Como cetamina pode mudar o cérebro para combater a depressão
Autor: Dr. Pedro Lemos

Como cetamina pode mudar o cérebro para combater a depressão

Estudos anteriores demonstraram que a cetamina, um anestésico, pode reduzir rapidamente os sintomas graves de transtorno depressivo maior, particularmente a ocorrência de pensamentos suicidas.

publicidade

Nova pesquisa em camundongos, com apoio dos institutos nacionais de saúde, mostra como cetamina pode alterar circuitos cerebrais, rapidamente os sintomas da depressão.

Estudos anteriores demonstraram que a cetamina — um anestésico — pode reduzir rapidamente os sintomas graves de transtorno depressivo maior, particularmente a ocorrência de pensamentos suicidas.

No entanto, os pesquisadores ainda estão inseguros como esta substância atua no cérebro para combater a depressão ou como manter seus efeitos terapêuticos a longo prazo.

Por esta razão, uma equipe de investigadores da Universidade de Tóquio, no Japão, Universidade de Stanford, na Califórnia, e medicina Weill Cornell, em Nova York, NY, recentemente se estabeleceu para entender mais sobre como a cetamina luta contra a depressão no cérebro, estudando seu efeito em camundongos.

Esta pesquisa recebeu apoio dos institutos nacionais de saúde (NIH), que descrevem o trabalho como "pesquisa básica" que "é fundamental para avançar novas e melhores maneiras de prevenir, diagnosticar e tratar a doença." Os autores do estudo relatam seus achados em um artigo científico que aparece na revista Science.

Circuitos do cérebro e cetamina

"Cetamina é um tratamento potencialmente transformador para a depressão, mas um dos principais desafios associados a esta droga é sustentar a recuperação após o tratamento inicial", explica o Dr. Conor Liston, um dos pesquisadores por trás do estudo.

Para descobrir como a cetamina funciona no cérebro e identificar os mecanismos que reduzem os sintomas depressivos, os pesquisadores trabalharam com camundongos que apresentavam...

publicidade

... comportamentos indicativos de depressão.

Mais especificamente, a equipe focada em espinhas dendríticas. Estas são pequenas saliências sobre dendritos, que são extensões de células cerebrais que ajudam os neurônios "comunicar " entre si. As espinhas dendríticas são as partes que recebem os estímulos que outros neurônios enviam.

Os pesquisadores estudaram as espinhas dendríticas no córtex pré-frontal dos cérebros dos camundongos antes e depois de expor alguns dos roedores a uma fonte de estresse. Encontraram que os ratos que demonstram depressão, como comportamentos após ter experimentado o estressor perderam espinhas dendríticas mais rapidamente do que os ratos do controle. Além disso, estes ratos tiveram a formação reduzida de espinhas dendríticas novas.

A equipe também viu que a exposição de camundongos experimentais ao estresse levou a uma pior conectividade e coordenação da atividade neural no córtex pré-frontal. Essas mudanças, os pesquisadores explicam, relacionam-se a comportamentos típicos na depressão, que ocorrem em resposta ao estresse. 

Em 24 horas após ter recebido apenas uma dose de Ketamine, os roedores que a equipe tinha confrontado com uma fonte de stress não mostraram depressão-como sintomas. As varreduras do cérebro igualmente revelaram um aumento na formação de espinhas dendríticas inteiramente funcionais.

Os autores fazem uma distinção entre esses achados. Camundongos que receberam cetamina, eles explicam, mostraram melhorias comportamentais dentro de 3 horas de tratamento, mas eles só experimentaram nova formação de espinha dendrítica entre 12 e 24 horas após o tratamento.

"Nossos resultados sugerem que...

publicidade

...as intervenções destinadas a melhorar a formação de sinapse e prolongar a sua sobrevivência pode ser útil para manter os efeitos antidepressivos da cetamina nos dias e semanas após o tratamento," Dr. Liston.

Insights adicionais podem orientar os avanços

Embora os pesquisadores admitam que eles terão que realizar mais estudos para entender os mecanismos exatos em jogo, eles acreditam, com base em suas descobertas atuais, que a formação de novas espinhas dendríticas pode ocorrer graças ao fato de que a cetamina aumenta o cérebro atividade no córtex pré-frontal.

Os pesquisadores também descobriram que as espinhas dendríticas são susceptíveis de desempenhar um papel importante na manutenção da remissão de sintomas depressivos, como em camundongos. Quando a equipe tentou remover seletivamente espinhas dendríticas recém-cultivadas nos cérebros dos camundongos, os roedores começaram a expressar comportamentos relacionados à depressão mais uma vez.

Dr. Janine Simmons, que lidera o Instituto Nacional de saúde mental do programa de neurociência social e afetiva, e que não contribuiu para o estudo atual, explica por que a realização de novas pesquisas sobre o funcionamento da cetamina no cérebro é importante.

"Cetamina," ela observa, "é a primeira nova medicação antidepressiva com um novo mecanismo de ação desde a década de 1980. Sua capacidade de diminuir rapidamente os pensamentos suicidas já é um avanço fundamental."

Insights adicionais sobre os efeitos de longo prazo da cetamina em circuitos cerebrais poderaim orientar futuros avanços na gestão de transtornos do humor.

Sobre o Autor

Médico Generalista escritor com 35 anos de experiência em Clínica Geral / Saúde da Família.

Aviso Saudável
Os conteúdo do artigo e demais informações divulgadas não devem substituir a orientação ou o diagnóstico de profissionais de saúde ou um especialista na área de saúde.
Em caso de emergência médica ligue para 192 e solicite ajuda!
Disque Saúde SUS (Sistema Único de Saúde) ligue para 136
Centro de Valorização da Vida (CVV) ligue para 188.

publicidade