Por que autismo de alta funcionalidade é difícil diagnosticar?
Autor:

Por que autismo de alta funcionalidade é difícil diagnosticar?

Os sintomas devem estar presentes desde a primeira infância. Isto significa que a pessoa que está sendo diagnosticada como um adulto sempre teve sintomas de autismo, mas de alguma forma os sintomas passaram despercebidos por anos.

Razões pelas quais autismo de alta funcionalidade é difícil de diagnosticar

Autismo de alta funcionalidade, às vezes chamado de autismo leve ou, até 2013, síndrome de Asperger, é muitas vezes diagnosticado quando os indivíduos são adolescentes ou adultos. Mas para se qualificar para um diagnóstico de autismo, os sintomas devem estar presentes desde a primeira infância. Isto significa que a pessoa que está sendo diagnosticada como um adulto sempre teve sintomas de autismo, mas de alguma forma os sintomas passaram despercebidos por anos.

Por que o autismo de alta funcionalidade pode ser difícil de diagnosticar

Autismo de alta funcionalidade pode ser difícil de diagnosticar em uma criança muito jovem. Há uma série de respostas para essa pergunta. best replica watches

Sintomas mascarados

Maior inteligência e habilidades linguísticas podem ter mascarado certos sintomas. A capacidade de ir bem na escola, comunicar de forma eficaz, e passar por um teste de QI com cores de vôo são todos impressionantes, e pode levar os pais e professores no caminho errado ao procurar razões para problemas incomuns de uma criança ou comportamento.

Mesmo pediatras de clínica geral pode perder sinais de autismo quando uma criança é capaz de se comunicar de forma inteligente usando a linguagem falada. Em alguns casos, os pontos fortes das crianças as levam através do ensino fundamental precoce com apenas problemas menores, mas tornam-se sérias preocupações quando o trabalho escolar se torna mais abstrato, exigente e verbal - e quando as interações sociais se tornam mais complexas.

Diagnósticos incorretos precoces

O indivíduo pode ter recebido uma série de outros diagnósticos relacionados, enquanto o autismo subjacente passou despercebido. Muitas pessoas com autismo também têm diagnósticos de transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), transtorno de ansiedade social, e outros transtornos mentais ou de desenvolvimento. Uma criança com outro diagnóstico não pode ser devidamente avaliada para autismo até mais tarde na infância ou mesmo na idade adulta.

De acordo com a pesquisa publicada na revista Autism, 10,3% dos adultos...

... com autismo foram diagnosticados incorretamente com transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) quando crianças, enquanto 12,1% das crianças inicialmente diagnosticadas com transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) foram posteriormente diagnosticadas com autismo.

Idade

O indivíduo pode ter nascido antes que o diagnóstico da síndrome de Asperger ou do autismo de funcionamento elevado fosse incluído na literatura diagnóstica. Havia uma abundância de crianças com sintomas consistentes com autismo de alta funcionalidade antes de 1988, quando a síndrome de Asperger foi adicionado ao manual de diagnóstico, juntamente com outras formas de autismo.

Estes indivíduos podem ou não ter recebido um diagnóstico de algo diferente do autismo (autismo teria sido um diagnóstico muito extremo para um indivíduo de alto funcionamento), e eles podem nunca ter pensado em procurar um novo diagnóstico como um adulto.

Sintomas ocultos

O indivíduo pode ter desenvolvido os meios esconder, controlar, ou superar seus sintomas. Pessoas com autismo de alta funcionalidade são, por definição, de inteligência média ou acima da média. Se eles são informados com freqüência suficiente para fazer contato visual, parar de balançar, bater, ou falar sobre as mesmas coisas uma e outra vez, eles são muitas vezes capazes de esconder, controlar, ou realmente superar a necessidade de apresentar sintomas evidentes.

Quando isso acontece, os sinais externos óbvios do autismo não estão atuais, fazendo o diagnóstico muito complicado de fato. tag heuer replica watches

Sexo feminino

Algumas pesquisas sugerem que mulheres e meninas são sub-diagnosticadas com autismo. Enquanto quatro vezes mais meninos e homens são diagnosticados com autismo do que mulheres e meninas, as razões não são claras.

As meninas são realmente menos propensas a serem autistas? Ou são os seus comportamentos (timidez aparente, desconforto com falar em público, dificuldades com a coordenação motora, confusão sobre a comunicação social em situações como esportes de equipe) considerado "feminino" ao invés de problemático? Ou as meninas com autismo de alta funcionalidade realmente se comportam de forma diferente dos meninos com autismo, tendendo a ser menos agressivas,...

publicidade

...mais imitativas, e mais propensas a trabalhar duro para "encaixar?"

Um estudo de 2015 em Autismo Molecular sugere que as mulheres são imunes a alguns dos sintomas do autismo (uma condição referida como o "efeito protetor feminino"). A teoria sugere que os sintomas do autismo se manifestam de forma diferente em mulheres e meninas e que as mulheres tendem a demonstrar um melhor comportamento social funcional em comparação com homens com autismo.

Embora as razões não sejam bem compreendidas, parece claro que ser uma mulher no espectro pode torná-la menos propensa de receber um diagnóstico.

Renda e etnia

Indivíduos de origens mais pobres e/ ou minoritárias são subdiagnosticados com autismo. Parece haver duas razões principais para esta disparidade. O primeiro e mais óbvio é que as pessoas com menos dinheiro têm menos acesso a cuidados de saúde comportamentais, e por isso são menos propensas a ser capaz de acessar os serviços, especialmente para uma criança que não é obviamente autista.

A segunda razão parece estar relacionada com as diferenças culturais: em algumas comunidades, as "estranhezas" associadas com autismo de alta funcionalidade não são consideradas particularmente problemáticas. E, claro, para os imigrantes recentes, não é surpreendente ouvir que seu filho não está se encaixando perfeitamente com as normas culturais americanas ou "primeiro-mundo".

Estudos têm demonstrado há muito tempo que a pobreza e a desigualdade racial resultam em redução do acesso aos cuidados de saúde e a pior qualidade dos cuidados de saúde. Isso se traduz em menores taxas de diagnósticos de autismo, bem como piores resultados para crianças autistas que são diagnosticadas.

É importante lembrar que as pessoas que são diagnosticadas como adultos podem ter tido muitos desafios ao longo de suas vidas. Na verdade, muitas pessoas diagnosticadas com autismo como adultos têm lutado para encontrar aceitação por toda a vida. Enquanto um diagnóstico não muda necessariamente o curso do autismo, ele pode abrir as portas para a compreensão, terapias e apoio que não estaria disponível de outra forma.

Sobre o Autor
Dr. Pedro Lemos - Médico Generalista escritor

Médico Generalista escritor com 35 anos de experiência em Clínica Geral / Saúde da Família.

Aviso Saudável
Os conteúdo do artigo e demais informações divulgadas não devem substituir a orientação ou o diagnóstico de profissionais de saúde ou um especialista na área de saúde.
Em caso de emergência médica ligue para 192 e solicite ajuda!
Disque Saúde SUS (Sistema Único de Saúde) ligue para 136
Centro de Valorização da Vida (CVV) ligue para 188.

publicidade