Ligação entre Microlitíase testicular e Câncer de testículos

Ligação entre Microlitíase testicular e Câncer de testículos

Microlitíase testicular é uma condição rara, diagnosticada durante um ultra-som testicular, no quais pequenos grupos de cálcio são formados nos testículos.

publicidade
publicidade
Sintomas e Doenças

A microlitíase testicular (MT) é uma condição relativamente comum que representa a deposição de múltiplas calcificações minúsculas em ambos os testículos.

O critério mais comum para o diagnóstico é o de cinco microcalcificações em um testículo, embora as definições tenham variado no passado. Na maioria dos casos, a microlitíase testicular é bilateral.

Epidemiologia

A microlitíase testicular é observada em até 0,6% dos pacientes submetidos à ultrassonografia escrotal. Alguns relatos sugerem que ele pode se apresentar em até 5,6% da população geral entre 17 e 35 anos de idade. Embora a microlitíase testicular esteja presente em aproximadamente 50% dos homens com tumor de células germinativas, é muito comum em pacientes sem câncer, e uma relação direta entre os dois tem sido debatida.

Associações

  • tumor de células germinativas testiculares
  • Síndrome de klinefelter
  • criptorquidia
  • infarto testicular
  • doença granulomatosa
  • infertilidade testicular
  • Síndrome de Down
  • microlitíase alveolar

Apresentação clínica

A microlitíase testicular por si só é assintomática e é geralmente encontrada incidentalmente quando o conteúdo escrotal é examinado por ultrassonografia, ou encontrado em associação com condições sintomáticas.

Patologia

As microcalcificações são provavelmente um marcador de degeneração tubular, mas não um fator de risco para degeneração tubular.

Existe uma ligação entre a microlitíase testicular e o...

publicidade ;)

... câncer testicular?

Microlitíase testicular é uma condição rara, diagnosticada durante um ultra-som testicular, no quais pequenos grupos de cálcio são formados nos testículos. Vários estudos mostram uma relação entre microlitíase testicular e câncer testicular.

No entanto, ainda não está claro se ter microlithiasis testicular é um fator de risco independente para câncer de testículo.

A maioria dos estudos de microlitíase testicular envolvem homens que tinham ultra-sonografias testiculares feitas por algum outro motivo, como inchaço, dor ou infertilidade.

Nestes estudos, parece haver uma pequena associação entre microlithiasis testicular e câncer testicular. No entanto, estudos de homens saudáveis sem sintomas mostram que microlithiasis testicular é muito mais comum do câncer testicular.

Como resultado, os pesquisadores acreditam que microlithiasis testicular é improvável aumentar risco de um homem saudável de ter câncer de testículo.

Se você tem microlitíaes testicular, seu histórico médico provavelmente afetará as recomendações de acompanhamento do seu médico. Por exemplo:

  •  Você é saudável e não têm sintomas ou fatores de risco para câncer de testículo.

Nenhum outro teste é necessário. No entanto, seu médico pode recomendar que você faça auto-exames testiculares regulares e marcar uma consulta, se você encontrar qualquer caroço.

  • Você tem...

    publicidade

    ...outros fatores de risco para câncer de testículo.

Se você tiver outros fatores de risco para câncer de testículo, tais como um testículo que não desceu anteriormente, seu médico pode recomendar exames anuais de ultrassom testicular.

Tratamento e prognóstico

A microlitíase testicular é, em si mesma, assintomática e benigna. Uma relação com tumores testiculares, em particular tumores de células germinativas (TCG) é controversa. Foi reportado um risco 8 vezes maior de tumores de células germinativas em testículos sintomáticos com microlitíase (com microlitíase encontrada em aproximadamente 50% dos casos de TCG), no entanto, nenhum risco aumentado foi encontrado em testículos assintomáticos. Também não está claro se a detecção precoce confere algum benefício sobre o autoexame. Assim, é improvável que o rastreamento seja benéfico.

Algumas publicações aconselham o auto-exame de rotina, em vez de vigilância ultra-sonografia, enquanto outros recomendam o acompanhamento anual de ultra-som quando é acompanhado de outros fatores pré-malignos.

A Sociedade Europeia de Radiologia Urogenital (ESUR) aconselha o acompanhamento anual de ultrassonografia até os 55 anos de idade, somente se houver um fator de risco que inclua:

  • história pessoal ou familiar de tumor de células germinativas
  • testículo não descido
  • orquidopexia
  • atrofia testicular
publicidade

Aviso Saudável
Os conteúdo do artigo e demais informações divulgadas não devem substituir a orientação ou o diagnóstico de profissionais de saúde ou um especialista na área de saúde.
Em caso de emergência médica ligue para 192 e solicite ajuda!
Disque Saúde SUS (Sistema Único de Saúde) ligue para 136
Centro de Valorização da Vida (CVV) ligue para 188.