Colite Linfocítica: Causas, Sintomas, Tratamento e Dieta

Colite Linfocítica: Causas, Sintomas, Tratamento e Dieta

A colite linfocítica é uma forma de doença inflamatória intestinal. É uma doença rara caracterizada por episódios crônicos de diarreia aquosa e dor abdominal.

publicidade
publicidade
Sintomas e Doenças

O que é colite linfocítica?

A colite linfocítica é um tipo de doença inflamatória que afeta o intestino grosso. O intestino grosso faz parte do trato digestivo, incluindo o cólon e o reto. Começa na boca e termina no reto. O intestino grosso quebra as partículas de alimento que recebe do intestino delgado e sua principal função é absorver a água.

Quando um paciente sofre de colite linfocítica, o sistema imunológico envia células inflamatórias ao intestino grosso, causando inchaço e inflamação. As células imunes, também conhecidas como linfócitos, às vezes podem se acumular na área e se juntar na parte inferior do intestino delgado. Devido à inflamação, o intestino grosso não pode absorver a água como normalmente faz.

A colite linfocítica é uma forma de doença inflamatória intestinal. É uma doença rara caracterizada por episódios crônicos de diarreia aquosa e dor abdominal. As mulheres tendem a desenvolver a condição mais do que os homens. É mais prevalente em pacientes idosos com idade entre 60 e 80, e tende a ser comum em pacientes com doença celíaca.

Quais são as causas e fatores de risco da colite linfocítica?

A causa exata da colite linfocítica não é clara. Às vezes, pode estar relacionado a doenças ou infecções autoimunes. As condições auto-imunes causam o sistema imunológico para atacar células saudáveis no corpo, causando frequentemente inflamação, como é encontrado na colite linfocítica.

Alguns pesquisadores acreditam que é causada por algo que não é familiar no trato digestivo, como bactérias, pólen ou alimentos anteriormente estranhos ao corpo.

Certos medicamentos também são conhecidos por ocasionalmente causam a condição. Estes incluem antidepressivos, antiinflamatórios encontrados em certos medicamentos para dor, excluindo esteroides, medicamentos para colesterol alto, medicamentos para refluxo ácido e medicamentos para diabetes.

O tabagismo também está relacionado ao desenvolvimento de colite linfocítica, ocorrendo frequentemente após o paciente deixar de fumar. Outros estudos encontraram uma conexão...

publicidade ;)

... entre o consumo de café e a colite linfocítica, mas esses achados não estão bem documentados.

Quais são os sinais e sintomas da colite linfocítica?

O sintoma característico da colite linfocítica são os episódios de diarreia aquosa sem vestígios de sangue. Para alguns pacientes, estes episódios ocorrem várias vezes ao dia. Muitas vezes, esses episódios serão esclarecidos por um período de tempo antes de retornar.

Outros sintomas comuns incluem: perda de peso, dor abdominal, inchaço, desidratação, náuseas e vômitos, cansaço ou fraqueza, dor nas articulações e incapacidade de controlar a evacuação intestinal. A desidratação é frequentemente o resultado dos episódios crônicos de diarreia.

Como diagnosticar e tratar a colite linfocítica

O diagnóstico de colite linfocítica geralmente começa com uma visita regular ao seu médico. Eles vão perguntar sobre seus sintomas e história médica familiar. Você pode ser encaminhado para um gastroenterologista, que é um médico especializado em questões do trato digestivo.

Outras causas comuns de diarreia serão excluídas e um exame físico, incluindo um exame abdominal, será administrado. Outros testes provavelmente serão realizados, incluindo exames de sangue para verificar a anemia ou infecção, testes para doença celíaca e testes em amostras de fezes.

Para alguns pacientes, uma colonoscopia será necessária para confirmar o diagnóstico. Este teste envolve a inserção de uma pequena câmera no reto para examinar o cólon e o trato intestinal. Uma biópsia intestinal pode ser realizada durante a colonoscopia, portanto, uma porção do tecido do intestino pode ser testada.

Para o tratamento, seu médico pode prescrever medicamentos para ajudar a parar e prevenir os episódios de diarreia crônica. A maioria dos pacientes apenas requer estes medicamentos ao longo de um curto ciclo de tratamento.

Dieta de colite linfocítica

Uma mudança na sua dieta também pode ser uma maneira eficaz de tratar e prevenir a colite linfocítica. A dieta recomendada de colite linfocítica envolve a eliminação do consumo de...

publicidade

...alimentos que podem piorar a condição. Estes incluem produtos lácteos e alimentos ricos em gordura, bem como alimentos que podem irritar o estômago ou intestino como alimentos altamente ácidos ou picantes.

Outros alimentos a serem evitados incluem alimentos ricos em fibras, como feijão, nozes e legumes. Estes são difíceis de processar no trato digestivo e podem provocar estresse excessivo. Evitar o álcool também é recomendado, pois pode causar desidratação severa, o que pode ser fatal.

Uma dieta para colite linfocítica inclui alimentos macios e fáceis de digerir. Exemplos disso incluem bananas, compotas de maça e arroz. Também é aconselhável aumentar o consumo de líquidos, especialmente da água, para combater os efeitos desidratantes dos episódios diarreicos.

Prognóstico da colite linfocítica

O prognóstico geral da colite linfocítica é muito bom. Aproximadamente 20% dos pacientes vão sofrer remissão espontânea sem nenhum tratamento. Mais de 50% dos pacientes apresentam grande melhora seis meses após o tratamento, enquanto outros podem continuar a sofrer episódios de diarreia durante vários anos. Mais de 80% dos pacientes afirmam não ter sintomas recorrentes ou efeitos duradouros três anos após o diagnóstico e o tratamento.

A colite linfocítica é uma doença rara que causa inflamação no intestino. É uma forma de doença inflamatória intestinal causada por células imunes acumulando e atacando os tecidos no intestino, resultando em inflamação e inchaço.

A condição é caracterizada por episódios crônicos de diarreia aquosa, mas também pode resultar em dor abdominal, náuseas, vômitos e inchaço.

A diarreia na colite linfocítica não contém sangue. As causas da condição são desconhecidas, mas foram associadas a diabetes, doença celíaca, distúrbios auto-imunes e infecção.

Certos medicamentos também foram associados ao seu desenvolvimento. O diagnóstico às vezes pode exigir a administração de uma colonoscopia e biópsia intestinal. Com o tratamento, o prognóstico da doença é muito bom. Cerca de 20% dos pacientes se recuperarão sem tratamento.

publicidade

Aviso Saudável
Os conteúdo do artigo e demais informações divulgadas não devem substituir a orientação ou o diagnóstico de profissionais de saúde ou um especialista na área de saúde.
Em caso de emergência médica ligue para 192 e solicite ajuda!
Disque Saúde SUS (Sistema Único de Saúde) ligue para 136
Centro de Valorização da Vida (CVV) ligue para 188.