Inflamação do cérebro vincula dor crônica com depressão
Autor: Dr. Pedro Lemos

Inflamação do cérebro vincula dor crônica com depressão

A inflamação do cérebro causada pela dor crônica do nervo pode afetar a sinalização nas regiões do cérebro associadas com humor e motivação.

publicidade

Pela primeira vez, os cientistas descobriram que a inflamação do cérebro causada pela dor crônica do nervo pode afetar a sinalização nas regiões do cérebro associadas com humor e motivação. Esta descoberta sugere que há um mecanismo que conecta-se com sintomas de depressão e ansiedade que muitos pacientes experimentam dor crônica.

As conclusões do estudo, publicado na revista de neurociência, podem levar a novos métodos de tratamento para a dor crônica, a forma mais comum de suportar a doença para as pessoas com idade abaixo de 60 nos Estados Unidos.

Pesquisadores da Universidade de California-Irvine(UCI) e da Universidade da Califórnia-Los Angeles (UCLA) fez sua descoberta depois de examinar o crescimento de células do sistema imunológico nos cérebros de camundongos e ratos com dor crônica.

Segundo a academia americana de medicina dor (AAPM), dor afeta mais pessoas nos EUA que doenças cardíacas, diabetes e câncer combinados, com uma cerca de 100 milhões de americanos experimentando dor crônica.

Dor crônica também é fortemente associada com o desenvolvimento de outras condições tais como depressão, ansiedade e abuso de substâncias, com estes três vistos em mais de metade dos pacientes com dor crônica. Entre as causas relacionadas com a...

publicidade

... doença de suicídio nos Estados Unidos, dor crônica é só perde para o transtorno bipolar.

Catherine Cahill, professor adjunto de Anestesiologia e perioperatório cuidados na UCI e colegas descobriram que a inflamação no cérebro causada pela dor crônica aumentou a taxa na qual as células imunes específicas cresceram e tornaram ativadas.

Estas células, conhecidas como microglia, que desencadeou sinais químicos no cérebro que inibiu a liberação de dopamina, crucial para a regulação de áreas do cérebro associadas à recompensa e prazer.

Dopamina é um dos mais importantes neurotransmissores, associados não só com o sistema de recompensa do cérebro, mas com funções cognitivas e motoras. Alguns estudos têm também perturbação vinculada à resposta dopamina com psicose e esquizofrenia.

As conclusões representam uma mudança de paradigma na investigação de dor e drogas opióides como a morfina são freqüentemente usadas para aliviar a dor, mas em pacientes com dor crônica podem ser ineficazes. O novo estudo revelou-se agora por que isso pode ser o caso.

Estas drogas normalmente estimulam uma resposta de dopamina, mas os pesquisadores descobriram que não há tal resposta ocorreu em camundongos e ratos com dor crônica. Comportamento motivado a recompensa em roedores também foi prejudicado.

Após...

publicidade

...o uso de um fármaco que inibe a ativação da micróglia, entretanto, os pesquisadores observaram que foi restaurada a liberação de dopamina, como era o comportamento motivado a recompensa.

"Há mais de 20 anos, os cientistas têm tentado desbloquear os mecanismos de trabalho que se conectam a opiáceos, alívio da dor, depressão e dependência,", afirma Cahill. "Nossas descobertas representam uma mudança de paradigma que tem grandes implicações que não são restritos ao problema da dor e podem traduzir para outras doenças."

Os pesquisadores agora estão esperando para estabelecer se as alterações biofísicas no cérebro estão por trás do desenvolvimento de transtornos de humor associados rompimento de circuitos de recompensa e dor crônica.

"Temos um fármaco composto que tem o potencial para normalizar o comportamento de recompensa," explica Cahill, "e subseqüente investigação clínica então poderia empregar estudos de imagiologia para identificar como a mesma perturbação em circuitos de recompensa encontrados em roedores ocorre em pacientes de dor crônica".

O novo estudo faz sentido com as conclusões de um outro pedaço de pesquisas recentes. No mês passado, Medical News Today informou sobre um estudo investigando o papel que dopamina desempenha na manutenção da dor crônica.

Sobre o Autor

Médico Generalista escritor com 35 anos de experiência em Clínica Geral / Saúde da Família.

Aviso Saudável
Os conteúdo do artigo e demais informações divulgadas não devem substituir a orientação ou o diagnóstico de profissionais de saúde ou um especialista na área de saúde.
Em caso de emergência médica ligue para 192 e solicite ajuda!
Disque Saúde SUS (Sistema Único de Saúde) ligue para 136
Centro de Valorização da Vida (CVV) ligue para 188.

publicidade