O que é Melanose Coli? Pigmentação do cólon e reto

O que é Melanose Coli? Pigmentação do cólon e reto

A melanose coli é uma condição na qual há uma descoloração das membranas que revestem o cólon (intestino grosso) e reto, resultante do depósito de pigmento na lâmina própria, uma camada do revestimento intestinal.

publicidade

A melanose coli é uma condição na qual há uma descoloração das membranas que revestem o cólon (intestino grosso) e reto, resultante do depósito de pigmento na lâmina própria, uma camada do revestimento intestinal. Por não apresentar sintomas, essa descoloração é geralmente identificada durante uma colonoscopia. Também chamada de pseudomelanose coli, a melanose coli recebeu esse nome porque acreditava-se originalmente que a mudança de cor era o resultado do pigmento melanina. No entanto, a pesquisa mostra agora que a lipofuscina, um pigmento associado ao envelhecimento, é o pigmento responsável pela cor escura.

Normalmente, melanose coli é uma cor marrom escura ou preta que pode variar em escuridão e intensidade. A mudança de cor tende a ser mais evidente nas partes inicial e média do cólon, em vez de espalhar-se uniformemente, mas isso pode ser diferente para cada indivíduo com a condição. Em raras ocasiões, alterações no pigmento também podem ser vistas no intestino delgado, uma condição conhecida como ilei melanose.

Causas

Os médicos geralmente observam a melanose coli em pacientes que sofrem de constipação crônica e freqüentemente usam laxantes. Isto levou à confirmação de uma ligação sólida entre o uso de laxantes à base de plantas que contêm compostos orgânicos encontrados em algumas plantas chamadas antraquinonas e o aparecimento da melanose coli. Esses laxantes também são comumente chamados de antranoides.

A descoloração intestinal pode ser observada logo após quatro meses após o uso regular de laxantes à base de plantas. A melanose coli pode ser observada em pacientes que não têm constipação ou usam os laxantes contendo antraquinona, embora isso seja raro.

Laxantes contendo antraquinona incluem:

  • Látex de aloe
  • Cascara sagrada
  • Frangula alnus (amieiro-negro,...

    publicidade

    ... canjica e fusaro)

  • Ruibarbo (rheum)
  • Senna, como Senokot

Os cientistas não sabem exatamente por que esses laxantes específicos causam as alterações pigmentares da melanose coli, mas a melhor teoria é que os efeitos da purga dos laxantes danificam as células epiteliais no revestimento do cólon, criando pigmentação. À medida que as células danificadas se acumulam, a pigmentação também se acumula e ocorre a melanose coli.

Diagnóstico

Como não tem sintomas, a melanose coli é geralmente encontrada durante um procedimento endoscópico, como uma colonoscopia ou uma sigmoidoscopia, um procedimento que analisa apenas o cólon sigmoide (inferior) em vez de todo o cólon, como em uma colonoscopia. Um médico pode ver a própria melanose coli ou ela pode ser encontrada durante o exame de uma biópsia de tecido feita durante um desses procedimentos.

As mulheres são mais propensas a serem diagnosticadas com melanose coli do que os homens, provavelmente porque a constipação é três vezes maior nas mulheres, o que pode resultar em um uso mais laxativo. A constipação é mais frequente nas mulheres, porque as fezes tendem a mover-se mais lentamente através do trato digestivo feminino e algumas mulheres parecem experimentar constipação durante seus períodos mensais.

Risco de câncer

A maioria dos gastroenterologistas considera a melanose coli como uma condição inofensiva. Estudos não encontraram uma associação entre a melanose coli e um risco aumentado de câncer colorretal em humanos. Isso não significa que não exista, mas que uma associação em potencial é difícil de encontrar e ainda não foi comprovada.

Em 1997, a Food and Drug Administration dos Estados Unidos (FDA) proibiu o uso da antraquinona fenolftaleína em laxantes sem receita médica devido a preocupações de...

publicidade

...que o uso prolongado ou excessivo poderia causar câncer. A razão para a proibição foi que havia estudos em animais que mostraram que o uso de grandes quantidades de fenolftaleína causou tumores. No entanto, a fenolftaleína não tem sido mostrado para causar tumores em humanos.

Um estudo de melanose coli em pacientes com câncer de cólon descobriu que a presença de melanose coli aumenta com a idade, semelhante ao próprio câncer de cólon. Isso faz sentido, considerando que o pigmento responsável pela melanose coli, a lipofuscina, é um produto do envelhecimento (morte celular). O estudo também descobriu que não havia melanose dentro dos tumores estudados.

A razão para a falta de clareza sobre o assunto tem a ver com a associação não clara de constipação e risco de câncer. Estudos mostraram uma associação entre constipação e câncer de cólon, mas não se sabe por quê. Alguns cientistas pensam que é devido à lenta motilidade, ou movimento, dos movimentos intestinais durante constipação, que poderia resultar em carcinógenos com contato prolongado com as células intestinais. Ou pode ser que os fatores que contribuíram para a constipação em si, como uma dieta com pouca fibra, sejam a razão pela qual esse possível maior risco de câncer existe.

Não existe um protocolo definitivo para a eliminação da melanose coli, mas o seu médico provavelmente recomendará que você tome medidas para prevenir a constipação, incluindo hidratação e ingestão de uma dieta rica em fibras, e que pare de usar laxantes, especialmente aqueles que contêm antraquinona. Uma vez que esses laxantes são descontinuados, é possível que a condição desapareça dentro de seis a 12 meses.

publicidade

Aviso Saudável
Os conteúdo do artigo e demais informações divulgadas não devem substituir a orientação ou o diagnóstico de profissionais de saúde ou um especialista na área de saúde.
Em caso de emergência médica ligue para 192 e solicite ajuda!
Disque Saúde SUS (Sistema Único de Saúde) ligue para 136
Centro de Valorização da Vida (CVV) ligue para 188.