Corante de Alimentos podem causar Hiperatividade?
Autor:

Corante de Alimentos podem causar Hiperatividade?

Alguns fabricantes de alimentos estão reduzindo de forma proativa o uso de corantes e outros aditivos, e alguns comerciantes estão se recusando a vender produtos contendo corantes artificiais.

Alimentos coloridos artificialmente podem causar hiperatividade em crianças?

Alimentos brilhantes e coloridos projetados para atrair as crianças não são exatamente alimentos saudáveis.

Médicos e pesquisadores já se perguntaram se a hiperatividade pode estar ligada a certos corantes e aditivos utilizados em alimentos processados, mas em décadas de pesquisa existe estudos que são capazes de provar conclusivamente - ou refutar a relação entre corantes e hiperatividade.

O Comitê de Regularização Sanitária e de Saúde dos Estados Unidos irá discutir a força das evidências em torno corantes alimentares e alterações de comportamento em crianças, se os rótulos dos alimentos devem ser alterados para proteger os consumidores, e se mais estudos sobre a necessidade assunto devem ser realizados.

A motivação principal parece ser uma petição do ano de 2008 de um grupo de vigilância de Washington, que solicitou ao Comitê de Regularização Sanitária e de Saúde dos Estados Unidos proibir oito corantes alimentares diferentes, incluindo amarelo n º 5 - encontrados em massas e mistura de queijo, Gatorade lima-limão, cereais Lucky Charms, e muitos outros alimentos.

O Comitê de Regularização Sanitária e de Saúde dos Estados Unidos revisou a petição e, em setembro de 2010, decidiu que os aditivos de cor não causa diretamente a hiperatividade ou déficit de atenção e hiperatividade, uma doença crônica caracterizada pela atenção e problemas comportamentais.

No entanto, ele não descartou que possam agravar problemas preexistentes em crianças com TDAH (Transtorno de Défit de Atenção e Hiperatividade). Ninguém sabe o que o comitê irá decidir, mas a investigação até agora

"não parece haver evidências conclusivas de que os aditivos alimentares realmente causar TDAH", afirma Kate Ulbricht da Standard Natural Research Collaboration, um grupo de pesquisa independente sediado em Somerville, Massachusetts.

"Algumas pesquisas sugerem que eles podem estar ligados...

... aos sintomas agravados em pessoas que já têm TDAH."

Relacionar hiperatividade aos corantes e aditivos alimentares específicos é especialmente difícil, Ulbricht acrescenta, porque "a maioria dos produtos contêm mais de um."

Na verdade, alguns tipos de doces contêm até 10 tipos de corantes em um único produto. O primeiro indício de que os aditivos alimentares podem estar ligadas a problemas de atenção surgiu há mais de três décadas atrás, quando o pediatra da Califórnia Ben Feingold, desenvolveu uma dieta livre de corantes e aromatizantes artificiais que supostamente causava sintomas de hiperatividade em crianças.

Muitas pessoas tentaram com entusiasmo a chamada dieta Feingold, mas o entusiasmo diminuiu ao longo dos anos, questionou a teoria Feingold, diz Deborah Pearson, diretora do Research TDAH Laboratório da Universidade do Texas - Houston Centro de Ciências da Saúde.

"Eu não acho que houve uma grande quantidade de evidências, sugerindo que os corantes e aditivos alimentares retirados estavam ajudando essas crianças", diz Pearson.

"Para um subconjunto muito pequeno de crianças pode ter ocorrido uma indicação diferenciada, mas para a grande maioria não comendo biscoitos com o corante vermelho não fez diferença."

Mais recentemente, um estudo financiado pelo governo do Reino Unido tenta estudar a relação entre os corantes alimentares e problemas comportamentais.

Em um estudo, publicado em 2004, pesquisadores descobriram que uma dieta livre de corantes artificiais e benzoato de sódio pareceu reduzir o comportamento hiperativo em pré-escolares.

Em outro estudo publicado no The Lancet em 2007, crianças do pré-escolar parecia ser mais hiperativas quando dado um suco com esses mesmos aditivos do que eram após consumir uma bebida idêntica, sem os aditivos. Ambos os estudos marcou uma partida de pesquisas anteriores na medida em que observou crianças sem TDAH que não eram suspeitos de ser...

publicidade

...sensível aos aditivos alimentares.

"Esses estudos não eram definitivos, mas eles estenderam a preocupação das crianças com problemas comportamentais para a população em geral", disse Michael Jacobson, diretor executivo do CSPI.

"Quase todos os outros estudos, utilizou como referência as crianças que eram hiperativas ou desatentas ou mesmo suspeitos de serem sensíveis às tinturas."

Poderia os corantes alimentares serem banidos? No ano passado, a União Europeia colocou etiquetas de advertência sobre os alimentos que contêm os seis corantes artificiais utilizados no estudo da Lancet (sendo que três dos quais não estão aprovadas nos Estados Unidos). E em 2009, na Inglaterra, foi pedido às companhias de alimentos voluntariamente fazer testes independentes sobre estes aditivos.

O Comitê de Gestão de Saúde Pública dos Estados Unidos disse que não está preparado para tomar medidas semelhantes, pois os corantes alimentares são mais comuns nos Estados Unidos do que na Europa, uma proibição absoluta de alguns ou de todos os aditivos seria muito difícil de implementar, diz Jacobson.

No entanto, alguns fabricantes de alimentos estão reduzindo de forma proativa o uso de corantes e outros aditivos, e alguns comerciantes estão se recusando a vender produtos contendo corantes artificiais. A indústria de alimentos, entretanto, defendeu a segurança de seus produtos.

E declarou: "O corantes são seguros e desempenham um importante papel tecnológico em alimentos. Em muitos casos, substitui a cor que é perdido durante o processamento ou a aparência consistente".

"Especificamente, em relação a estudos hiperatividade, a nossa associação apoia fortemente as abordagens científicas para entender os efeitos de qualquer tipo de aditivos incluído em alimentos. O que vemos agora nos estudos citados não tem relação diretae é apenas casual, não há informações suficientes para estabelecer uma relação clara entre os corantes alimentares e hiperatividade."

Sobre o Autor
Isadora Kepner - Nutricionista Autora no Índice de Saúde Brasil

Nutricionista de profissão e de amor, Isadora Kepner tem 22 anos de experiência em consultório e atualmente dedica boa parte do seu tempo em ajudar o próximo com artigos e respondendo perguntas sobre nutrição e alimentação saudável.

Aviso Saudável
Os conteúdo do artigo e demais informações divulgadas não devem substituir a orientação ou o diagnóstico de profissionais de saúde ou um especialista na área de saúde.
Em caso de emergência médica ligue para 192 e solicite ajuda!
Disque Saúde SUS (Sistema Único de Saúde) ligue para 136
Centro de Valorização da Vida (CVV) ligue para 188.

publicidade