Medo do abandono (autofobia) | Sentimento, Sintomas e Causas

Medo do abandono (autofobia) | Sentimento, Sintomas e Causas

O medo do abandono (autofobia) é um fenômeno complexo da psicologia, que se acredita ter origem na perda ou no trauma da infância.

publicidade
publicidade
Sintomas e Doenças

O que é autofobia?

O medo do abandono (autofobia) é um fenômeno complexo da psicologia, que se acredita ter origem na perda ou no trauma da infância. Esse medo foi estudado sob uma variedade de perspectivas. As teorias por trás do motivo pelo qual o medo do abandono ocorre incluem interrupções no desenvolvimento normal das capacidades sociais e mentais das crianças pequenas, relacionamentos passados e experiências de vida, e exposição a normas e ideias específicas.

Embora não seja uma fobia oficial, o medo do abandono (autofobia) é sem dúvida um dos medos mais comuns e mais prejudiciais de todos. Pessoas com medo de abandono tendem a exibir comportamentos compulsivos e padrões de pensamento que afetam seus relacionamentos, resultando no abandono eles temem se tornar uma realidade. Esse medo pode ser devastador. Entender esse medo é o primeiro passo para resolvê-lo.

Por que acontece autofobia

Medo abandono

Nossos comportamentos e ações nos relacionamentos atuais são todos pensados para ser o resultado de medos antigos e conceitos aprendidos que ocorrem na infância. Existem muitas teorias que tentam entender o medo do abandono.

Constância de Objetos

Na teoria das relações objetais, um desdobramento da análise freudiana, um "objeto" na mente é ou uma pessoa, uma parte de uma pessoa ou algo que de alguma forma simboliza um ou outro. Constância de objeto é o conceito de que, mesmo quando não podemos ver alguém, essa pessoa não muda fundamentalmente.

Isso está relacionado à idéia de "permanência de objeto" estudada pela primeira vez pelo psicólogo do desenvolvimento Jean Piaget. Os bebês aprendem que mamãe ou papai vai para o trabalho e depois volta para casa. Ele ou ela não deixa de amar a criança só porque eles estão separados por algumas horas. Enquanto isso, a criança desenvolve um objeto interno, ou uma representação psicológica do pai, que satisfaz a necessidade de contato da criança durante o período intermediário.

A constância do objeto geralmente se desenvolve antes dos 3 anos de idade. À medida que as crianças crescem e amadurecem, os períodos de separação aumentam e são frequentemente gerados pela criança quando, por exemplo, vai para a escola ou passa o final de semana na casa de um amigo. Uma criança com boa constância de objeto entende que relacionamentos importantes não são prejudicados pelo tempo de intervalo.

A constância do objeto pode ser interrompida por eventos traumáticos. Morte ou divórcio são causas comuns, mas mesmo situações que parecem relativamente pouco importantes para os adultos envolvidos podem afetar o desenvolvimento desse entendimento crítico.

Por exemplo, crianças com pais nas forças armadas, aquelas cujos pais têm pouco tempo para gastar com elas e aquelas com pais negligentes também podem estar em risco de constância de objeto interrompido.

Arquétipos e Mitologia

A mitologia é preenchida com histórias de amantes abandonados ou rejeitados, principalmente mulheres que dedicam seus próprios eus aos seus parceiros apenas para serem deixadas para trás quando o amante sai para conquistar o mundo. Alguns psicólogos, como Carl Jung, argumentam que esses mitos e lendas se tornaram parte de nosso inconsciente coletivo. Em algum nível primitivo, nós internalizamos certos arquétipos e histórias e os tornamos parte de nossa visão de mundo compartilhada.

Cada um de nós tem um mito pessoal como bem - um que não é compartilhado com os outros, mas reside profundamente dentro do núcleo de nossos seres. Esse mito pessoal é composto de nossas interpretações do inconsciente coletivo através dos filtros de nossas próprias experiências.

Nessa perspectiva, o medo do abandono está ligado a esses mitos universais, mas varia em gravidade de acordo com nossas próprias memórias pessoais.

Experiências anteriores

Muitos medos são desencadeados pelos acontecimentos do nosso passado. Mesmo que sua constância de objetos esteja intacta e você não seja afetado por mitos ou...

publicidade ;)

... arquétipos abrangentes, você pode ter sido abandonado em algum momento de sua vida.

No momento em que somos adultos, a maioria de nós passou por algumas mudanças significativas: a morte de um ente querido. Um amigo se afastando. Um relacionamento terminando. Uma transição do ensino médio para a faculdade, para casamento e paternidade. Embora a maioria de nós se adapte às mudanças das circunstâncias, não é incomum ficar preso em algum lugar no processo de luto pelo que já foi.

Se você passou por um abandono repentino e traumático, como perder alguém por violência ou tragédia, você pode estar em maior risco de desenvolver esse medo.

Sinais de medo do abandono

Milhões de pessoas lutam contra esse medo. Quando se trata de relacionamentos, seus comportamentos resultantes incluem:

  • Você é rápido para anexar, mesmo para parceiros ou relacionamentos indisponíveis.
  • Você está relutante em se comprometer totalmente e teve poucos relacionamentos de longo prazo.
  • Você pode ser rápido para seguir em frente apenas para garantir que você não fique muito apegado.
  • Você pretende agradar. Para algumas mulheres, a pesquisa encontrou até um aumento na disposição de fazer sexo indesejado.
  • Uma vez em um relacionamento, você fica, não importa o quão insalubre seja o relacionamento.
  • Você é muitas vezes difícil de agradar e perspicaz.
  • A intimidade emocional é difícil para você.
  • Você se sente inseguro e indigno de amor.
  • Você acha difícil confiar nas pessoas.
  • Ser ciumento de todos que você conhece não é um sentimento estranho para você.
  • Sentimentos de ansiedade de separação são intensos.
  • Sentimentos de ansiedade geral e depressão são muito comuns em você.
  • Você tende a pensar demais e a trabalhar duro para descobrir o significado oculto de tudo.
  • Você é hipersensível à crítica.
  • Você reprimiu os problemas de raiva e controle.
  • Auto-culpa é comum para você.

Efeito sobre relacionamentos: um exemplo de cenário

O medo do abandono é altamente personalizado. Algumas pessoas têm apenas medo de perder um parceiro romântico. Outras temem de repente se encontrarem completamente sozinhas.

Para explicar melhor como indivíduos com medo de abandono podem navegar por um relacionamento, aqui está um exemplo de como um relacionamento típico pode começar e evoluir. Isso é especialmente verdadeiro para relacionamentos românticos, mas há muitas similaridades em amizades próximas também:

1. Conhecer uma outra fase

Nesse ponto, você se sente relativamente seguro. Você ainda não está emocionalmente investido na outra pessoa, então você continua a viver sua vida enquanto aproveita o tempo com sua pessoa escolhida.

2. A Fase da Lua de Mel

É quando você faz a escolha de se comprometer. Você está disposto a ignorar possíveis bandeiras vermelhas ou amarelas porque você se dá tão bem. Você começa a gastar muito tempo com a outra pessoa, você sempre se diverte e começa a se sentir seguro.

3. O relacionamento real

A fase da lua de mel não pode durar para sempre. Não importa quão bem duas pessoas se entendam, a vida real sempre intervém. As pessoas ficam doentes, têm problemas familiares, começam a trabalhar difícil horas, se preocupe com dinheiro e precise de tempo para fazer as coisas.

Embora este seja um passo muito normal e positivo em um relacionamento, pode ser aterrorizante para aqueles com medo de abandono, que podem vê-lo como um sinal de que a outra pessoa está se afastando.

Se você tem esse medo, você provavelmente está lutando com você mesmo e se esforçando muito para não expressar suas preocupações por medo de parecer grudento.

4. O ligeiro

As pessoas são humanas. Eles têm fraquezas, humores e coisas em suas mentes. Independentemente de quanto eles se importam com outra pessoa, eles não podem e não devem ser esperados para sempre ter essa pessoa na vanguarda de suas mentes. Especialmente depois que o período de lua de mel termina, é inevitável que ocorra uma ligeira aparente. Isso geralmente toma a forma de uma...

publicidade

...mensagem de texto não respondida, um telefonema não devolvido ou um pedido de alguns dias de tempo sozinhos.

5. A Reação

Para aqueles com medo de abandono, este é um ponto de virada. Se você tem esse medo, provavelmente está completamente convencido de que o leve é um sinal de que seu parceiro não o ama mais. O que acontece a seguir é quase inteiramente determinado pelo medo do abandono, pela sua gravidade e pelo estilo de enfrentamento preferido do sofredor.

Algumas pessoas lidam com isso tornando-se grudentas e exigentes, insistindo para que seu parceiro prove seu amor pulando através de aros. Outros fogem, rejeitando seus parceiros antes de serem rejeitados. Ainda assim, outros acham que o menor é culpa deles e tentam se transformar no "parceiro perfeito" na tentativa de impedir que a outra pessoa deixando.

Na realidade, o leve provavelmente não é nem um pouco leve. Simplificando, às vezes as pessoas simplesmente fazem coisas que seus parceiros não entendem. Em um relacionamento saudável, o parceiro pode reconhecer a situação pelo que ela é - uma reação normal que tem pouco ou nada a ver com o relacionamento. Ou ele pode se sentir incomodado com isso, mas abordá-lo com uma discussão calma ou um breve argumento. De qualquer forma, um único leve percebido não se torna uma influência dominante nos sentimentos do parceiro.

6. O ponto de vista do parceiro

Do ponto de vista de seu parceiro, sua mudança súbita de personalidade parece vir do campo esquerdo. Se seu parceiro não sofre com o medo do abandono, ele provavelmente não tem a menor idéia de por que seu parceiro antes confiante e relaxado está subitamente agindo de forma pegajosa e exigente, sufocando-o com atenção ou se afastando completamente.

Semelhante a fobias, é impossível simplesmente falar ou raciocinar alguém por medo de abandono. Não importa quantas vezes seu parceiro tente tranquilizá-lo, isso simplesmente não será suficiente. Eventualmente, seus padrões de comportamento e reações inconsoláveis podem afastar seu parceiro, levando à conclusão que você mais teme.

Estratégias 

Se o seu medo é moderado e bem controlado, você pode ser capaz de lidar com isso simplesmente aprendendo sobre suas tendências e aprendendo novas estratégias comportamentais. Para a maioria das pessoas, no entanto, o medo do abandono está enraizado em questões profundas que são difíceis de resolver sozinho.

A assistência profissional é muitas vezes necessária para trabalhar com este medo e construir a autoconfiança necessária para realmente mudar seus pensamentos e comportamentos.

Embora tratar o medo em si seja crítico, também é essencial construir um sentimento de pertencer. Em vez de concentrar toda a sua energia e devoção em um único parceiro, concentre-se na construção de uma comunidade. Ninguém pode resolver todos os nossos problemas ou atender a todas as nossas necessidades. Mas um grupo sólido de vários amigos íntimos pode desempenhar um papel importante em nossas vidas.

Muitas pessoas com medo de abandono afirmam que nunca se sentiram como se tivessem uma "tribo" ou um "bando" quando estavam crescendo. Por qualquer motivo, eles sempre se sentiram "outros" ou desconectados dos que os cercavam. Mas a boa notícia é que nunca é tarde demais.

Seja qual for a sua fase atual da vida, é importante cercar-se de outros indivíduos com a mesma mentalidade. Faça uma lista de seus hobbies, paixões e sonhos atuais. Em seguida, encontre outras pessoas que compartilhem seus interesses. Embora seja verdade que nem todos que compartilham um interesse se tornarão amigos próximos, hobbies e sonhos são um excelente passo para construir uma sólida rede de apoio. Trabalhar em suas paixões também ajuda a construir autoconfiança e a crença de que você é forte o suficiente para lidar com o que quer que a vida faça pelo seu caminho.

publicidade

Aviso Saudável
Os conteúdo do artigo e demais informações divulgadas não devem substituir a orientação ou o diagnóstico de profissionais de saúde ou um especialista na área de saúde.
Em caso de emergência médica ligue para 192 e solicite ajuda!
Disque Saúde SUS (Sistema Único de Saúde) ligue para 136
Centro de Valorização da Vida (CVV) ligue para 188.