Infestação da Pele provocada por uma Ilusão
Autor:

Infestação da Pele provocada por uma Ilusão

Infestações na pele conhecida como delírio de infestação parasitária ou delírio de infestação..

Durante anos, os dermatologistas têm presenciado em consultas, pessoas conscientes e confusas que sentem uma sensação constante de inseto rastejador sob sua pele, que eles acreditam que é devido a insetos, larvas ou ovos abaixo da superfície.

No maior estudo feito até agora para examinar amostras de pele de pacientes com esses sintomas, os médicos têm prova firme de que estas infestações na pele conhecida como delírio de infestação parasitária ou delírio de infestação, não são reais.

Os pesquisadores admitem, no entanto, que os resultados podem não ser suficientes para convencer muitos desses pacientes. Os pacientes muitas vezes se sentem desiludidos quando os médicos os tranquilizam e explicam que a infestação está toda em sua cabeça, e muitos continuam a acreditar que eles estão repletos de erros, mesmo quando os resultados das biópsias de pele mostram ser negativos.

É quase impossível levá-los a desacreditar nessa crença, não importa o quanto você mostra de provas com o resultado contrário", diz Mark DP Davis, MD, professor de dermatologia, em Rochester, Minnesota.

A medicação com antipsicóticos é o tratamento padrão para a infestação delirante. Mas, o Dr. Davis diz: "Muitos pacientes com este transtorno não querem tomar esses medicamentos porque eles não sentem que têm um transtorno delirante."

Alguns pacientes que experimentam a sensação de rastejamento na pele acreditam que é causado por fibras têxteis produzido por um organismo desconhecido. Junto com um grupo de médicos e defensores, esses pacientes têm empurrado para a condição de ser oficialmente reconhecido como doença de Morgellons, e fizeram pressão, com sucesso para o Centers for Disease Control and...

... Prevention (CDC) para investigá-lo.

No entanto, a maioria dos médicos consideram que a condição é mais psicológica do que física. Em um novo estudo, publicado na revista Archives of Dermatology, o Dr. Davis e seus colegas procuraram confirmar este ponto de vista, apresentando os resultados das biópsias de pele retiradas de pacientes que foram diagnosticados com a infestação delirante.

Os pesquisadores realizaram 80 biópsias. Como esperado, nenhuma delas apresentou indícios de infestação da pele, sendo que 49 pacientes tiveram alguma inflamação da pele, conhecida como dermatite. Esta inflamação pode ser devido a alguma causa subjacente, como alergias, ou poderia ter sido causada por esforços do paciente para remover os insetos ou objetos cavando u mesmo tentando queimar a própria pele, diz o Dr. Davis.

Além disso, 80 dos participantes do estudo, incluindo alguns que também fizeram biópsias, forneceram as próprias amostras da pele para os médicos. Dez desses modelos que figuram insetos, tais como ácaros ou carrapatos, mas apenas um inseto era realmente capaz de causar uma infestação, que era um piolho do púbis, mas a biópsia do paciente não apresentou sinais de que sua pele estava infestada com os piolhos.

O CDC concluiu recentemente o seu próprio estudo da condição, que a agência se refere a dermopatia como inexplicável, mas os resultados ainda não foram publicados.

O estudo do Dr. Davis "deixa pouco espaço para a especulação", diz Roland Freudenmann, MD, professor associado de psiquiatria da Universidade de Ulm, na Alemanha. Dr. Freudenmann é uma autoridade sobre a infestação delirante, mas não tomou parte no estudo atual.

"Isso pode irritar aqueles que...

publicidade

...não podem aceitar o diagnóstico de infestação delirante", diz ele. 

"Mas o estudo mostra que a infestação delirante existe e que ele é dos pacientes que estão errados." Dr. Freudenmann acrescenta que espera que as novas descobertas, bem como o relatório do CDC, "pôr fim à "história Morgellons". Jenny Murase, MD, um dermatologista e professor clínico assistente na Universidade da Califórnia em San Francisco (UCSF), diz que normalmente vê muitos pacientes com delírio de infestação a cada ano.

É  importante levar as queixas do paciente grave, diz o Dr. Murase, que não estava envolvido na pesquisa. Essas pessoas muitas vezes têm uma condição subjacente da pele, como eczema ou psoríase, que poderiam estar afetando os nervos de forma anormal e que contribuem para a sensação de infestação, explica. Dr. Murase e seus colegas, muitas vezes realizam as biópsias nesses pacientes, principalmente para tranqüilizar os pacientes em vez de confirmar o diagnóstico de infestação delirante.

O paciente escolhe o local onde a biópsia deve ser feita, e deve concordar que apenas uma biópsia será feita. O paciente também tem que concordar que, se no exame microscópico não forem encontradas provas de infestação, "que será mais aberto o estudo e pensado em outras causas para a condição", diz ela. John Koo, MD, um dermatologista que trabalha com o Dr. Murase em UCSF, estima que cerca de um terço desses pacientes podem ser facilmente convencidos de que o problema não é a real de infestação, um terço exigem mais convencimento, e outro um terço não pode ser desviado de sua convicção.

 

Sobre o Autor
Dr. Pedro Lemos - Médico Generalista escritor

Médico Generalista escritor com 35 anos de experiência em Clínica Geral / Saúde da Família.

Aviso Saudável
Os conteúdo do artigo e demais informações divulgadas não devem substituir a orientação ou o diagnóstico de profissionais de saúde ou um especialista na área de saúde.
Em caso de emergência médica ligue para 192 e solicite ajuda!
Disque Saúde SUS (Sistema Único de Saúde) ligue para 136
Centro de Valorização da Vida (CVV) ligue para 188.

publicidade