Como o estresse afeta o cérebro
Autor: Dr. Pedro Lemos

Como o estresse afeta o cérebro

Mesmo níveis baixos de estresse podem causar alterações significativas em seu cérebro ao longo do tempo. Se você estiver estressado o tempo todo, seu cérebro pode encolher.

publicidade

Parece que os seres humanos estão sob estresse crônico nos dias de hoje. Estresse, que é um imperativo biológico decorrente da resposta de luta ou fuga que protegeu os primeiros humanos dos predadores, tem profundos efeitos fisiológicos em todo o corpo, incluindo seu cérebro. Mesmo níveis baixos de estresse podem causar alterações significativas em seu cérebro ao longo do tempo.

Estresse pode encolher seu cérebro

Um estudo da Universidade Yale de 2012 mostrou que o estresse crônico pode realmente reduzir o volume cerebral. Em outras palavras, se você estiver estressado o tempo todo, seu cérebro pode encolher. Entre seus muitos efeitos, o menor volume cerebral pode levar à cognição prejudicada e à função emocional dificultada.

Por que isso acontece? De acordo com o estudo, o estresse e / ou a depressão ativam um fator de transcrição conhecido como GATA1, que regula os genes que controlam as conexões sinápticas. Quando ocorrem menos conexões sinápticas, o volume do cérebro é reduzido.

A boa notícia é que o dano não tem que ser permanente. O volume do cérebro pode voltar ao normal, de acordo com o autor que estudou o volume cerebral de 2000 pessoas com transtorno de estresse pós-traumático. Quando os níveis hormonais no cérebro retornam ao normal, o volume cerebral volta ao tamanho normal.

Estresse mata células cerebrais

O estresse também pode matar células cerebrais, particularmente nas áreas associadas à memória e aprendizagem, de acordo com o Harold e Margaret Milliken Hatch Laboratory of Neuroendocrinology, Rockefeller University. Quando seu cérebro percebe o estresse, seu corpo libera adrenalina na corrente sangüínea, dando ao seu cérebro a explosão de energia necessária para lutar, fugir ou congelar.

Após cerca de um minuto, a adrenalina deixa seu cérebro e retorna à função normal. Se a ameaça persistir ou for grave, seu cérebro chama as grandes armas.

De acordo com o pesquisador do cérebro...

publicidade

... da Universidade de Stanford, Robert M. Sapolsky, estes são uma classe de hormônios esteroides, chamados de glicocorticoides.

Você já pode saber que o cortisol, é um exemplo de um glucocorticoide. Estes hormônios permanecem no seu cérebro e continuam a impactar o seu funcionamento, muito mais do que a adrenalina.

Ambos os tipos de hormônios são diretos para o hipocampo. Seu corpo requer um estado de homeostase (equilíbrio hormonal) para funcionar corretamente.

O equilíbrio entre hormônios simpáticos e parasimpáticos é muito delicado. O estresse crônico pode manter esses hormônios desequilibrados. Níveis elevados de qualquer tipo de hormônios podem matar células no hipocampo, dificultando a memória e aprendendo.

Prejudicar Cognição, Expressão e Memória

De acordo com o Centro Médico da Universidade de Maryland, eventos estressantes ativam o sistema hipotálamo-hipófise-adrenal, que liberam catecolaminas, neurotransmissores como dopamina, norepinefrina e epinefrina. Estes produtos químicos ativam a amígdala e suprimem a concentração, memória de curto prazo, pensamento racional e inibição.

Esta supressão de respostas cerebrais normais permite que você se envolva totalmente em luta ou fuga sem que sua intrusão de cérebro. Infelizmente, a supressão de tais respostas a longo prazo também pode prejudicar sua memória e prejudicar a função cognitiva.

Estresse provoca esgotamento dos produtos químicos do cérebro

Se uma ameaça é especialmente grave ou repetida com frequência, como o combate prolongado ou o abuso, os produtos químicos que transportam mensagens de uma célula nervosa para outra se tornam esgotados e o cérebro torna-se lento e ineficiente.

De acordo com o American Institute of Stress, isso pode levar a uma variedade de efeitos na saúde mental, incluindo:

  • Depressão
  • Distúrbios do sono
  • Pensamentos sem conexão e dificuldade de concentração
  • Dificuldade em aprender
  • Distração
  • Dificuldade em tomar decisões
  • Comportamentos obsessivos ou compulsivos
  • Maior hostilidade, preocupação e culpa

O estresse supera o pensamento lógico

Um homem, heroicamente, corre para um prédio em chamas para salvar uma criança, e depois diz que "apenas reagiu" ou "foi piloto automático"....

publicidade

...A Solução HeartMath, baseada em grande parte na pesquisa do Dr. Daniel Goleman, e apresentada na 12ª Conferência Anual do Programa Unificado, descreve o que provavelmente motivou as ações do herói.

Ele sofreu estresse extremo ao ver a criança em perigo iminente, e essa informação entrou em seu cérebro com tanta força e urgência que contornou o córtex pré-frontal e outros centros cerebrais superiores. Foi direto para o sistema límbico, que é o lugar da emoção e da reação. Essencialmente, sua razão e julgamento foram fora da linha temporariamente, e ele reagiu do centro reptiliano de seu cérebro, localizado no tronco cerebral. Esta é também a parte do cérebro que controla batimentos cardíacos, respiração e outras funções corporais autônomas.

Curiosamente, este é o mesmo processo mental que ocorre durante um crime de paixão. Quando as percepções recebidas ignoram a parte racional do cérebro, uma pessoa pode agir sem o efeito regulador da sabedoria, memória ou julgamento. A lógica é simplesmente indisponível no momento, e as reações são baseadas em emoção bruta.

Estresse libera muita adrenalina

Você já encontrou um estresse extremo e de repente se envolveu em comportamentos muito instintivos? Isso acontece porque a adrenalina faz com que o cérebro comece e pare certas funções para lidar eficazmente com a ameaça percebida desencadeada pelo estresse. De acordo com o Instituto Franklin, a adrenalina irá iniciar e parar as seguintes funções cerebrais enquanto estiver presente:

  • Isso faz com que o cérebro sinalize a liberação de glicose e ácidos graxos na corrente sanguínea para fornecer energia e força instantâneas.
  • Afia seus sentidos para perceber novas ameaças.
  • Isso torna você menos sensível à dor para que você possa continuar sua luta ou fuga.
  • Ele desliga as funções desnecessárias para qualquer luta ou fuga, incluindo crescimento, reprodução ou imunidade.
  • Ele instrui o cérebro a reduzir o fluxo sanguíneo para a pele.
Sobre o Autor

Médico Generalista escritor com 35 anos de experiência em Clínica Geral / Saúde da Família.

Aviso Saudável
Os conteúdo do artigo e demais informações divulgadas não devem substituir a orientação ou o diagnóstico de profissionais de saúde ou um especialista na área de saúde.
Em caso de emergência médica ligue para 192 e solicite ajuda!
Disque Saúde SUS (Sistema Único de Saúde) ligue para 136
Centro de Valorização da Vida (CVV) ligue para 188.

publicidade