Tipos de ansiedade que podem afetar crianças

Tipos de ansiedade que podem afetar crianças

Se o seu filho experienciar ansiedade ou preocupação excessivas que resultam em fadiga, irritabilidade, tensão muscular, dificuldade de concentração ou distúrbios do sono, eles podem receber um diagnóstico de transtorno de ansiedade generalizada.

publicidade

6 tipos de ansiedade que podem afetar crianças

A infância em si é um processo bastante ansioso. As crianças têm a tarefa de aprender novas habilidades, enfrentar novos desafios, superar medos e navegar em um mundo que nem sempre faz sentido. Mas, às vezes, esses medos ou estressores são demais para se lidar, e o conforto normal que os adultos podem proporcionar não parece ser suficiente. Nestes casos, uma criança pode ter um transtorno de ansiedade diagnosticável.

Transtornos de ansiedade são as doenças mentais mais comumente experimentadas nos Estados Unidos, e as crianças não são exceção. Aproximadamente uma em cada oito crianças pode ter um transtorno de ansiedade, mas a maioria das crianças que se qualifica para um diagnóstico não está recebendo o tratamento necessário. Não tratar a ansiedade deixa uma criança em risco de diminuir o desempenho na escola, habilidades sociais precárias e comportamentos prejudiciais, como abuso de substâncias.

Tipos de Transtornos de Ansiedade na Infância

Existem muitos tipos de transtornos de ansiedade, mas aqui estão os transtornos de ansiedade mais comuns experimentados por crianças.

  1. Transtorno de Ansiedade Generalizada - Se o seu filho experienciar ansiedade ou preocupação excessivas que resultam em fadiga, irritabilidade, tensão muscular, dificuldade de concentração ou distúrbios do sono, eles podem receber um diagnóstico de transtorno de ansiedade generalizada. Essa preocupação pode ser sobre o desempenho escolar, amizades, relacionamentos familiares ou outras atividades ou preocupações.
  2. Transtorno de Ansiedade de Separação - Alguma ansiedade de separação é adequada ao desenvolvimento, especialmente para crianças entre 1 e 3 anos de idade. Mas para crianças mais velhas, se elas tiverem medo excessivo ou ansiedade em relação à separação dos cuidadores, elas podem se qualificar para um diagnóstico de transtorno de ansiedade de separação. Crianças com a desordem podem freqüentemente preocupar-se com a morte dia pais ou a separação...

    publicidade

    ... deles. Elas podem se recusar a sair ou ir à escola, ter pesadelos com relação à separação ou sentir sintomas físicos como dores de cabeça ou náusea devido a essa ansiedade.

  3. Mutismo Seletivo - Crianças com mutismo seletivo podem se recusar a falar em certas situações sociais, mesmo que sejam muito falantes em casa ou onde quer que se sintam confortáveis. Elas podem se recusar a falar na escola e se afastar dos outros ou evitar contato visual. Crianças com mais de 5 anos são mais comumente diagnosticadas com esse distúrbio.
  4. Fobia Específica - Algumas crianças podem demonstrar medo ou ansiedade sobre um objeto ou situação específica. Se esse medo durar um longo tempo e é desproporcional ao perigo real apresentado, esse medo pode ser classificado como uma fobia. As crianças choram, congelam ou se apegam a um adulto quando o medo está presente. As crianças podem ter fobias que incluem (mas não estão limitadas a) animais, tempestades, agulhas, sons altos e espaços fechados.
  5. Transtorno do Pânico - Crianças que apresentam ataques de pânico recorrentes e se preocupam em ter mais podem ter transtorno do pânico. Uma criança que tenha um ataque de pânico pode se queixar de sintomas que podem incluir falta de ar, dor no peito, sensação de asfixia, náusea, tontura, sensação de frio ou calor, medo de "enlouquecer" e medo de morrer.
  6. Transtorno de Ansiedade Social - Se seu filho tem um medo intenso de ter que participar de aulas ou de interação com seus pares, então eles podem ter um transtorno de ansiedade social. As crianças podem exibir esse medo por meio de birras, choro, apego a adultos, congelamento ou recusa de falar. Eles também podem tentar evitar situações sociais que provocam esse medo.

Ajudando Crianças com Ansiedade

Nunca hesite em consultar profissionais sobre a ansiedade...

publicidade

...do seu filho, pois ele pode guiá-lo para os recursos certos e realizar uma avaliação adequada. Crianças com transtornos de ansiedade são normalmente tratadas com terapia de conversa, medicação ou uma combinação dos dois. A terapia comportamental cognitiva pode ajudar a criança a testar os pensamentos que ela tem, realistas ou irrealistas. A terapia lúdica pode funcionar melhor para crianças pequenas para trabalhar com ansiedades. Para algumas crianças, a medicação pode ser prescrita a curto ou a longo prazo, dependendo da natureza e gravidade dos sintomas. Inibidores seletivos de recaptação de serotonina (ISRSs) são os medicamentos mais comumente prescritos para tratar transtornos de ansiedade em crianças.

Os pais muitas vezes podem sentir-se desamparados quando veem seu filho sentir medo ou preocupação intensos. Pode haver uma tentação de simplesmente remover a criança de todas as situações que estimulem essa ansiedade ou se acomodar demais ao medo do filho. Essas ações apenas tornam a criança mais sensível a esses ambientes. Os pais podem validar os sentimentos da criança, mas também modelar a calma e a confiança de que a criança está bem e pode dominar situações assustadoras, como ir à escola ou conhecer novas pessoas. Além disso, como as crianças estão mais ansiosas em relação a uma situação desafiadora, é importante que os pais não façam muitas perguntas sobre a ansiedade. Lembre-se, como pai, não é seu objetivo elimine toda a ansiedade da vida do seu filho. Seu trabalho é ajudar seu filho a aprender a administrar a ansiedade de forma eficaz, para que ela possa lidar com os desafios da vida até a idade adulta.

A ansiedade é inevitável na vida, mas nenhuma criança deve sentir-se presa a ela. Que medidas você pode tomar hoje para ajudar seu filho a aprender a controlar a ansiedade com sucesso?

publicidade

Aviso Saudável
Os conteúdo do artigo e demais informações divulgadas não devem substituir a orientação ou o diagnóstico de profissionais de saúde ou um especialista na área de saúde.
Em caso de emergência médica ligue para 192 e solicite ajuda!
Disque Saúde SUS (Sistema Único de Saúde) ligue para 136
Centro de Valorização da Vida (CVV) ligue para 188.