Café pode reduzir o risco de suicídio?

Café pode reduzir o risco de suicídio?

Cafeína também foi encontrada para promover a produção dos neurotransmissores serotonina, dopamina e noradrenalina.

publicidade
publicidade
Alimentação e Nutrição

Mais recentemente, uma meta-análise de três grandes estudos sobre o consumo de café, publicado no jornal mundo da Psiquiatria biológica, descobriu que beber duas a quatro xícaras de café com cafeína diariamente foi associado com um risco de suicídio 50% reduzido entre adultos, em relação ao beber um copo ou menos de café com cafeína ou descafeinado.

Beber mais de quatro xícaras por dia não conduziu a qualquer nova diminuição no risco de suicídio. Ao todo, os estudos incluíam mais de 208.000 americanos, cujo consumo de cafeína foi analisado de uma variedade de fontes, incluindo café, chá, refrigerante e chocolate. Café representou 71% de cafeína do total consumido. De acordo com os autores:

"Estes resultados de três grandes pesquisas podem apoiar uma associação entre o consumo de cafeína e menor risco de suicídio".

Como a cafeína afeta a química do seu cérebro

É interessante notar que estes estudos foram feitos estudos, do qual você não pode obter ou determinar o nexo de causalidade. Um estudo de coorte simplesmente olha para taxas de ocorrência da doença entre indivíduos com diferentes níveis de exposição a um fator de suspeito, como um alimento, por um longo período de tempo, geralmente anos.

Estudos de coorte também podem ser realizados prospectivamente ou retrospectivamente de registros históricos. Dito isso, outra pesquisa presta apoio a constatar propondo os mecanismos de ação do café no seu cérebro. Por exemplo, uma década anterior estudou e constatou que a cafeína reduziu...

publicidade ;)

... certos tipos de respostas de estresse.

Outra estudo de 2011, encontrou que as mulheres que bebem café corta o risco de depressão em 15% em comparação com aquelas que não consomem café.

Cafeína também foi encontrada para promover a produção dos neurotransmissores serotonina, dopamina e noradrenalina. Conforme explicado pelo mundo de cafeína: 

"Muitos dos poderes da cafeína dependem de seu poder para passar para o sistema nervoso central (SNC). Para introduzir o CNS, cafeína deve atravessar a barreira sangue - cérebro... Mesmo quando injetado na corrente sanguínea, muitas drogas podem falhar ao penetrar esta barreira...

No entanto, cafeína atravessa a barreira hemato - encefálica, como se ela não existisse. Todas as drogas psicoativas, incluindo cafeína, alcançam seus efeitos imitando ou alterando a liberação ou a captação de neurotransmissores, mensageiros químicos que direta como os neurônios do SNC interagem uns com os outros.

Cafeína atinge muitos dos seus efeitos, bloqueando a atividade de adenosina... Porque uma das principais ações da adenosina é nos deixar cansados ou com sono, cafeína, ao bloquear a absorção de adenosina, nos impede de sentir os efeitos da fadiga.

Mas os cientistas aprenderam que, em grande parte como consequência de seu bloqueio dos receptores de adenosina, a cafeína também tem efeitos profundos na maior parte os outros neurotransmissores principais, incluindo a dopamina, acetilcolina, serotonina e, em altas doses, em noradrenalina."

Aumentar seus níveis de dopamina pode ter um impacto benéfico sobre humor, enquanto aumenta a acetilcolina pode ajudar a melhorar...

publicidade

...a memória de longo prazo.

Entretanto, comumente acredita-se que ajustar os seus níveis de serotonina para cima pode desempenhar um papel no alívio da depressão. Isto é principalmente como funcionam os antidepressivos.

Dito isto, é interessante notar que a teoria da baixa de serotonina, que medicamentos antidepressivos tentam de endereço, tem sido completamente desmascarada. Investigações têm sido feitas para ver a depressão ou não, e se as pessoas têm realmente níveis mais baixos de serotonina no cérebro, e em 1983, o Instituto Nacional de Saúde Mental (NIMH) concluiu que:

"Não há provas de que há algo errado no sistema serotoninérgico de pacientes deprimidos."

Ainda assim, café parece afetar um número de neurotransmissores relacionados ao controle de humor, por isso é certamente plausível que isso pode ter um efeito sobre sua sensação de bem-estar geral.

A pesquisa mostrou também que o café aciona um mecanismo em seu cérebro que libera um fator de crescimento chamado Brain-Derived Neurotrophic Factor (BDNF), que ativa suas células-tronco do cérebro para converter em novos neurônios, melhorando assim a saúde do cérebro.

Curiosamente, pesquisas recentes também sugerem que baixos níveis BDNF podem desempenhar um papel significativo em depressão, e essa crescente neurogênese tem um efeito antidepressivo! Isto pode ser ainda mais uma peça do quebra cabeça explicando porque o exercício tende a ter uma maior taxa de sucesso no tratamento de depressão do que medicamentos antidepressivos, como exercício aumenta naturalmente a BDNF do níveis em seu corpo.

publicidade

Aviso Saudável
Os conteúdo do artigo e demais informações divulgadas não devem substituir a orientação ou o diagnóstico de profissionais de saúde ou um especialista na área de saúde.
Em caso de emergência médica ligue para 192 e solicite ajuda!
Disque Saúde SUS (Sistema Único de Saúde) ligue para 136
Centro de Valorização da Vida (CVV) ligue para 188.