sido exposto o suficiente para diferenciar com sucesso substâncias boas e nocivas. Esta hipótese não se aplica apenas a alergias alimentares, mas também a muitas outras alergias ambientais.

No entanto, todos os itens acima são apenas teorias, sem evidências convincentes para apoiá-los.

Opções de tratamento

Dieta de eliminação - muitos pacientes precisarão consultar um nutricionista após serem diagnosticados com alergia alimentar. É importante que a comida precise ser eliminada da dieta de uma pessoa, que seja feita de uma maneira que não prejudique a saúde do indivíduo.

Por exemplo, se a alergia é apenas para amendoim, não haverá consequências para a saúde se o indivíduo nunca comer amendoim novamente. No entanto, uma alergia ao leite significa encontrar outras fontes de cálcio e proteína.

A eliminação pode não significar simplesmente não comer o alimento em particular; também pode incluir nunca inalar, tocar ou comer alimentos com traços dentro. Talheres, louças, superfícies de cozimento e tábuas de cortar devem ser livre do alérgeno.

Os pacientes precisam ler os rótulos dos alimentos e bebidas cuidadosamente. Até mesmo alguns sabonetes, alimentos para animais, colas e adesivos podem ter traços de um alérgeno alimentar.

Quando comer fora, ser vigilante pode ser particularmente difícil.

Medicação para emergências

  • Anti-histamínicos - estes virão na forma de géis, líquidos ou comprimidos. Eles geralmente são eficazes para pacientes com alergias leves ou moderadas. As histaminas são substâncias químicas que causam a maioria dos sintomas de alergia e os anti-histamínicos bloqueiam seus efeitos.
  • Epinefrina (adrenalina) - é usada por pessoas que têm alergias alimentares que podem resultar em anafilaxia. A epinefrina mantém a pressão sanguínea ao contrair os vasos sanguíneos, além de aliviar as vias aéreas.

Pessoas que tiveram reações alérgicas severas devem portar um autoinjetor de epinefrina com elas, por exemplo, EpiPen, EpiPen Jr, Twinject ou Anapen.

publicidade

Aviso Saudável
Os conteúdo do artigo e demais informações divulgadas não devem substituir a orientação ou o diagnóstico de profissionais de saúde ou um especialista na área de saúde.
Em caso de emergência médica ligue para 192 e solicite ajuda!
Disque Saúde SUS (Sistema Único de Saúde) ligue para 136
Centro de Valorização da Vida (CVV) ligue para 188.