Depressão | O que é Depressão?

Depressão | O que é Depressão?

Depressão não é um sinal de fraqueza ou uma personalidade negativa. É um problema de saúde pública e uma condição médica tratável.

publicidade
publicidade
Sintomas e Doenças

O que é Depressão?

É natural se sentir para baixo, às vezes, mas se aquele mau humor persiste dia após dia, poderia ser sinal de depressão. Depressão maior é um episódio de tristeza ou apatia juntamente com outros sintomas que podem durar pelo menos duas semanas consecutivas e é grave o suficiente para interromper as atividades diárias.

Depressão não é um sinal de fraqueza ou uma personalidade negativa. É um problema de saúde pública e uma condição médica tratável.

Sintomas de depressão: emocional

Os principais sintomas da depressão são um humor triste e/ou perda de interesse na vida. Atividades que antes eram prazerosas perdem seu apelo. Os pacientes também podem ser assombrados por um senso de culpa ou inutilidade, falta de esperança e pensamentos recorrentes de morte ou suicídio.

Sintomas de depressão: físico

Depressão é por vezes ligada a sintomas físicos. Estes incluem:

  • Fadiga e diminuição da energia
  • Insônia, especialmente de manhã cedo ao acordar
  • Sono excessivo
  • Dores persistentes ou dores localizadoas como noas braços, pernas, mãos, pés, dores de cabeça, cólicas ou problemas digestivos que não facilitam mesmo com tratamento

Depressão pode fazer com que outros problemas de saúde pareçam pior, particularmente dor crônica. Produtos químicos do cérebro influenciam tanto humor e dor. Tratamento da depressão foi mostrado para melhorar doenças co existentes.

Sintoma de depressão: apetite

Alterações no apetite ou peso são outra marca registrada da depressão. Alguns pacientes desenvolvem aumento do apetite, enquanto os outros perdem o apetite por completo. Pessoas deprimidas podem experimentar a perda grave de peso ou ganho de peso.

Impacto na vida diária

Sem tratamento, a turbulência física e emocional provocada pela depressão pode descarrilar carreiras, hobbies e relacionamentos. Pessoas com depressão muitas vezes sentem dificuldades em concentrar-se e tomar decisões. Ficam longe de atividades que anteriormente achavam agradáveis, incluindo sexo. Em casos graves, depressão pode ser fatal.

Sinais de alerta de suicídio

Pessoas que estão deprimidas são mais propensas a tentativa de suicídio. Sinais de aviso incluem falar sobre morte ou suicídio, ameaçar machucar pessoas ou engajar-se no comportamento agressivo ou arriscado. Qualquer um que aparece suicida deve...

publicidade ;)

... ser levado muito a sério.

Depressão: Quem está em risco?

Ninguém pode se tornar deprimido, mas muitos especialistas acreditam que a genética tem um papel importante. Ter um pai ou irmão com depressão aumenta o risco de desenvolver o transtorno. As mulheres são duas vezes mais prováveis como homens de tornam-se deprimidas.

Causas da depressão

Os médicos não tem certeza o que causa depressão, mas uma teoria proeminente é a alteração na estrutura do cérebro e função química. Circuitos do cérebro que regulam o humor podem funcionar menos eficientemente durante a depressão.

Drogas que tratam a depressão são acreditadas para melhorar a comunicação entre as células nervosas, fazendo-as correr mais normalmente. Os especialistas pensam também que, embora o estresse, como perder um ente querido, pode provocar depressão, a primeira característica é que deve ser biologicamente propenso a desenvolver o transtorno. Outros gatilhos podem incluir certos medicamentos, álcool ou abuso de substâncias, alterações hormonais ou até mesmo a temporada. 

Depressão sazonal

Se seu humor coincide com a temporada, ensolarado no verão, triste no inverno, você pode ter uma forma de depressão chamada a desordem afetiva sazonal. O aparecimento de desordem afetiva sazonal geralmente ocorre no final do outono e início do inverno, como a luz do dia horas crescem mais curtas. Os especialistas dizem que a desordem afetiva emocional afeta de 3% a 20% de todas as pessoas, dependendo de onde vivem.

Depressão pós-parto

O "baby blues" ataca até três de quatro novas mães. Mas quase 12% desenvolvem um humor escuro mais intenso que perdura enquanto seu bebê prospera. Isso é conhecido como depressão pós-parto, e os sintomas são os mesmos que os da depressão maior.

Uma diferença importante é que o bem-estar do bebê também está em jogo. Uma mãe deprimida pode ter problemas de apreciar e criar laços com seu bebê.

Depressão em crianças

Nos Estados Unidos, a depressão afeta 2% de crianças de escola primária e cerca de um em cada 10 adolescentes. Interfere com a capacidade de jogar, fazer amigos e completar trabalhos escolares. Os sintomas são semelhantes...

publicidade

...da depressão em adultos, mas algumas crianças podem aparecer com raiva ou se envolver em comportamento de risco, chamado "alterado". A depressão pode ser difícil de diagnosticar em crianças.

Diagnóstico de depressão

Até o momento, não há nenhum teste de laboratório para a depressão. Para fazer um diagnóstico preciso, os médicos dependem da descrição dos sintomas pelo paciente.

Você será perguntado sobre o seu uso de medicação e história médico uma vez que estas podem contribuir para sintomas de depressão. Discutir os humores, os comportamentos e atividades diárias pode ajudar a revelar a severidade e tipo de depressão. Este é um passo crítico para determinar o tratamento mais eficaz.

Psicoterapia para depressão

Estudos sugerem que diferentes tipos de psicoterapia podem ajudar com a depressão leve a moderada. Terapia cognitivo-comportamental visa alterar pensamentos e comportamentos que contribuem para a depressão. Terapia interpessoal identifica como seus relacionamentos afetam seu humor.

Psicoterapia psicodinâmica ajuda as pessoas a entender como seu comportamento e o humor são afetados por problemas não resolvidos e sentimentos inconscientes. Alguns pacientes acham que alguns meses de terapia são tudo o que eles precisam, enquanto outros continuam a longo prazo.

Medicamentos para a depressão

Os antidepressivos afetam os níveis de produtos químicos do cérebro, tais como a serotonina e noradrenalina. Há muitas opções. Os antidepressivos começam a fazer efeito dentro de algumas semanas. Bom acompanhamento com seu médico é importante para avaliar sua eficácia e fazer ajustes de dosagem.

Se o primeiro medicamento que tentou não ajudar, há uma boa chance de que outro irá. A combinação de psicoterapia e medicação parece particularmente eficaz.

Exercício para a depressão

A pesquisa sugere que o exercício é uma arma potente contra ligeira a moderada depressão. Atividade física libera endorfinas que podem ajudar a impulsionar o humor.

O exercício regular também está ligado à maior auto-estima, dormir melhor, menos estresse e mais energia. Qualquer tipo de atividade moderada, da natação para trabalhos domésticos, pode ajudar. Escolher algo que goste e aponta para 20 a 30 minutos, quatro ou cinco vezes por semana.

publicidade

Aviso Saudável
Os conteúdo do artigo e demais informações divulgadas não devem substituir a orientação ou o diagnóstico de profissionais de saúde ou um especialista na área de saúde.
Em caso de emergência médica ligue para 192 e solicite ajuda!
Disque Saúde SUS (Sistema Único de Saúde) ligue para 136
Centro de Valorização da Vida (CVV) ligue para 188.