Maconha - Uso pode ajudar contra Diabetes e Obesidade
Autor: Dr. Pedro Lemos

Maconha - Uso pode ajudar contra Diabetes e Obesidade

Usuários de Maconha tem menos probabilidade de engordar e reduzir o risco de desenvolver diabetes. Veja o estudo que defende o uso!

publicidade

Maconha luta contra Diabetes e ajuda com Obesidade

Usuários de Maconha tem menos probabilidade de engordar e reduzir o risco de desenvolver diabetes, de acordo com o mais recente estudo, o que sugere que os compostos de maconha pode ajudar no controle de açúcar no sangue.

Embora a maconha tem uma reputação bem merecida para o aumento do apetite por meio do que os usuário chamam de "larica", a nova pesquisa, que foi publicada no American Journal of Medicine, não é o primeiro a descobrir que a droga tem um relacionamento de duas vertentes para o peso.

Três estudos anteriores mostraram que os usuários de maconha são menos propensos a ser obesos, têm um menor risco de diabetes e têm menores medições de índice de massa corporal (IMC). E essas tendências ocorrem apesar do fato de que eles consomem mais calorias.

Por quê?

"A descoberta mais importante é que os atuais usuários de maconha parecia ter melhor metabolismo de carboidratos do que os não-usuários", diz Murray Mittleman, professor associado de medicina na Harvard Medical School e autor do estudo. "Os níveis de insulina em jejum foram mais baixas, e pareciam ser menos resistentes à insulina produzida pelo seu corpo para manter um nível de açúcar no sangue normal".

A pesquisa incluiu mais de 4.600 homens e mulheres que participaram do National Health and Nutrition Examination Survey entre 2005 e 2010. Entre eles, 48% haviam fumado maconha pelo menos uma vez em suas vidas, e 12% eram fumantes atuais de maconha. Outros fatores controlados foram: idade, sexo, renda, consumo de álcool, tabagismo e atividade física, que também pode afetar o risco de diabetes.

Mesmo após esses ajustes, os usuários de maconha atuais mostraram níveis de insulina em jejum que eram 16% menores do que os dos ex-usuários ou que nunca utilizaram maconha, junto com uma redução de 17% em uma outra medida da resistência à insulina também. Níveis mais elevados de ambos os testes...

publicidade

... são associados com a diabetes Tipo 2, que está ligada com a obesidade.

Usuários de maconha também tinham níveis mais elevados de lipoproteínas de alta densidade, o chamado colesterol bom, que pode proteger contra doenças cardíacas. E os fumantes regulares também impulsionou cinturas menores: em média, eles foram 3,8 cm mais finos do que os ex-usuários e aqueles que nunca haviam fumado maconha (cannabis).

Os pesquisadores ainda não sabem como explicar essas correlações - e uma vez que o estudo não foi um ensaio clínico controlado, não está claro se a maconha ou algum outro fator no estilo de vida dos usuários de maconha, na verdade, representavam os efeitos benéficos.

Os estudos mostraram, contudo, que os receptores do cérebro afetados por canabinóides marijuana estão profundamente envolvidos no apetite e metabolismo. Mas os detalhes exatos de como o composto altera a relação entre o apetite, a ingestão calórica e resposta da insulina ainda não é óbvia.

Uma pista, no entanto, pode encontrar-se nos efeitos de uma droga de dieta que foi desenvolvida para ter o efeito oposto, que tem a maconha (marijuana) no cérebro.

Essa droga, rimonabant, produz a perda de peso significativa e uma queda nos níveis de insulina em jejum por afetar certos receptores de canabinóides no caminho oposto que o THC, o principal ingrediente psicoativo da maconha, faz. Esta ação é complexa: rimonabant não simplesmente bloquear o receptor e manter os canabinóides naturais de ativá-lo.

Em vez disso, enquanto os canabinóides naturais eleva o nível normal de atividade já em curso no sistema, o rimonabanto diminui de modo que o resultado é justamente o inverso da ativação do receptor naturalmente.

No entanto, por causa de efeitos colaterais psiquiátricos, como o aumento do risco de suicídio, o rimonabanto foi retirado do mercado europeu e nunca aprovado nos EUA.

Como poderia tanto a maconha e um composto que tem o efeito oposto de maconha atuam sobre os mesmos receptores do cérebro e levar à perda de peso?

Maconha natural inclui muitos...

publicidade

...e diferentes compostos potencialmente ativos, e um deles - ao invés de THC - poderiam ser responsáveis por esse efeito. Um candidato potencial é uma substância chamada canabidiol, que também afeta os receptores de canabinóides, mas de uma forma diferente da forma como THC ou rimonabant faz.

Outra possibilidade envolve tolerância: o uso repetido de uma droga pode fazer menos receptores sensíveis ao longo do tempo.

"A explicação mais provável é que o consumo de cannabis prolongado faz com que os receptores perca a sensibilidade e tornar-se inativo", afirma Daniele Piomelli, professor de farmacologia na Universidade da Califórnia, em Irvine.

"Isso tem sido ocorrido em pessoas que fumam maconha. Este enfraquecimento dos receptores se traduz em um menor risco de obesidade e diabetes porque o receptor inativo seria incapaz de responder às nossas próprias moléculas, que sabemos que são importantes para nos mantermos o peso e até ampliar o peso.

Enquanto a maconha pode, inicialmente, promover o apetite e comer em excesso, a longo prazo, tem o efeito oposto, pois insensibiliza receptores de canabinóides e pode até proteger contra a obesidade".

Portanto, ainda não é o momento de trocar a academia pela maconha: ainda não há dados suficientes para dizer se a maconha, como o álcool, pode ter benefícios para a saúde com moderação. Mittleman diz o estudo se baseou na utilização de auto-relato de maconha, que podem não ser confiáveis.

No entanto, ele destaca que já que as pessoas estão mais propensas a esconder o uso de drogas, os resultados poderiam ainda subestimar os efeitos da maconha.

Mas se isso é verdade, e se a maconha pode ser uma opção para a compreensão de como controlar melhor a glicose e insulina para prevenir diabetes, ainda não é conhecida.

"É muito cedo para dizer", diz Mittleman, "Precisamos de mais pesquisas para entender melhor as respostas biológicas ao uso de maconha. Nós realmente precisamos de mais pesquisa para permitir que médicos e pacientes a tomar decisões baseadas em evidências sólidas.

Sobre o Autor

Médico Generalista escritor com 35 anos de experiência em Clínica Geral / Saúde da Família.

Aviso Saudável
Os conteúdo do artigo e demais informações divulgadas não devem substituir a orientação ou o diagnóstico de profissionais de saúde ou um especialista na área de saúde.
Em caso de emergência médica ligue para 192 e solicite ajuda!
Disque Saúde SUS (Sistema Único de Saúde) ligue para 136
Centro de Valorização da Vida (CVV) ligue para 188.

publicidade