Baixa Energia em Fibromialgia e Fadiga Crônica
Autor:

Baixa Energia em Fibromialgia e Fadiga Crônica

Algo que a fibromialgia e a síndrome da fadiga crônica têm em comum é a falta de energia. Isso é diferente da fadiga ou da falta de motivação que pode vir com a depressão.

A ligação entre ATP e Baixa Energia em Fibromialgia e Fadiga Crônica

Algo que a fibromialgia e a síndrome da fadiga crônica têm em comum é a falta de energia. Isso é diferente da fadiga ou da falta de motivação que pode vir com a depressão. Podemos querer fazer algo ainda ser fisicamente incapaz de fazê-lo.

Primeiro, não é como estar cansado e precisar dormir. É mais cansativo, não pode mover uma sensação muscular. Se você já trabalhou ao ponto de não poder mais fazer, não importa o quanto queira, é disso que estamos falando. Se você já saiu da anestesia com seus membros se sentindo muito pesados para levantar, você entende. Você pode querer dormir, mas você absolutamente precisa descansar seus músculos antes de fazer qualquer outra coisa.

Com a fibromialgia e a fadiga crônica, porém, essa falta de energia pode atingir de repente e durar muito tempo, independentemente do quanto descansamos. Pode acontecer no meio de uma viagem de compras, no trabalho, ou dez minutos depois de sair da cama. Também pode estar lá logo pela manhã e impedi-lo de se levantar.

Não entendemos completamente esse sintoma ou por que faz parte dessas doenças, mas pesquisas sugerem que é, pelo menos em parte, devido aos baixos níveis de algo chamado trifosfato de adenosina, ou ATP.

O que é Adenosina Trifosfato?

A ATP armazena a energia em seu corpo. Os biólogos muitas vezes chamam de "a moeda energética da vida". É a principal fonte de energia em todas as células vivas. É o que a energia em sua comida é transformada para que possa alimentar todos os processos do seu corpo.

A ATP é produzida pelas mitocôndrias em suas células. Suas células precisam dele para funcionar, seus músculos precisam dele para contrair, tudo no seu corpo precisa dele para funcionar como deveria.

Adenosina ocorre naturalmente em seu corpo e, entre outras coisas, lida com a regulação do fluxo sanguíneo para alguns de seus órgãos. Quando se trata de ATP, porém, é a parte triphosphate que é mais importante.

Para formar ATP, a adenosina se junta a três grupos de fosfatos. Quando...

... a energia é necessária em algum lugar e a ATP é enviada, um desses fosfatos é quebrado, liberando energia. Então seu corpo substitui o fosfato para criar mais uma vez ATP. É um processo de reciclagem sem fim.

Quando os blocos de construção da ATP não estão disponíveis para o seu corpo ou algo interfere no processo de reciclagem, os níveis de ATP podem se tornar baixos e resultar em deficiência energética.

Deficiência do ATP na Fibromialgia

Não temos muitas pesquisas sobre o papel da ATP na fibromialgia, e os estudos que temos são muito pequenos. Felizmente, eles são bastante consistentes em sugerir que os níveis de ATP são baixos nesta condição.

Um estudo europeu publicado em 2013 mostrou uma correlação entre a redução da capacidade muscular nas mãos e pés na fibromialgia e concentrações significativamente menores de ATP e fosfoscreatina, que é como um saco de fosfato que seu corpo usa para manter esse processo de reciclagem à medida que queima energia.

Trabalhos anteriores encontraram níveis de ATP significativamente baixos em plaquetas de participantes com fibromialgia, juntamente com outras anormalidades sugerindo que o corpo era incapaz de manter quantidades consistentes de ATP.

Assim, enquanto o corpo de trabalho parece identificar uma deficiência, e essa deficiência é assumida para desempenhar um papel na falta de energia, isso é realmente tudo o que podemos dizer por enquanto.

Deficiência de ATP em síndrome da fadiga crônica

Na fadiga crônica, a ATP tem recebido um pouco mais de atenção dos pesquisadores, possivelmente porque a falta de energia é mais uma característica diferenciada em fadiga crônica do que na fibromialgia, onde o foco geralmente está na dor.

Muitos estudos da fadiga crônica que analisam a função mitocondrial nas células tem apoiado a crescente crença de que a baixa produção de ATP decorre da disfunção mitocondrial, o que significa que os próprios blocos de construção das células não estão funcionando corretamente.

Um dos sintomas marcantes da síndrome da fadiga crônica é o mal-estar pós-esforço, que é um aumento anormal e extremo nos sintomas após o esforço. A quantidade de esforço que é preciso varia de acordo com a pessoa,...

publicidade

...mas deixa elas incapazes de fazer a mesma quantidade de atividade no dia seguinte, o que é incomum e único para esta doença.

Um artigo de 2015 liga o mal-estar pós-esforço a níveis criticamente baixos de ATP devido à adenosina inadequada, sugerindo que o período prolongado de recuperação existe porque o corpo tem que recuperar primeiro a adenosina, e depois na ATP.

Um artigo de revisão publicado em 2014 apoia essa hipótese, com pesquisadores ligando defeitos na produção de ATP não apenas ao mal-estar pós-esforço, mas possivelmente ao início da própria doença e várias anormalidades metabólicas associadas a ela. Os autores deste artigo também apresentaram a possibilidade de que a baixa produção de ATP em fadiga crônica possa levar à autoimunidade por influência sobre a morte das células.

Tratamento

Os tratamentos farmacêuticos que geralmente são prescritos para essas doenças não abordam possíveis disfunções mitocondriais ou deficiência de ATP. No entanto, alguns médicos relatam sucesso com suplementos que acreditam melhorar esses problemas subjacentes. Alguns desses suplementos têm pesquisas oferecendo pelo menos algumas evidências de sua eficácia.

Você provavelmente já ouviu falar de coenzima Q10 (CoQ10), que ocorre naturalmente em seu corpo e também pode ser tomada como um suplemento. É popular entre pessoas com fibromialgia, fadiga crônica, e muitas outras condições, bem como para a saúde geral. Em parte, isso é porque seu corpo precisa de CoQ10 para fazer ATP. Vários estudos envolvendo fibromialgia e/ou fadiga crônica ligam baixos níveis de ATP com deficiência de CoQ10.

Vários estudos também sugerem que os suplementos CoQ10 melhoram a energia nessas condições. Suplementos CoQ10 podem:

  • Melhorar a energia
  • Aliviar o mal-estar pós-esforço
  • Aliviar a fadiga
  • Aliviar a amplificação da dor (hiperalgesia) da fibromialgia

Outros suplementos às vezes sugeridos para disfunção mitocondrial incluem:

  • Carnitina
  • Creatina
  • D-Ribose
  • Magnésio
  • Niacinamida (vitamina B3)

Seu médico pode ser capaz de recomendar outros tratamentos para aumentar sua energia aumentando os níveis de ATP.

Lembre-se que até mesmo substâncias naturais podem ter efeitos colaterais e interações negativas com outras coisas que você está tomando. Certifique-se de falar com seu médico sobre quaisquer tratamentos que você esteja interessado antes de começar, e certifique-se de saber como iniciar um regime de suplementos com segurança.

Sobre o Autor
Dr. Pedro Lemos - Médico Generalista escritor

Médico Generalista escritor com 35 anos de experiência em Clínica Geral / Saúde da Família.

Aviso Saudável
Os conteúdo do artigo e demais informações divulgadas não devem substituir a orientação ou o diagnóstico de profissionais de saúde ou um especialista na área de saúde.
Em caso de emergência médica ligue para 192 e solicite ajuda!
Disque Saúde SUS (Sistema Único de Saúde) ligue para 136
Centro de Valorização da Vida (CVV) ligue para 188.

publicidade