Traçando a maturidade cerebral

Traçando a maturidade cerebral

Enfraquecendo as ligações entre regiões do cérebro mais contribuíram para predizer a maturidade do cérebro do que reforçar as ligações.

publicidade
publicidade
Estilo de Vida

Procurando por assinaturas de maturidade cerebral: o que estamos procurando?

Evidências de contínua maturação neurobiológica durante a adolescência são cada vez mais invocadas nas discussões sobre políticas voltadas para a juventude. Isso deve motivar os neurocientistas a lidar com questões centrais, como a definição de maturação do cérebro, como quantificá-lo e como traduzir precisamente esse conhecimento para públicos mais amplos.

O estudo do desenvolvimento do cérebro engloba a avaliação das mudanças estruturais, funcionais e em nível de rede que ocorrem ao longo da vida, juntamente com os mecanismos que impulsionam essas mudanças (por exemplo, influência hormonal, experiência e assim por diante). Nas últimas duas décadas, tem havido uma explosão de evidências revelando que, apesar de serem aproximadamente iguais em tamanho, os cérebros das crianças, adolescentes e adultos humanos diferem de maneiras complexas. Perguntas sobre o ritmo, o tempo e as conseqüências psicológicas do neurodesenvolvimento humano fascinaram cientistas básicos, cientistas clínicos e aplicados e o público em geral.

Traçar a maturidade cerebral

Os pesquisadores usaram imagens avançadas para traçar a maturidade cerebral dos indivíduos com base nas ligações funcionais entre as regiões do cérebro.

A descoberta levanta a possibilidade de que os dados de análise do cérebro pode um dia ser usado para monitorar doenças psiquiátricas e de desenvolvimento.

Os pesquisadores esperam usar a...

publicidade ;)

... ressonância magnética funcional para ajudar a diagnosticar atrasos no desenvolvimento e transtornos neuropsiquiátricos que não têm anormalidades óbvias sobre a estrutura cerebral.

Estudos anteriores de ressonância magnética funcional têm sido capaz de distinguir entre o desenvolvimento do cérebro em crianças e adultos.

Os pesquisadores usaram uma variação do chamado estado de repouso funcional. Esta técnica mede os níveis de oxigênio no sangue para detectar correlações em atividade entre diferentes regiões cerebrais.

As regiões com padrões de atividade altamente correlacionados, enquanto uma pessoa está em repouso tem conectividade funcional forte. Com esta técnica, os dados podem ser recolhidos rapidamente e facilmente sob diferentes condições de repouso, incluindo anestesia, sono e repouso tranqüilo.

Estudos anteriores mostraram que o estado de repouso funcional tem medições confiáveis. Os pesquisadores coletaram dados sobre os níveis de oxigênio no sangue em exames de 5 minutos de 238 participantes na faixa etária 7 a 30 anos.

Para analisar os dados, os cientistas usaram técnicas padrão de análise multivariada, que permitem previsões contínuas sobre os níveis relativos de maturidade funcional do cérebro individual.

O estudo foi financiado pelo NIHS National Institute of Neurological Disorders and Stroke (NINDS) e National Institute of Mental Health (NIMH), juntamente com outras fontes.

A análise, relatada na edição de 10 de setembro de 2010, da revista Science,...

publicidade

...mostraram que alterações nos níveis de maturidade funcional entre as idades de 7 e 30 anos parecem muito com as curvas de crescimento em altura, circunferência da cabeça e outras medidas utilizadas pelos pediatras.

Os pesquisadores descobriram que a região com maior poder de predição em relação à maturidade do cérebro era o córtex pré-frontal direito anterior. Esta região é considerada importante para o controle cognitivo e do raciocínio de ordem superior.

Curiosamente, enfraquecendo as ligações entre regiões do cérebro mais contribuíram para predizer a maturidade do cérebro do que reforçar as ligações (68% X 32%).

Essa abordagem pode ajudar os pesquisadores a entender as causas, e explorar novos tratamentos para, distúrbios cerebrais de desenvolvimento como o autismo ou transtorno de déficit de atenção.

"O pediatra regularmente parcela, onde seus pacientes estão em termos de altura, peso e outras medidas, e em seguida, combinar estas curvas padronizadas até essa faixa típica de desenvolvimento", diz Schlaggar.

"Quando o paciente desvia-se muito fortemente das escalas padronizadas ou vira de repente de um caminho de desenvolvimento para outro, o médico sabe que há uma necessidade de começar a perguntar o porquê." dados de análise do cérebro pode um dia dar orientações semelhantes para o monitoramento e tratamento de transtornos psiquiátricos e de desenvolvimento.

publicidade

Aviso Saudável
Os conteúdo do artigo e demais informações divulgadas não devem substituir a orientação ou o diagnóstico de profissionais de saúde ou um especialista na área de saúde.
Em caso de emergência médica ligue para 192 e solicite ajuda!
Disque Saúde SUS (Sistema Único de Saúde) ligue para 136
Centro de Valorização da Vida (CVV) ligue para 188.