O que é Psicoterapia Breve?

O que é Psicoterapia Breve?

A Psicoterapia breve ou Terapia breve é um tratamento psicológico que tem como especificidade a ênfase no trabalho com um foco.

publicidade
publicidade
Estilo de Vida

A Psicoterapia breve ou Terapia breve é um tratamento psicológico que tem como especificidade a ênfase no trabalho com um foco. A maioria dos autores trabalha com um limite de tempo, definido logo de início ou depois de algumas sessões.

Conceituação

Os diversos autores propõem maneiras diferentes de trabalhar, de acordo com suas experiências e modelos teóricos; assim sendo, a psicoterapia breve admite várias abordagens como a psicanalítica, a comportamental, a cognitiva, a psicodramática, por exemplo.

Prestar menos ou mais atenção aos determinantes psíquicos atuais ou infantis, à história de vida familiar e pessoal, ao sintoma, ao comportamento, ao funcionamento consciente ou inconsciente, vai depender também da abordagem escolhida pelo terapeuta.

Em cada abordagem, a psicoterapia breve respeita seus pressupostos teóricos; por exemplo, a psicoterapia breve psicanalítica respeita o vértice psicanalítico, enquanto a terapia comportamental segue os parâmetros discriminados por Skinner.

Dependendo da abordagem, o psicoterapeuta será mais diretivo e intervencionista: na terapia comportamental o terapeuta intervém e direciona mais do que na psicanalítica, por exemplo. A terapia, mesmo sendo breve não é necessariamente superficial, porque não é o tempo, menor ou maior que define a profundidade de uma terapia, mas seus desígnios teóricos e técnicos.

O termo "breve", embora consagrado, não seria o melhor para caracterizar esta forma de psicoterapia porque, por convenção, o tempo máximo para uma psicoterapia breve é de um ano, o que não é pouco.

Diferentes abordagens

A abordagem psicanalítica respeita...

publicidade ;)

... o vértice psicanalítico, ou seja, a investigação da transferência, a interpretação, a neutralidade e as associações livres.

A resolução de sintomas não é o eixo principal da terapia, mas a busca da compreensão de sentidos. Seus autores de referência são: Malan, seguidor de Balint, na Inglaterra e Gilliéron na Suiça. Na abordagem da terapia psicodinâmica, que tem Fiorini como bom exemplo, a teoria é de origem psicanalítica, mas o modo de trabalhar difere do vértice psicanalítico descrito acima, sendo mais diretivo e intervencionista.

A terapia cognitiva baseia-se na premissa da inter-relação entre cognição, emoção e pensamento no funcionamento do ser humano e salienta a importância do pensamento sobre o afeto, o comportamento, a biologia e o ambiente. O terapeuta desta abordagem trabalha com a ideia de que o processamento de informações, ou seja, o ato de atribuir significado a sentimentos, pessoas, fatos, forma a base do comportamento, influenciando a visão de futuro e da própria identidade.

A terapia comportamental trabalha com o pressuposto de que o comportamento responde a estímulos específicos. Um autor importante é Skinner.

Conceitos como aprendizagem, condicionamento com reforço positivo ou aversivo, dessensibilização progressiva, mudança de comportamento a partir do treinamento de comportamentos mais adaptados, compõem parte de seu corpo teórico. Não se atém a procurar causas dos sintomas no passado do paciente, como faz a psicanálise.

Aliada à terapia cognitiva, é a abordagem mais indicada pelos psiquiatras por ser...

publicidade

...mais direta e de simples realização. A hipnoterapia, de Milton Erickson, utiliza a hipnose como ferramenta principal e seu trabalho é pontual e voltado para a resolução de sintomas.

Na abordagem da PNL "programação neurolinguística" o enfoque se volta para a ideia de que o modelo de linguagem que um indivíduo possui amplia ou reduz a compreensão do mundo exterior. Ao acreditar que a linguagem influencia a nós e aos outros, a PNL busca os padrões que, sem percebermos, utilizamos para nos relacionar com o mundo e conosco.

Autores importantes

Cognitiva-comportamental: Bandura, A.; Beck, A.; Skinner, B.; Lotufo, F.-- PNL: McDermott, I e Connor, J.; Grinder, J. e Bandler, R.-- Psicanálise e psicodinâmica: Braier, E.; Fiorini, H. J. ; Hegenberg, M.; Lemgruber,V.; Lowenkron, T.; Simon, R.; Yoshida, P.; Gilliéron, E.; Malan, D. ; Davanloo, H.; Sifneos, P.-- Psicodrama: Ferreira-Santos, E.

Referências Bibilográficas

Comportamental-cognitiva: BANDURA, A. 1979. Modificação do Comportamento. Rio de Janeiro: Interamericana. BECK, A. T. & ALFORD, B. A . 2000. O poder integrador da terapia cognitiva. Porto Alegre: Artes Médicas.

Hipnose e PNL: McDermott, I e Connor, J. (1996) PNL e saúde. São Paulo: Summus.

Psicanalítica e egóica: Fiorini, H.J. (1973) Teoria e técnica de psicoterapias. Rio de Janeiro: Francisco Alves. Gilliéron, E. (1998) Manual de psicoterapias breves. Lisboa: Climepsi Editores. Hegenberg, M. (2004) Psicoterapia breve. São Paulo: Casa do Psicólogo. Yoshida, E.M.P. (1990) Psicoterapias dinâmicas breves e critérios diagnósticos. São Paulo: EPU.

publicidade

Aviso Saudável
Os conteúdo do artigo e demais informações divulgadas não devem substituir a orientação ou o diagnóstico de profissionais de saúde ou um especialista na área de saúde.
Em caso de emergência médica ligue para 192 e solicite ajuda!
Disque Saúde SUS (Sistema Único de Saúde) ligue para 136
Centro de Valorização da Vida (CVV) ligue para 188.