Óleo de peixe tem pouco efeito sobre doenças do coração

Óleo de peixe tem pouco efeito sobre doenças do coração

Altas doses de suplementos de óleo de peixe não vai impedir o retorno de um tipo comum de arritmia cardíaca conhecida como fibrilação atrial.

publicidade

Fibrilação atrial aumenta o risco de acidente vascular cerebral, diz pesquisadores. Altas doses de suplementos de óleo de peixe não vai impedir o retorno de um tipo comum de arritmia cardíaca conhecida como fibrilação atrial, diz relatório de pesquisadores canadenses.

Na verdade, 64,1% das pessoas que consumiram óleo de peixe com ômega-3 e ácidos graxos, tiveram novos episódios de fibrilação atrial ao longo de 16 meses, em comparação com 63,2% de pessoas que tomaram um placebo.

Suplementos de óleo de peixe também não reduzem os males de inflamação ou estresse oxidativo, o que pode explicar porque eles não protegem contra a fibrilação atrial, notaram os autores do estudo.

"O óleo de peixe tem qualquer papel a desempenhar no tratamento da fibrilação atrial", disse o pesquisador Dr. Anil Nigam, professor associado do departamento de medicina na Universidade de Montreal.

Fibrilação atrial é uma doença comum na qual o batimento cardíaco é irregular e pode correr tão rápido quanto 150 batidas por minuto. Uma freqüência cardíaca normal faz 70 batidas por minuto.

Para o estudo, Rebeca e seus colegas aleatoriamente verificaram 337 dos pacientes com fibrilação atrial que não estavam sendo tratados com medicamentos para prevenir o ritmo anormal do coração com 4 gramas de óleo de peixe por um dia ou...

publicidade

... um placebo.

Os pacientes foram seguidos por até 16 meses. O estudo, financiado pelos institutos canadenses de pesquisa em saúde do coração e derrame da Fundação de Quebec, foi publicado online dia 29 de setembro, no jornal da faculdade americana de Cardiologia.

De acordo com a sociedade de ritmo cardíaco, 2,7 milhões de americanos sofrem de fibrilação atrial, e esse número é susceptível de aumentar à medida que a população envelhece.

A condição aumenta o risco de AVC quintuplicadamente e é responsável por 88.000 mortes a cada ano. Certos fatores de risco estão associados com o desenvolvimento de fibrilação atrial, incluindo a obesidade, hipertensão arterial, diabetes e apnéia do sono, disse Rebeca. Algumas doenças cardíacas, tais como insuficiência cardíaca e problemas de válvula do coração, também podem aumentar o risco de fibrilação atrial.

"Para a maioria das pessoas sem problemas cardíacos, acreditamos que um peso saudável e estilo de vida saudável e um bom controlo dos fatores de risco, provavelmente podem ajudar a reduzir o risco de desenvolver esta condição, embora isto não tenha sido estudado", disse Rebeca. Ela acrescentou que os estudos recentes não encontraram nenhum benefício de suplementos de óleo de peixe em pessoas com doença cardíaca que estão sendo tratadas de forma otimizada e cujo coração...

publicidade

...está funcionando normalmente.

"No entanto, as pessoas com pobre função de coração podem ainda se beneficiar ao tomar suplementos de óleo de peixe," disse Nigam.

"O que é melhor e deve ser recomendado é uma dieta tipo Mediterrânea, que é rico em gorduras naturais de ômega-3 e outros nutrientes, incluindo frutas frescas e vegetais, legumes, azeite de oliva, reduzindo a ingestão de carne vermelha, gorduras trans e gorduras saturadas," ela disse.

Dr. Gregg Fonarow, professor de Cardiologia da Universidade da Califórnia, Los Angeles, disse, "Enquanto alguns estudos de suplementação de ácido graxo e ômega-3 têm mostrado um modesto benefício no tratamento de pacientes com insuficiência cardíaca, parece não haver nenhum benefício com os ácidos graxos e ômega-3 no tratamento da fibrilação atrial."

Para pacientes com fibrilação atrial, prescrição de medicamentos tradicionais para impedir este batimento cardíaco anormal é o tratamento mais comum.

Os pacientes também podem precisar tomar um anticoagulante para ajudar a reduzir o risco de acidente vascular cerebral, ele disse.

Além disso, alguns pacientes podem se beneficiar de um procedimento chamado ablação por cateter, que em essência, queima pequenas seções do coração para prevenir a recorrência de fibrilação atrial, acrescentou Fonarow.

Prevenção da fibrilação atrial em primeiro lugar é um desafio, e é necessária uma investigação mais detalhada, observou.

publicidade

Aviso Saudável
Os conteúdo do artigo e demais informações divulgadas não devem substituir a orientação ou o diagnóstico de profissionais de saúde ou um especialista na área de saúde.
Em caso de emergência médica ligue para 192 e solicite ajuda!
Disque Saúde SUS (Sistema Único de Saúde) ligue para 136
Centro de Valorização da Vida (CVV) ligue para 188.