Vitamina E e prevenção ou remoção de cicatrizes

Vitamina E e prevenção ou remoção de cicatrizes

A vitamina E pode penetrar na pele e reduzir a formação de radicais livres (que interferem na cicatrização). A vitamina E também influencia a produção de colágeno, uma proteína estrutural parcialmente responsável pela força e elasticidade da pele.

publicidade
publicidade
Sintomas e Doenças

Há uma série de cremes, óleos e remédios caseiros no mercado que pretendem evitar a formação de cicatrizes e minimizar a aparência de cicatrizes antigas.

O tipo de cicatrizes que as pessoas estão freqüentemente interessadas em prevenir ou minimizar são cicatrizes hipertróficas. Elas são vermelhas e aumentadas e podem ser dolorosas ou causar movimento limitado na área afetada (chamada contratura). As cicatrizes hipertróficas geralmente diminuem um pouco com o tempo.

Até agora, o apoio científico para a alegação de que qualquer remédio pode remover cicatrizes está faltando.

Aqui está um estudo sobre um dos remédios mais populares, a vitamina E para prevenção ou remoção de cicatrizes.

O que é vitamina E?

A vitamina E, ou tocoferol, é um antioxidante lipossolúvel. É encontrado em cápsula ou líquido forma em drogarias, mercearias, lojas de alimentos saudáveis e on-line. O óleo é normalmente aplicado na área afetada.

A vitamina E pode penetrar na pele e reduzir a formação de radicais livres (que interferem na cicatrização). A vitamina E também influencia a produção de colágeno, uma proteína estrutural parcialmente responsável pela força e elasticidade da pele.

Pesquisa

Embora muitas pessoas apliquem óleo de vitamina E em sua pele para minimizar ou prevenir cicatrizes e às vezes é recomendado por médicos após a cirurgia de pele, há muito pouca evidência de que isso ajuda a reduzir a cicatrização de feridas.

Um estudo publicado no Journal of Plastic, Reconstructive and Aesthetic Surgery, em 2011, sugere que duas vezes ao dia aplicação de 5% de vitamina E não teve efeito significativo sobre o aparecimento de cicatrizes, em comparação com um placebo. Os participantes do estudo começaram a aplicar a vitamina E duas semanas após a cirurgia e...

publicidade ;)

... continuaram duas vezes ao dia por seis semanas.

Outro estudo, publicado no Journal of Burn Care and Rehabilitation em 1986, examinou o uso de vitamina E tópica durante o pós-operatório de cirurgia reconstrutiva para pessoas com queimaduras. Os participantes do estudo usaram um esteroide tópico, vitamina E tópica ou um creme inerte. Não houve efeito benéfico da vitamina E ou esteroide tópico na amplitude de movimento, espessura da cicatriz, alteração no tamanho do enxerto ou aparência estética.

Um pequeno estudo publicado na revista Dermatologic Surgery, em 1999, comparou participantes que haviam sido submetidos à cirurgia de remoção de câncer de pele. Após a cirurgia (e quando todas as feridas foram fechadas em duas camadas), os participantes aplicaram vitamina E misturada em creme a uma parte da cicatriz duas vezes ao dia por quatro semanas e o creme sozinho a outra parte da cicatriz, também duas vezes por dia por quatro semanas. No final do estudo, o creme enriquecido com vitamina E não teve efeito ou piorou a aparência cosmética das cicatrizes. Dos participantes do estudo que foram estudados, 33% desenvolveram dermatite de contato com a vitamina E. Os autores do estudo concluíram que o uso tópico de vitamina E deve ser desencorajado.

Uma crítica do estudo é que pouca vitamina E foi usada (uma cápsula triturada contendo 320 UI de vitamina E foi adicionada a um grama de creme). Além disso, a aplicação de qualquer substância a uma ferida muito cedo após a lesão pode impedi-la de cicatrizar adequadamente.

Além do risco de dermatite de contato, a vitamina E tópica também resultou em uma reação cutânea chamada eritema generalizado multiforme reação em um relato de...

publicidade

...caso envolvendo dois pacientes. Testes de contato com o óleo de vitamina E mostraram reações locais positivas em ambas as pessoas.

Outros remédios

1- Extrato de cebola

Cebola, ou Allium cepa, é um ingrediente encontrado às vezes em geis de cicatriz e cremes.

Extrato de cebola foi encontrado para ter propriedades anti-inflamatórias e antibacterianas e regular a formação de colágeno.

Houve três grandes estudos clínicos nos Estados Unidos, no entanto, nenhum deles descobriu que pode melhorar as cicatrizes hipertróficas. Um estudo descobriu que não houve diferença na vermelhidão e coceira após um mês (três vezes ao dia) de gel de extrato de cebola.

Outro estudo avaliou 97 pessoas com cicatrizes novas ou antigas que usou um gel de cebola ou um gel placebo. Após dois meses, não houve diferença no tamanho da cicatriz, melhora geral, aparência perceptível, elevação, vermelhidão e suavidade quando avaliados pelos médicos.

2- Mel tópico

O mel tem sido usado como curativo para queimaduras e feridas durante séculos. Em 2006, uma revisão de 22 ensaios clínicos envolvendo mais de 2.000 pessoas descobriu que o mel tinha propriedades antibacterianas e antiinflamatórias e poderia estimular o crescimento de novos tecidos.

Muitos dos estudos, conduzidos na Universidade de Waikato, na Nova Zelândia, usaram um tipo de mel chamado manuka mel.

Embora o mel seja mais promissor como curativo para úlceras de pele e queimaduras, não há evidências suficientes para sugerir que ele possa ajudar com cicatrizes hipertróficas.

Usar remédios naturais para cicatrizes

Outros remédios caseiros usados com frequência para cicatrizes, mas novamente sem evidência confiável, são aloe vera, gotu kola, vitamina C e zinco.

Se você está considerando o uso de qualquer tipo de medicina alternativa para cicatrizes, certifique-se de consultar seu médico primeiro.

publicidade

Aviso Saudável
Os conteúdo do artigo e demais informações divulgadas não devem substituir a orientação ou o diagnóstico de profissionais de saúde ou um especialista na área de saúde.
Em caso de emergência médica ligue para 192 e solicite ajuda!
Disque Saúde SUS (Sistema Único de Saúde) ligue para 136
Centro de Valorização da Vida (CVV) ligue para 188.