Fibromialgia não é depressão | Mas pode aumentar as aflições
Autor:

Fibromialgia não é depressão | Mas pode aumentar as aflições

A depressão não causa a dor da fibromialgia, mostra um novo estudo. Mas a depressão clínica pode aprofundar a experiência de dor de um paciente com fibromialgia.

Fibromialgia não é depressão

Mas a depressão pode aumentar as aflições dos pacientes

A depressão não causa a dor da fibromialgia, mostra um novo estudo. Mas a depressão clínica pode aprofundar a experiência de dor de um paciente com fibromialgia.

As descobertas vêm em um relatório de Thorsten Giesecke, MD, para a reunião científica anual desta semana do American College of Reumatology. Giesecke é um membro da equipe de pesquisa da Universidade de Michigan, liderada por Daniel J. Clauw, MD, usando tecnologia de ponta para estudar fibromialgia.

"As pessoas ainda duvidam que a fibromialgia seja uma doença", diz Giesecke. "Anteriormente, descobrimos que os pacientes com fibromialgia realmente têm aumento do processamento central da dor. Agora podemos mostrar que isso não é afetado pela depressão. Algo está errado aqui, e não está de todo ligado à depressão."

A dor da fibromialgia é uma coisa. Mas os pacientes também enfrentam a dor de não serem levados a sério, observa Roland Staud, MD, diretor do centro de pesquisa de dor musculoesquelética da Universidade da Flórida, Gainesville. Staud revisou o estudo para o comitê do programa ACR.

"Devido ao fato de que pouquíssimas anormalidades físicas estão presentes nesses pacientes, o viés ocorreu. Muitas pessoas acham que as anormalidades de humor desempenham um papel importante", diz Staud.

"O grupo de Giesecke analisou as respostas cerebrais a estímulos dolorosos e, em seguida, verificou se havia alguma diferença entre pacientes deprimidos e não deprimidos com fibromialgia. Eles mostraram que a ativação de áreas do cérebro relacionadas à dor não eram diferentes...

... em pacientes com e sem depressão." Mas há uma diferença entre pessoas com e sem fibromialgia, diz ele.

Vendo dor no cérebro

Os pesquisadores usam um dispositivo de imagem chamado ressonância magnética funcional, ou fMRI, para ver como o cérebro responde à dor. Os participantes do estudo têm uma pressão levemente dolorosa no polegar, o que faz com que os centros de dor do cérebro "iluminem-se" na imagem. A pressão do polegar, em um nível que as pessoas saudáveis dificilmente sentem, desencadeia uma tempestade nos centros de dor do cérebro dos pacientes com fibromialgia.

Isso mostrou que a dor da fibromialgia é real. Mas alguns pesquisadores ainda acham que essa sensibilidade aumentada à dor é o resultado de um processo psicológico: depressão, talvez. Para verificar isso, Giesecke e colegas classificaram 30 pacientes com fibromialgia em uma escala de sintomas depressivos, em seguida, e aplicou o teste de dor no polegar com ressonância magnética funcional.

O resultado: a depressão, mesmo a depressão clínica - não tinha relação com a forma como os centros de dor do cérebro dos pacientes reagiam à dor experimental.

"Tudo o que você pode dizer aqui é que os pacientes deprimidos e não deprimidos da fibromialgia processaram o estímulo de forma idêntica", diz Staud. "Pacientes de fibromialgia deprimidos têm mais dor clínica, sabemos disso."

Um elo entre depressão e dor

Sete dos 30 pacientes com fibromialgia estavam sofrendo de depressão clínica real, bem como fibromialgia. E enquanto seus centros de dor respondiam como os de outros pacientes com fibromialgia, esses pacientes deprimidos...

publicidade

...realmente tinham algo mais acontecendo em seus cérebros.

Pacientes com fibromialgia deprimida responderam à dor em duas áreas cerebrais extras não envolvidas na sensação de dor. Estas partes do cérebro, a insula anterior e a amígdala, estão envolvidas em respostas emocionais. Embora não pareçam afetar a sensação de uma dor particular, eles podem aprofundar a experiência da dor.

"A ínsula anterior está envolvida em muitas coisas emocionais que dizem como você se sente", diz Giesecke. "Não é geralmente associado à depressão, mas com a experiência de estímulos adversos como maucheiros e fotos de rostos com expressões temerosas. Esta parece ser uma área chave que responde a um estímulo à dor, mas também responde à depressão."

A depressão, ao que parece, não torna a dor da fibromialgia mais intensa. Mas pode adicionar algo desagradável à experiência da dor.

"A dor é determinada principalmente pela intensidade do estímulo da dor e o desconforto que ocorre junto com o estímulo", diz Staud." A imagem mostrou que a maior parte do desgosto da sensação está nessas áreas que contribuem para esses sentimentos. Isso é muito importante para a experiência da dor.

Os achados, sugere Giesecke, podem explicar parcialmente por que alguns antidepressivos são eficazes no tratamento da dor. E eles levam os pesquisadores um passo mais perto de entender a misteriosa doença conhecida como fibromialgia.

"Acho que o ponto mais importante é que a fibromialgia é realmente uma doença", diz Giesecke. "Tenho certeza de que estamos no caminho certo para encontrar a fisiopatologia da fibromialgia. Estamos chegando perto."

Sobre o Autor
Dr. Pedro Lemos - Médico Generalista escritor

Médico Generalista escritor com 35 anos de experiência em Clínica Geral / Saúde da Família.

Aviso Saudável
Os conteúdo do artigo e demais informações divulgadas não devem substituir a orientação ou o diagnóstico de profissionais de saúde ou um especialista na área de saúde.
Em caso de emergência médica ligue para 192 e solicite ajuda!
Disque Saúde SUS (Sistema Único de Saúde) ligue para 136
Centro de Valorização da Vida (CVV) ligue para 188.

publicidade