Câncer e Musicoterapia | Música acalma a ansiedade e a dor
Autor: Dr. Pedro Lemos

Câncer e Musicoterapia | Música acalma a ansiedade e a dor

Música e terapia parecem também ter efeitos benéficos sobre os níveis de dor, humor e alguns sinais vitais (como a pressão arterial).

publicidade

Cantar, tocar um instrumento ou mesmo apenas ouvir música pode reduzir a ansiedade em pacientes com câncer e melhorar sua qualidade de vida, de acordo com uma nova pesquisa publicada.

Música e terapia parecem também ter efeitos benéficos sobre os níveis de dor, humor e alguns sinais vitais (como a pressão arterial), segundo o estudo, sugerindo que a música pode ser um complemento útil à medicação e outros tratamentos padrão.

"Eu acredito fortemente que a beleza da música pode trazer uma esperança renovada para os pacientes e seus entes queridos e pode energizá-los", diz o pesquisador Joke Bradt, Ph.D., professor associado de terapias criativas artes da Universidade de Drexel, na Filadélfia, Pensilvânia.

Cantar ou tocar qualquer tipo de música também pode ser um fator encorajador para os pacientes que se sentem vítimas de câncer, Bradt acrescenta.

Durante anos, pesquisadores têm estudado terapias baseadas em música como tratamento para uma ampla gama de doenças crônicas, doloroso, angustiante, inclusive o câncer.

Nos estudos, as pessoas ouviam música pré-gravada. Os participantes nos estudos restantes participaram de...

publicidade

... várias terapias música guiada, que em alguns casos incluía cantar, tocar piano ou a criação de ritmos ao lado de um terapeuta.

Tanto as sessões com musicoterapia e da música pré-gravada reduziu os níveis de ansiedade e melhoria da qualidade de vida (medida por meio de questionários) dpa pacientes, melhor do que os tratamentos rotineiros.

Em alguns estudos, a musicoterapia também melhorou a dor e humor (embora os níveis de depressão não), bem como a pressão arterial, freqüência cardíaca e freqüência respiratória. Bradt diz que não há provas suficientes para determinar que tipo de intervenção da música era mais eficaz.

Ela acredita, no entanto, que as terapias envolvendo música provavelmente serão mais bem sucedidas quando são adaptadas para as pessoas de acordo com seus gostos musicais e sua capacidade de participar no processo de fazer música. Nos estudos que usou a música pré-gravada, por exemplo, a maioria das pessoas foi dada a escolha entre vários gêneros diferentes (new age, clássica, rock, country).

O que funciona para uma pessoa, pode não funcionar para...

publicidade

...outra, pois o gosto musical pode ser outro. Robert Zatorre, Ph.D., um neurocientista cognitivo da Universidade McGill, em Montreal, que estuda o efeito da música sobre o cérebro, diz que as qualidades musicais como ritmo e volume também provavelmente tem impacto de humor no paciente e os níveis de estresse.

"É conhecido há muito tempo que a música pode influenciar o humor", diz Zatorre, que não está envolvido na pesquisa.

"É por isso que existem canções de ninar - para acalmar os bebês que não vai dormir."

Mais estudos serão necessários para avaliar os custos e benefícios da implementação de musicoterapia, tanto em pacientes com câncer e em outros tipos de doenças.

Segundo os pesquisadores, o custo envolvido com a música é muito pequeno comparado a outros tipos de intervenções e tratamentos. Como ela funciona bem - diz, em comparação com drogas - é outra questão, mas os efeitos colaterais são mínimos. A pior coisa que pode acontecer [quando] alguém não gosta de música é que eles podem desligar a qualquer monento.

Sobre o Autor

Médico Generalista escritor com 35 anos de experiência em Clínica Geral / Saúde da Família.

Aviso Saudável
Os conteúdo do artigo e demais informações divulgadas não devem substituir a orientação ou o diagnóstico de profissionais de saúde ou um especialista na área de saúde.
Em caso de emergência médica ligue para 192 e solicite ajuda!
Disque Saúde SUS (Sistema Único de Saúde) ligue para 136
Centro de Valorização da Vida (CVV) ligue para 188.

publicidade