Luto: normal ou patológico?
Autor: Dr. Pedro Lemos

Luto: normal ou patológico?

O fato de perder uma pessoa é ruim em si, logo ficar triste é um direito e uma reação natural. A pessoa enlutada precisa de tempo para assimilar a nova realidade, e organizar a perda internamente.

publicidade

O fato de perder uma pessoa é ruim em si, logo ficar triste é um direito e uma reação natural. A pessoa enlutada precisa de tempo para assimilar a nova realidade, e organizar a perda internamente.

Quando alguém importante morre, é difícil simplesmente entender e aceitar que ela não está mais lá, e por mais irracional que pareça, continuamos desejando, no cotidiano, a manifestação daquela presença, esperando que ela chegue do trabalho, sente à mesa de jantar, faça algum comentário, e até temos o impulso de ligar para a pessoa que faleceu, de forma que somos obrigados a lidar com a mesma perda constantemente, pois cada detalhe nos remete a uma ausência, gerando diversos sentimentos como frustração, vazio, raiva, tristeza, entre outros, e por vezes, chegamos a duvidar do nosso senso de realidade.

Espera-se que com o tempo a pessoa comece a se desvincular destes hábitos, memórias e expectativas, de forma que possa retomar a vida e relacionar-se...

publicidade

... novamente. Então, em um luto saudável, o sofrimento e o humor depressivo surgem como uma forma de enfrentar e assimilar a perda.

O luto é elaborado e a capacidade para criar novos vínculos continua preservada. Segurança, confiança nos vínculos, capacidade para ser agressivo e se posicionar diante a vida, acabam sendo elementos fundamentais para elaborar um luto de forma saudável, pois são indicadores de maturidade emocional.

Contudo, algumas pessoas não conseguem fazer este desligamento, e o processo de luto parece não ter fim, gerando um desânimo constante, e uma falta de sentido generalizada.

Nestes casos é preciso investigar o que leva o indivíduo a continuar investindo sua atenção, pensamentos e emoções, em uma relação que não mais existe.

Não raro, a pessoa falecida aparece idealizada, e qualquer iniciativa para deixar a vida antiga ou recuperar a vitalidade é sentida como uma forma de traição, sendo o resultado uma melancolia sempre presente.

Curiosamente, na clínica, percebemos que o processo de luto tem...

publicidade

...mais haver com a vida do que com a morte. Por exemplo, uma pessoa que têm uma tendência a centralizar todas as responsabilidades pode experimentar a morte de outrem com uma culpa excessiva.

Outra, muito dependente pode viver a perda como um abandono, rejeição e uma solidão desproporcional. Alguns podem até mesmo sentir que estão sendo punidos de alguma forma.

Enfim, cada um elabora o luto de uma forma diferente, de acordo com sua própria história e questões pessoais. Nestes casos, a psicoterapia tem como linhas gerais entrar em contato com a perda, deixar que surjam sentimentos ambivalentes que caracterizavam cada relação e diluir as idealizações, para que a morte que o ocorreu na realidade externa, possa ocorrer também na realidade psíquica, e no tempo certo devolver ao enlutado seu direito à vida.

E isto, obviamente, nada tem haver com esquecer, desmerecer ou desrespeitar a pessoa morta, mas simplesmente viver a dor de forma significativa e completa.

Sobre o Autor

Médico Generalista escritor com 35 anos de experiência em Clínica Geral / Saúde da Família.

Aviso Saudável
Os conteúdo do artigo e demais informações divulgadas não devem substituir a orientação ou o diagnóstico de profissionais de saúde ou um especialista na área de saúde.
Em caso de emergência médica ligue para 192 e solicite ajuda!
Disque Saúde SUS (Sistema Único de Saúde) ligue para 136
Centro de Valorização da Vida (CVV) ligue para 188.

publicidade