O Gatilho Silencioso Para Um Acidente Vascular Cerebral
Autor: Dr. Pedro Lemos

O Gatilho Silencioso Para Um Acidente Vascular Cerebral

Com novo diagnóstico e abordagens de tratamento, a probabilidades são maiores do que nunca que esta condição potencialmente perigosa. Saiba mais!

publicidade

Você pode ter essa condição e nem mesmo saber disso

Quando se trata de prevenção de acidente vascular cerebral e distúrbios relacionados com o coração, como insuficiência cardíaca, é fundamental identificar e tratar adequadamente "Afib" — diminutivo de fibrilação atrial, o tipo mais comum de ritmo cardíaco anormal. Infelizmente, um número significativo da cerca de 3 milhões americanos que têm Afib nem percebem isso.

Agora: Com novo diagnóstico e abordagens de tratamento, a probabilidades são maiores do que nunca que esta condição potencialmente perigosa pode ser prevenida — se você receber os cuidados médicos adequados e estiver em dia com os exames. O que você precisa saber...

Quando a fibrilação atrial é silenciosa

Se você tiver fibrilação atrial, é possível experimentar uma variedade de sintomas, incluindo um tremores ou vibração do batimento cardíaco... batimentos cardíacos irregulares e/ou corrido... tonturas... extrema fadiga... falta de ar...e/ou dor ou pressão.

Mas fibrilação atrial também pode ser "silenciosa" — isto é, os sintomas são tão sutis que passam despercebidos pelo paciente.

Fibrilação atrial silenciosa é às vezes acidental e pode ser encontrada durante um exame físico quando o médico detecta um batimento cardíaco irregular.

Ele também pode ser suspeitado em pacientes com sintomas inespecíficos como fadiga ou falta de ar, especialmente naqueles com história familiar de uma condição como hipertensão ou diabetes, o que aumenta o risco para fibrilação atrial.

Mas se os sintomas são perceptíveis ou não ao paciente, o risco de acidente vascular cerebral e, potencialmente, insuficiência cardíaca permanece tão elevado, então a fibrilação atrial precisa ser diagnosticado.

Para verificar se há fibrilação atrial: A prática padrão tem sido realizar um eletrocardiograma (ECG) por alguns minutos no consultório do médico para gravar a atividade elétrica dirigindo as contrações do coração. Mas se os episódios são intermitentes, o ECG pode ser normal.

Quando existe suspeita de fibrilação atrial com base em sintomas tais como tontura e/ou palpitações ou batimentos cardíacos de corrida, mas o ECG é normal, os médicos recomendaram tradicionalmente monitoramento por 24 a 48 horas.

Isso envolve usar um pequeno dispositivo que é preso ao cinturão, mantido em...

publicidade

... um bolso ou pendurado ao pescoço e conectado a eletrodos conectados no peito. Mas essa abordagem, também, pode faltar episódios ocasionais de fibrilação atrial.

O que funciona melhor: monitoramento de longo prazo. Pesquisa publicada no The New England Journal of Medicine encontrou que fibrilação atrial foi detectada em mais de cinco vezes em pacientes, quando eles foram monitorados por 30 dias em vez de apenas 24 horas.

Diretrizes da American Heart Association recomendam agora monitoramento de fibrilação atrial por 30 dias no prazo de seis meses depois que uma pessoa sofreu um acidente vascular cerebral sem causa conhecida.

Nova opção: com a supervisão de um médico, dispositivos móveis de ECG (aproximadamente o tamanho de um telefone celular) agora podem ser usados periodicamente para gravar intervalos de 30 segundos de seu ritmo cardíaco. Pergunte ao seu médico para obter detalhes.

Receber o tratamento correto

Fibrilação atrial quase sempre requer tratamento. Além do perigo de acidente vascular cerebral, a condição tende a agravar-se deixado sozinho — sintomas tornam-se mais problemáticos, e o ritmo normal é mais difícil de restaurar.

Existem numerosas opções, dependendo de outros fatores de risco, seus objetivos de tratamento e sua própria preferência. Tratamento é escolhido com base na frequência e gravidade dos sintomas e se o paciente já tem doença cardíaca. Exemplos...

Evite o acidente vascular cerebral. Para impedir a formação de coágulos, muitos pacientes precisam de medicamentos para afinar o sangue (anticoagulantes). O velho modo de espera, warfarina (Coumadin), é eficaz, mas requer testes de sangue regulares e restrições alimentares.

Nos últimos anos, surgiu uma nova geração de anticoagulantes mais fácil de usar, incluindo o dabigatran (Pradaxa), Rivaroxabana (Xarelto) e apixaban (Eliquis). Essas novas drogas não têm nenhuma restrição dietética e não necessitam de exames de sangue de rotina. No entanto, todos os anticoagulantes carregam o risco para o sangramento, que é mais difícil de parar com as drogas mais recentes.

Alguns pacientes de outra forma de baixo risco para acidente vascular cerebral podem ser necessário apenas baixa dose de aspirina (como 81 mg por dia).

Acalmar o aumento da frequência cardíaca. Isto...

publicidade

...é feito geralmente com beta-bloqueadores como o atenolol (Tenormin) ou um bloqueador dos canais de cálcio como a amlodipina (Norvasc) ou diltiazem (Cardizem).

Normalize o ritmo cardíaco. Drogas anti-arrítmicos, como a amiodarona (Cordarone), flecainida (Tambocor) e dofetilide (Tikosyn), estão disponíveis. No entanto, estas são drogas poderosas, com efeitos colaterais potencialmente graves (tais como tontura e agitação incontrolável), que pode agravar a anormalidades de ritmo e deve ser usados com cautela.

Ablação. Outra opção para normalizar o ritmo cardíaco e reduzir o risco de acidente vascular cerebral é conhecida como ablação. Com este procedimento, o médico vão inserir alguns fios de uma série de cateteres até uma veia no coração para destruir o pequeno grupo de células que geram impulsos elétricos que causam fibrilação.

O procedimento pode ter que ser repetido, mas pode ser uma boa alternativa para o tratamento de drogas ao longo da vida. Ablação costumava ser a melhor opção para pacientes que não respondem às drogas, mas está sendo oferecido como terapia de primeira linha hoje em dia para aqueles que querem evitar a medicação ao longo da vida.

Novo procedimento: só no ano passado, o FDA aprovou um procedimento que pode reduzir drasticamente o risco de AVC — oclusão do apêndice atrial esquerdo ao colocar uma "ficha" em um saco pequeno do átrio onde 90% dos coágulos se formavam.

Cada um desses procedimentos, o que elimina a necessidade para diluição do sangue a longo prazo, carrega um pequeno risco de complicações graves, tais como acidente vascular cerebral e é melhor realizado em um hospital que tem experiência com a cirurgia e os recursos e experiência para fornecer backup de emergência, se necessário.

Um estilo de vida anti/fibrilação atrial. A melhor maneira de cortar suas chances de desenvolver a fibrilação atrial é modificar os fatores de risco. Se você tem pressão alta ou apneia do sono, obter um tratamento eficaz. Se você é obeso, perde peso. Exercite-se regularmente. Se você tiver fibrilação atrial, estas etapas vão ajudar com que seu tratamento possa funcionar melhor — e reduzir os sintomas.

Sobre o Autor

Médico Generalista escritor com 35 anos de experiência em Clínica Geral / Saúde da Família.

Aviso Saudável
Os conteúdo do artigo e demais informações divulgadas não devem substituir a orientação ou o diagnóstico de profissionais de saúde ou um especialista na área de saúde.
Em caso de emergência médica ligue para 192 e solicite ajuda!
Disque Saúde SUS (Sistema Único de Saúde) ligue para 136
Centro de Valorização da Vida (CVV) ligue para 188.

publicidade