Fibromialgia pode ser Hereditária?
Autor: Dr. Pedro Lemos

Fibromialgia pode ser Hereditária?

Esta é uma preocupação comum. É assustador pensar que, inadvertidamente, passamos por uma doença crônica e debilitante junto aos nossos filhos. A boa notícia é que, embora possam ter um risco elevado, não é absolutamente garantido que desenvolvam fibromialgia.

publicidade

Genética e Agrupamento em Famílias pode causar Fibromialgia

Esta é uma preocupação comum. É assustador pensar que, inadvertidamente, passamos por uma doença crônica e debilitante junto aos nossos filhos. A boa notícia é que, embora possam ter um risco elevado, não é absolutamente garantido que desenvolvam fibromialgia.

Com base em pesquisas, a crença atual é que a fibromialgia não é hereditária no sentido clássico, em que uma mutação de um único gene é responsável por um determinado traço. Isso é chamado de monogênico e controla coisas como a cor dos olhos azuis; entretanto, evidências sugerem que seus genes podem predispor à fibromialgia, mas de uma maneira complexa envolvendo muitos genes, o que é chamado de poligênico.

Fibromialgia não é hereditária tais como fibrose cística e hemofilia. Mas estudos feitos em famílias têm verificado que as chances de ter fibromialgia são várias vezes mais elevadas nas famílias de pessoas com fibromialgia do que em famílias em que ninguém tem fibromialgia imediata. Estas observações sugerem que a hereditariedade é um fator que pode causar a fibromialgia.

Na verdade, estudos de DNA de familiares de pessoas com fibromialgia e síndromes de dor crônica apareceu um número de genes que poderia ajudar a explicar por que esses transtornos parecem funcionar nas famílias. Cada um destes genes desempenha um papel na resposta do seu sistema nervoso para coisas que machucam, tais como pressão e calor.

Alguns dos mesmos genes também estão associados com depressão e ansiedade, que pode ser a razão por que certos medicamentos antidepressivos ajudam a reduzir os sintomas da fibromialgia.

Os investigadores agora estão tentando conectar diferenças em limiares de dor dos indivíduos em particulares variações de genes específicos.

Uma variante do gene que determina como eficientemente as células nervosas reciclar a neurotransmissor serotonina já tem sido correlacionada com sensibilidade aumentada de dor.

Qual é a diferença?

Em uma condição hereditária clássica, monogênica, os genes específicos que você obtém de seus pais são o principal fator determinante para se...

publicidade

... obter uma doença. Por exemplo, na fibrose cística, o filho de pais portadores de ambas as doenças tem 25% de chance de desenvolver fibrose cística. Eles ou conseguem a mutação genética certa ou não. Se eles obtiverem a mutação, eles contraem a doença.

Com a predisposição poligênica, não é tão simples porque seus genes apenas significam que uma doença específica é possível sob as condições certas. Isso significa que há um risco maior do que em outras pessoas, mas não uma certeza. Normalmente, outros fatores devem entrar em jogo para realmente desencadear a doença.

Na fibromialgia, esses outros fatores podem incluir:

  • Outras fontes de dor crônica
  • Doença auto-imune
  • Distúrbios do sono
  • Estresse crônico
  • Doença infecciosa
  • Química cerebral anormal

Alguns especialistas acreditam que as coisas ambientais, como sensibilidades alimentares ou exposição a toxinas, também podem ter um papel importante.

Isso significa que seu filho pode ter herdado uma predisposição genética para a fibromialgia, mas isso ainda não significa que ele acabará com isso. Levaria um conjunto adicional de circunstâncias para derrubá-lo.

Links Genéticos na Fibromialgia

Pesquisadores começaram a investigar um possível componente genético da fibromialgia há muito tempo, porque ela tende a ser administrada em famílias, nos chamados "agrupamentos". Grande parte do trabalho envolveu gêmeos idênticos. O corpo de pesquisa vem crescendo desde os anos 80.

O que aprendemos é que cerca de metade do risco é determinado pela genética e metade é determinada por outros fatores, como os listados acima.

Pesquisas confirmam a alta taxa de ocorrência em famílias e sugerem que o baixo limiar de dor (o ponto em que a sensação se torna dolorosa) é comum em parentes não fibromiálgicos de pessoas com fibromialgia.

Estamos realmente começando a tirar uma foto do fatores genéticos específicos associados à fibromialgia. Até agora, temos vários estudos sugerindo conexões com inúmeros genes, mas muitos desses estudos não foram replicados.

Anormalidades genéticas que foram sugeridas por estudos preliminares incluem genes que lidam com neurotransmissores (mensageiros químicos no cérebro) que foram implicados na fibromialgia, incluindo serotonina, norepinefrina, dopamina,...

publicidade

...GABA e glutamato. Outros estão envolvidos na função cerebral geral, combatendo a infecção viral e receptores cerebrais que lidam com opioides (analgésicos narcóticos) e canabinóides (como a maconha).

À medida que aprendemos mais sobre essas associações genéticas, os pesquisadores podem identificar quais deles contribuem para o risco de desenvolver fibromialgia, bem como se algum pode ser usado para diagnosticar ou tratar a doença.

O que isso significa para o seu filho?

É assustador pensar que seu filho tem um risco elevado de acabar com a fibromialgia. A principal coisa a lembrar é que nada é garantido.

Até agora, não sabemos o que pode ajudar a reduzir o risco, mas um estudo sugere que o gêmeo com maior inteligência emocional estava menos propenso a adoecer. Sua inteligência emocional é sua habilidade:

  • Para estar ciente e no controle de suas emoções
  • Para expressar como você se sente
  • Para lidar com relacionamentos de forma justa e empática

Encorajar essas habilidades em seu filho pode ajudar. O estresse também é motivo de preocupação, por isso tente ensinar ao seu filho mecanismos positivos de enfrentamento. Se seu filho parece estar lutando com qualquer uma dessas coisas, você pode querer procurar um conselheiro profissional que possa ajudá-lo.

Como a dor crônica preexistente é um fator de risco para a fibromialgia, você pode querer estar especialmente ciente de como as lesões estão cicatrizando e se o seu filho tem enxaquecas ou "dores de crescimento". Seu pediatra deve ser capaz de recomendar tratamentos.

Não temos evidências de que uma dieta saudável e a boa forma física em geral diminuam especificamente o risco do seu filho desenvolver fibromialgia, mas são sempre uma boa ideia.

E se você está preocupado com qualquer coisa que tenha a ver com a saúde do seu filho, não se esqueça de falar com o seu pediatra.

E lembre-se de que você não "condenou" seu filho a nada. De fato, sua consciência inicial pode muito bem ser o que os direciona na outra direção.

Sobre o Autor

Médico Generalista escritor com 35 anos de experiência em Clínica Geral / Saúde da Família.

Aviso Saudável
Os conteúdo do artigo e demais informações divulgadas não devem substituir a orientação ou o diagnóstico de profissionais de saúde ou um especialista na área de saúde.
Em caso de emergência médica ligue para 192 e solicite ajuda!
Disque Saúde SUS (Sistema Único de Saúde) ligue para 136
Centro de Valorização da Vida (CVV) ligue para 188.

publicidade