Estresse | Beber para aliviar o estresse é perigoso para saúde
Autor:

Estresse | Beber para aliviar o estresse é perigoso para saúde

Muitas pessoas que experimentam situações estressantes ou ameaças percebidas vão recorrer ao álcool para lidar com esse estresse.

A ligação entre estresse e álcool

Beber para aliviar o estresse pode realmente piorar o problema

A vida pode ser cheia de estresse. Situações surgem na vida cotidiana que nos causam a experiência de tristeza, raiva, medo, ansiedade e emoção. Fisiologicamente, o estresse é definido como qualquer coisa que desafia o corpo a funcionar na sua forma habitual.

Ferimento, doença, ou a exposição a temperaturas extremas pode causar estresse para o corpo. Luto, depressão, medo, e até mesmo a atividade sexual pode causar estresse psicológico.

O corpo humano desenvolveu um processo complexo e extensivo de adaptação às situações prejudiciais ou perigosas criadas pelo esforço para manter um contrapeso fisiológico, um estado cohecido como homeostase.

Quando o corpo experimenta o estresse, ou mesmo o estresse percebido, mobiliza uma variedade de mudanças fisiológicas e comportáveis através dos sistemas nervosos e endócrinos para conseguir um objetivo de manter o homeostase e de lidar com o estresse.

Muitas pessoas que experimentam situações estressantes ou ameaças percebidas vão recorrer ao álcool para lidar com esse estresse. O problema com isso é o próprio álcool pode causar estresse no equilíbrio fisiológico do corpo.

Pesquisadores descobriram que o álcool tem um pedágio psicológico e fisiológico sobre o corpo e pode realmente compostos os efeitos do estresse.

Beber álcool pode parecer proporcionar algum alívio — sentimentos positivos e relaxamento — no curto prazo, mas como eventos estressantes continuam a longo prazo, o consumo de álcool pesado pode levar a problemas médicos e psicológicos e aumentar o risco de desenvolver álcool transtornos de uso.

Tipos comuns de estresse

Pesquisadores identificaram quatro categorias principais para causas de estresse:

  1. Estresse geral da vida
  2. Eventos catastróficos
  3. Estresse infantil
  4. Estresse étnico minoritário

Estressores de vida geral

Alguns exemplos de estressores de vida em geral incluem mudanças importantes como mudar, iniciar um novo emprego ou se casar ou se divorciar. Doença, uma morte na família ou problemas em casa ou no trabalho também podem ser causas significativas de stress.

Beber muito álcool pode causar algum estresse geral da vida, como perder um emprego, causando problemas de relacionamento ou causando problemas legais.

Eventos catastróficos

Estudos descobriram que o consumo de álcool aumenta dentro de 12 meses após um grande desastre, seja do feito do  homem ou natural. Alguns estudos descobriram que os distúrbios do abuso de álcool aumentam após eventos catastróficos como 11 de setembro, o furacão Katrina, ou o bombardeio de Oklahoma City.

No entanto, outros estudos descobriram que os aumentos induzidos por catástrofes no consumo de álcool tendem a diminuir após um ano e outros estudos não encontraram aumentos no alcoolismo após grandes...

... desastres.

Estresse infantil

Maus-tratos durante a infância — abuso emocional, sexual ou físico ou negligência — podem ter efeitos duradouros, resultando em uma percentagem significativa de toda a psicopatologia adulta.

Abuso durante a infância aumenta o risco de transtornos do uso de álcool na adolescência e na idade adulta. Isto é particular verdadeiro para as crianças que crescem acima em repousos alcoólicos, relatório dos investigadores.

Estresse étnico minoritário

O estresse resultante do estatuto de minoria de uma pessoa pode variar de leve a grave e pode ser emocional ou físico. Estressores podem variar de ser negligenciado para a promoção no trabalho para se tornar vítima de um crime de ódio violento, por exemplo.

Determinar o quanto o estresse relacionado à minoria está vinculado ao aumento do consumo de álcool tem sido difícil para os pesquisadores determinarem devido a outros fatores de risco entre grupos minoritários — como padrões de consumo e diferenças no metabolismo do álcool.

Lidando com o estresse

Quando o corpo experimenta o estresse, desloca rapidamente seus processos metabólicos normais na engrenagem elevada, confiando no sistema de eixo hipotálamo-pituitário-adrenal (HPA) intricado para mudar os níveis de mensageiros hormonais durante todo o corpo.

O sistema de eixo HPA visa órgãos específicos para preparar o corpo para lutar contra o fator de estresse ou para fugir dele-a resposta do corpo de luta ou fuga.

O hormônio cortisol desempenha um papel importante na resposta do corpo ao estresse, aumentando a energia, aumentando os níveis de glicose e aumentando as fontes de nutrientes, mobilizando o metabolismo de gordura e proteínas.

A resposta de um corpo saudável ao estresse inclui um pico rápido nos níveis de cortisol seguidos por uma rápida diminuição nesses níveis quando a ameaça ou o stress é longo.

Estresse e resiliência

Resiliência é a capacidade de lidar com o estresse. Alguém que é resiliente é capaz de se adaptar aos fatores psicológicos e fisiológicos envolvidos na resposta ao estresse do corpo.

A pesquisa descobriu que as pessoas que têm uma perspectiva positiva, otimista e têm boa resolução de problemas e habilidades de enfrentamento tendem a lidar com o estresse de forma eficaz.

Por outro lado, as pessoas que exibem impulsividade, busca de novidade, emoções negativas e ansiedade — traços também ligados a um risco aumentado para transtornos de abuso de substâncias — têm dificuldade em lidar com o estresse.

As pessoas que não lidam bem com o estresse e, portanto, estão em risco de desenvolver transtornos de uso de álcool incluem:

  • Aqueles com história de alcoolismo familiar
  • Crianças cuja mãe bebeu durante a gravidez
  • Pessoas que experimentaram abuso ou...

    publicidade

    ...negligência infantil

  • Aqueles com outros problemas de saúde mental

Efeito do álcool sobre a resposta ao estresse

Os sistemas HPA do corpo trabalham duro para manter um delicado equilíbrio fisiológico, mas quando o álcool é adicionado à mistura, ele coloca o corpo em risco ainda maior de dano.

O álcool provoca maiores quantidades de cortisol para ser liberado alterando a química do cérebro e redefinir o que o corpo considera "normal". O álcool desloca o equilíbrio hormonal e muda a forma como o corpo percebe o estresse e muda como ele responde ao estresse.

O álcool impede que o corpo retorne ao seu ponto de equilíbrio hormonal inicial, forçando-o a definir um novo ponto de funcionamento fisiológico. Isto é chamado alostase.

O estabelecimento de um novo ponto de equilíbrio coloca o desgaste e o rasgo no corpo e aumenta o risco de doença grave, incluindo o alcoolismo.

Álcool e cortisol

Estudos descobriram que o cortisol interage com os sistemas de recompensa ou prazer do cérebro que podem contribuir para os efeitos de reforço do álcool — forçando os bebedores a consumir maiores quantidades para alcançar o mesmo efeito.

O cortisol também pode promover a aprendizagem baseada no hábito, aumentando o risco de se tornar um bebedor habitual e aumentar o risco de recidiva.

Adicionalmente, os investigadores ligaram o cortisol ao desenvolvimento de desordens metabólicas e ao desenvolvimento de desordens psiquiátricas tais como a depressão.

O papel do álcool no estresse

Estudos têm encontrado esses fatores de como o estresse se relaciona com o uso de álcool:

  • Homens e mulheres que relatam altos níveis de estresse bebem mais
  • Homens estressados são 1,5 vezes mais propensos a beber bebida do que as mulheres
  • Os homens são 2,5 vezes mais propensos a ter transtornos de uso de álcool

Estresse e recuperação do alcoolismo 

O estresse pode continuar a ter um efeito mesmo depois de alguém parar de beber. O eixo HPA, o sistema que lida com a resposta ao estresse, foi rastreado para sintomas de abstinência alcoólica.

Muitas pessoas recém-sóbrias começam a beber novamente para aliviar os sintomas de abstinência. Portanto, os pesquisadores estão tentando desenvolver medicamentos que retornarão o equilíbrio para o sistema de estresse-resposta do corpo para aliviar os sintomas de abstinência de álcool e ajudar a prevenir a recaída na recuperação de alcoólicos.

A pesquisa sobre a relação entre estresse e álcool pode ajudar os prestadores de cuidados de saúde, identificando pacientes que estão mais em risco de recidiva do álcool na recuperação precoce e ajudar os pacientes a lidar com a forma como o estresse pode motivá-los a beber.

Sobre o Autor
Dr. Pedro Lemos - Médico Generalista escritor

Médico Generalista escritor com 35 anos de experiência em Clínica Geral / Saúde da Família.

Aviso Saudável
Os conteúdo do artigo e demais informações divulgadas não devem substituir a orientação ou o diagnóstico de profissionais de saúde ou um especialista na área de saúde.
Em caso de emergência médica ligue para 192 e solicite ajuda!
Disque Saúde SUS (Sistema Único de Saúde) ligue para 136
Centro de Valorização da Vida (CVV) ligue para 188.

publicidade