Como esquecer uma memória ruim

Como esquecer uma memória ruim

Memórias que são negativas tendem a ficar com a gente. Isso pode ser particularmente verdadeiro se você viver com transtorno de ansiedade social.

publicidade

Memórias que são negativas tendem a ficar com a gente. Isso pode ser particularmente verdadeiro se você viver com transtorno de ansiedade social, mas mesmo se você não fizer isso, há uma boa chance de você ter lidado com memórias ruins remanescentes em algum momento de sua vida.

Você pode não estar livre sobre algo que aconteceu semanas, meses, ou mesmo anos há, como se você ainda estava na situação e pode sentir a vergonha. De fato, um estudo 2016 na revista de terapia comportamental e psiquiatria experimental mostrou que as pessoas com ansiedade social tenderam a ver memórias sociais negativas como centrais para sua identidade.

Nova pesquisa está começando a lançar luz sobre o processo através do qual memórias negativas podem contribuir para o seu medo e ansiedade. Estudos indicam que certos hormônios, áreas do cérebro e genes podem ser responsáveis.

Memórias sociais negativas

Você pode ter um tempo difícil tentar esquecer uma memória ruim, se você tem ou não ansiedade social. Pode parecer que você construiu um "banco de memória " preenchido com todas as situações que você se lembra como sendo vergonhosas e embaraçosas. Enquanto as memórias específicas que ficam com você vai variar de pessoa para pessoa, alguns exemplos incluem o seguinte. Estes podem ser subjetivos, de tal forma que só você veria o aspecto negativo da situação ou eles poderiam ser abertamente traumatizantes, como sendo o objeto de ridicularizar:

  • Cometer um erro em uma situação social, como chamar alguém pelo nome errado
  • Congelamento durante uma situação de desempenho
  • Ser rejeitado por alguém, particularmente em um relacionamento romântico
  • Acreditar que os outros estavam cientes de seus sintomas ansiosos, como apertar as mãos ou corar
  • Ser intimidado ou zuado pelos colegas

Após estes tipos de eventos, quando você os recorda, você pode dizer coisas a você mesmo como:

  • "Por que eu disse/fiz isso? "
  • "Eu sou tão embaraçoso "
  • "Por que não posso interagir facilmente com os outros? "

Em essência, você continua revivendo essas memórias embaraçosas e pode parecer que você não pode desligar o seu cérebro.

Ocitocina e memórias ruins

Enquanto a ocitocina hormonal tem sido geralmente anunciado como tendo uma influência positiva em situações sociais, pesquisas recentes apontam para o seu potencial...

publicidade

... para incorporar memórias sociais negativas naqueles com transtorno de ansiedade social. Desta forma, a ocitocina pode ter o efeito de causar dor emocional e pode ser a razão pela qual situações sociais estressantes ficam conosco muito tempo depois do evento original — e podem até desencadear ansiedade e medo futuros.

Em um estudo publicado na revista Nature Neuroscience em 2013, camundongos com diferentes níveis de receptores de ocitocina (sem receptores, aumento dos receptores, nível normal de receptores) no cérebro foram estudados para examinar os efeitos do medo e da ansiedade.

No primeiro experimento, os camundongos foram colocados em uma situação com camundongos agressivos em que experimentaram a derrota social, criando uma situação social estressante. Os camundongos que estavam faltando os receptores de ocitocina não teriam qualquer ocitocina entrando em seus cérebros. Seis horas depois, os pesquisadores colocaram os ratos de volta com os ratos agressivos. O que eles descobriram foi que os camundongos sem receptores não mostraram sinais de medo. Os camundongos com receptores extras mostram níveis aumentados de medo. Finalmente, os camundongos com quantidades normais de receptores mostraram um nível típico de medo.

Em um segundo experimento, os pesquisadores puderam demonstrar que a ocitocina em uma situação social estressante poderia até mesmo transferir o medo para uma situação que o seguiu — no caso dos camundongos, este foi um choque elétrico. Mais uma vez, os camundongos sem receptores não mostraram sinais ou lembraram de ter medo do choque elétrico.

Em contraste, um estudo discutido em Scientific American administrou ocitocina nos narizes dos homens. Primeiramente, estes homens foram mostrados um estímulo neutro (retratos das faces e das casas) que foram emparelhados às vezes com um choque elétrico. Em seguida, os indivíduos receberam uma dose única de ocitocina ou um placebo. Então, submeteram-se ao medo da terapia da extinção ao receber varreduras de ressonância. Mais uma vez foram mostradas as fotos para eles, mas sem o emparelhamento do choque elétrico. O que eles descobriram foi que os sujeitos que receberam a ocitocina tinham aumentado a atividade no córtex pré-frontal (para controlar o medo) e diminuição da responsividade na amígdala quando mostradas as imagens. Isto sugeriu que uma...

publicidade

...única dose da ocitocina fosse eficaz realçar o uso da terapia extinção-baseada para o medo e a ansiedade.

Embora esses resultados (camundongos versus homens) possam parecer contraditórios, isso pode se relacionar com o tempo da dose de ocitocina. Se os homens que receberam a ocitocina o receberam ao mesmo tempo que o choque elétrico, a memória do choque teria ficado mais tempo com eles? A resposta a esta questão não é clara.

Ocitocina e medos sociais

O que essa pesquisa nos diz sobre nosso próprio medo, ansiedade e sua relação com as más lembranças?

Parece que a ocitocina pode fortalecer as memórias sociais no cérebro (especificamente, no septo lateral), ou ter o efeito de intensificação ou amplificação. Isso é importante porque o estresse social crônico é conhecido por causar ansiedade e depressão. Este efeito parece também durar muito tempo — pelo menos seis horas.

Este tipo de pesquisa também sugere que, assim como a ansiedade social parece ter um componente genético, segue-se que a capacidade do seu cérebro para acessar a ocitocina pode se relacionar com o quão bem você codificar memórias ruins em situações sociais, de modo que eles podem fazer você ficar com medo no futuro.

 

Variações de genes e memórias ruins

Não seria maravilhoso apagar completamente todas as suas memórias negativas? Enquanto isso pode soar como ficção científica, a medicina moderna pode estar mais perto de fazê-lo acontecer do que você percebe.

A pesquisa demonstrou que uma variação genética do fator neurotrófico derivado do cérebro (BDNF) está relacionada à geração de medo. A terapia genética BDNF poderia ser usada no futuro, alterando genes que contribuem para o medo e a ansiedade.

Da mesma forma, a via genética Tac2 foi mostrada para reduzir o armazenamento de memórias traumáticas. Como resultado, um medicamento que bloqueia a atividade deste caminho poderia impedir o armazenamento de memórias traumáticas em primeiro lugar. Enquanto isso seria mais útil para o transtorno de estresse pós-traumático (PTSD), este tipo de pesquisa também pode eventualmente informar memórias negativas no transtorno de ansiedade social.

Não se preocupe, porém, essas memórias ruins não são apagadas para o bem. Elas ainda estão armazenadas em algum lugar, mas não estão mais acessíveis.

publicidade

Aviso Saudável
Os conteúdo do artigo e demais informações divulgadas não devem substituir a orientação ou o diagnóstico de profissionais de saúde ou um especialista na área de saúde.
Em caso de emergência médica ligue para 192 e solicite ajuda!
Disque Saúde SUS (Sistema Único de Saúde) ligue para 136
Centro de Valorização da Vida (CVV) ligue para 188.