Síndrome de Miller Fisher | Causas, Sintomas e Tratamento

Síndrome de Miller Fisher | Causas, Sintomas e Tratamento

A síndrome de Miller Fisher, também conhecida como síndrome de Fisher, é um distúrbio neurológico caracterizado por fraqueza súbita na face, perda de reflexos e má coordenação.

publicidade
publicidade
Sintomas e Doenças

O que saber sobre a síndrome de Miller Fisher

A síndrome de Miller Fisher, também conhecida como síndrome de Fisher, é um distúrbio neurológico caracterizado por fraqueza súbita na face, perda de reflexos e má coordenação.

A síndrome de Miller Fisher é uma doença rara do nervo autoimune. É uma forma menos grave da síndrome de Guillain-Barré.

Leia sobre uma visão geral da síndrome de Miller Fisher, incluindo sintomas, tratamento e tempo de recuperação.

O que é a síndrome de Miller Fisher

A síndrome de Miller Fisher é uma condição neurológica de início súbito que causa problemas no sistema nervoso periférico, incluindo:

  • Coordenação e equilíbrio
  • Perda de reflexos
  • Fraqueza facial
  • Problemas para controlar as pálpebras

A síndrome de Miller Fisher geralmente segue uma doença viral, portanto, muitas pessoas experimentam sintomas de doenças como o resfriado, mono, diarreia ou outras doenças antes do aparecimento da síndrome de Miller Fisher.

A síndrome de Miller Fisher é uma variante mais branda da síndrome de Guillain-Barré. Ambas são consideradas condições auto-imunes que se desenvolvem quando o sistema imunológico ataca o sistema nervoso.

A síndrome de Guillain-Barré pode causar fraqueza, formigamento e paralisia nos membros. Formas mais graves desta síndrome podem dificultar a respiração. Estima-se que 5 a 10% das pessoas com a síndrome de Guillain-Barré desenvolva paralisia respiratória que exija o uso de um tubo de respiração ou ventilador.

A síndrome de Miller Fisher geralmente tem uma boa perspectiva, e a maioria das pessoas começa a se recuperar dentro de 2 a 4 semanas. No entanto, algumas pessoas experimentam efeitos duradouros e recaídas podem ocorrer.

Alternativamente, os sintomas da síndrome de Miller Fisher podem sinalizar o início da síndrome de Guillain-Barré. Como a síndrome de Guillain-Barré pode causar problemas respiratórios, os médicos podem hospitalizar pessoas com sintomas de síndrome de Miller Fisher.

Quão comum é o síndrome de Miller Fisher?

A síndrome de Miller Fisher é um distúrbio raro. A síndrome de Guillain-Barré afeta apenas 1 em 100.000 pessoas. A síndrome de Miller Fisher representa apenas 1 a 5% desses casos nos países ocidentais, mas mais em Taiwan e no Japão.

Como a síndrome de Miller Fisher é uma condição tão rara, às vezes pode ser difícil diagnosticar. Uma pessoa que acha que ela pode ter uma dessas condições podem precisar consultar um especialista.

Sintomas

Síndrome de Miller Fisher

Os sintomas da síndrome de Miller Fisher geralmente surgem rapidamente, o que a distingue de outras condições nervosas de início gradual.

Os três principais sintomas da síndrome de Miller Fisher são:

  • perda de controle dos movimentos do corpo, incluindo fraqueza ou movimentos descontrolados
  • perda de reflexos, particularmente nos joelhos e tornozelos
  • fraqueza no rosto, incluindo inclinação facial, dificuldade em manter os olhos abertos e visão embaçada

Para a maioria das pessoas, os sintomas começam nos olhos. Muitas pessoas com síndrome de Miller Fisher lutam para andar e podem caminhar ou...

publicidade ;)

... andar devagar. Algumas pessoas experimentam outros sintomas neurológicos, como dificuldade para urinar.

Como a síndrome de Miller Fisher geralmente segue uma infecção viral, as pessoas com essa condição também podem apresentar sintomas de uma doença viral.

Tratamento

Como a síndrome de Miller Fisher é causado pela síndrome de Guillain-Barré e pode progredir para a síndrome de Guillain-Barré, o tratamento para as duas condições é idêntico.

De acordo com o Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame (NINDS), existem duas opções de tratamento primário para a síndrome de Miller Fisher. O primeiro envolve uma injeção de proteínas chamadas imunoglobulinas nas veias (IV). A abordagem alternativa é um processo chamado de troca de plasma, que é um procedimento para limpar o sangue. A troca de plasma envolve a remoção de um pouco de plasma sanguíneo, a limpeza e a colocação de volta ao corpo.

A troca de plasma pode levar várias horas e é um procedimento mais difícil do que a terapia com imunoglobulinas, então a maioria dos médicos prefere o tratamento IV com imunoglobulina. proteínas.

Algumas pessoas que têm síndrome de Miller Fisher podem precisar de tratamentos adicionais para manter seu corpo funcionando. As pessoas que desenvolvem a síndrome de Guillain-Barré podem precisar usar um ventilador ou monitor cardíaco e provavelmente precisarão de monitoramento contínuo no hospital.

O tratamento não cura a condição, mas pode encurtar o tempo para a recuperação. O tratamento de suporte também pode prevenir complicações graves da síndrome de Guillain-Barré. A maioria das pessoas se recupera da síndrome de Miller Fisher, e um estudo de 2007 sugere que o tratamento faz pouca ou nenhuma diferença.

O estudo descobriu que a terapia com imunoglobulina reduziu ligeiramente o tempo que algumas pessoas tiveram problemas oculares e problemas de movimento. No entanto, houve pouca diferença nos tempos de recuperação entre que tiveram tratamento IV, troca de plasma e nenhum tratamento. O estudo concluiu que nem a terapia com imunoglobulina ou a troca de plasma afetaram os resultados gerais.

Tempo de recuperação

De acordo com o Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame (NINDS), as pessoas com síndrome de Miller Fisher começam a se recuperar de 2 a 4 semanas após a primeira vez que notam os sintomas. A recuperação total demora mais tempo, embora a maioria das pessoas recupere bem dentro de 6 meses. Menos de 3% das pessoas com síndrome de Miller Fisher experimentam uma recaída meses ou anos depois.

As pessoas cujo a síndrome de Miller Fisher progride para a síndrome de Guillain-Barré têm maior probabilidade de sofrer efeitos de longo prazo. Estima-se que 30% das pessoas com a síndrome de Guillain-Barré ainda experimentem fraqueza 3 anos depois.

Causas

Os sintomas da síndrome de Miller Fisher são devidos a um tipo particular de lesão do nervo. Os nervos são protegidos por uma...

publicidade

...substância chamada mielina, e quando a mielina é danificada, os nervos não podem funcionar normalmente. Esse processo é chamado de desmielinização.

Pesquisadores sugerem que algo, geralmente uma infecção, provoca o corpo para produzir um anticorpo que leva à síndrome de Miller Fisher. Este anticorpo causa danos aos nervos periféricos, afetando os olhos, músculos e, às vezes, a bexiga.

Vírus particulares, incluindo Campylobacter jejuni, herpes simplex e Mycoplasma são gatilhos comuns para síndrome de Guillain-Barré . Embora uma infecção geralmente possa causar a síndrome de Miller Fisher, não está claro por que algumas pessoas desenvolvem essa síndrome e outras não.

Algumas pessoas também desenvolver síndrome de Miller Fisher ou síndrome de Guillain-Barré após uma vacinação ou cirurgia.

Diagnóstico

Os médicos geralmente diagnosticam síndrome de Guillain-Barré ou síndrome de Miller Fisher com base em um exame físico e avaliação dos sintomas que uma pessoa exibe, bem como a rapidez com que os sintomas apareceram.

É essencial que o médico exclua outras condições, particularmente aquelas que podem ser emergências médicas, como acidente vascular cerebral ou lesão cerebral. Os médicos podem realizar exames de imagem no cérebro para testar essas condições, e também podem perguntar sobre doenças recentes, histórico médico e estilo de vida.

O exame de sangue pode testar um anticorpo específico chamado anticorpo anti-GQ1b, que está normalmente presente em pessoas com síndrome de Miller Fisher ou síndrome de Guillain-Barré. Um teste do nervo chamado de teste de velocidade de condução nervosa, ou uma punção lombar que remova um pouco do líquido cefalorraquidiano, também pode ajudar no diagnóstico.

A maioria das pessoas se recupera da síndrome de Miller Fisher, algumas até sem tratamento. Aquelas que desenvolvem síndrome de Guillain-Barré, no entanto, podem desenvolver complicações graves ou mesmo com risco de vida. Uma pessoa que pensa que pode ter síndrome de Miller Fisher não deve se auto-diagnosticar ou assumir que os sintomas desaparecerão por conta própria.

Como outros distúrbios, como poliomielite, acidente vascular cerebral ou danos nos nervos, podem causar sintomas semelhantes aos da síndrome de Miller Fisher, é essencial que se busque um exame abrangente de um médico que entenda a saúde neurológica.

Relatar todos os sintomas a um médico, particularmente aqueles que indicam problemas neurológicos. Dificuldade em respirar deve sempre ser tratada como uma emergência médica, para que as pessoas que experimentam fraqueza ou dormência e dificuldade para respirar devem ir para a sala de emergência.

A síndrome de Miller Fisher é uma condição rara e mal compreendida. Os médicos ainda não entendem porque algumas pessoas desenvolvem síndrome de Miller Fisher após uma doença, mas a maioria das pessoas não desenvolvem.

Fornecer informações abrangentes para um médico neurologista sobre o histórico de saúde e os sintomas pode garantir um diagnóstico adequado e pode até mesmo ajudar os médicos a entender melhor essa síndrome intrigante.

publicidade

Aviso Saudável
Os conteúdo do artigo e demais informações divulgadas não devem substituir a orientação ou o diagnóstico de profissionais de saúde ou um especialista na área de saúde.
Em caso de emergência médica ligue para 192 e solicite ajuda!
Disque Saúde SUS (Sistema Único de Saúde) ligue para 136
Centro de Valorização da Vida (CVV) ligue para 188.