Câncer de pele | Causas, Sintomas e Tratamento

Câncer de pele | Causas, Sintomas e Tratamento

O exame regular da pele para qualquer crescimento novo ou incomum, ou alterações no tamanho, forma ou cor de um local existente, é fundamental para encontrar e tratar o câncer de pele precocemente.

publicidade
publicidade
Sintomas e Doenças

Crescimento anormal de células da pele

A pele é feita de uma variedade de células, muitas das quais estão em constante movimento. Células basais redondas abaixo da superfície achatam à medida que sobem para substituir as células escamosas mortas e escamadas na superfície. Os melanócitos bronzeam a pele à luz do sol e as células de Merkel dão à pele sua capacidade de sentir o toque. Quando essas células são danificadas, elas podem se transformar em câncer de pele, o crescimento anormal de células da pele.

O que é câncer de pele?

O câncer de pele é o crescimento descontrolado de células anormais da pele. Ocorre quando o dano não reparado do DNA às células da pele (na maioria das vezes causado pela radiação ultravioleta da luz do sol ou das camas de bronzeamento) desencadeia mutações, ou defeitos genéticos, que levam as células da pele a se multiplicarem rapidamente e formarem tumores malignos.

Existem 3 tipos principais de câncer de pele:

  1. Câncer de pele basocelular (carcinoma basocelular)
  2. Câncer de pele de células escamosas (carcinomas de células escamosas)
  3. Melanomas

Câncer de células basais e escamosas

Os cânceres de pele de células basais e escamosas são, de longe, os cânceres mais comuns da pele. Ambos são encontrados principalmente em partes do corpo expostas ao sol, como a cabeça e o pescoço. Estes cânceres estão fortemente relacionados com a exposição solar de uma pessoa.

Os cânceres de células basais e escamosas são muito menos prováveis do que os melanomas de se espalharem para outras partes do corpo e se tornarem potencialmente fatais. Ainda assim, é importante encontrá-los e tratá-los cedo. Se deixar sem tratamento, eles podem crescer e invadir tecidos e órgãos próximos, causando cicatrizes, deformidades ou até perda de função em algumas partes do corpo. Alguns destes cânceres (especialmente cânceres das células escamosas) podem se disseminar se não forem tratados, e às vezes pode até ser fatal.

Melanomas

Os melanomas são cânceres que se desenvolvem a partir dos melanócitos, as células que formam o pigmento marrom que dá à pele sua cor. Os melanócitos também podem formar tumores benignos (não cancerosos) chamados moles (seu médico pode chamar a toupeira de um nevo.)

Os melanomas podem ocorrer em qualquer parte do corpo, mas são mais propensos a começar em determinadas áreas. O tronco (peito e costas) é o lugar mais comum nos homens. Nas mulheres, as pernas são o local mais comum. O pescoço e o rosto são outros locais comuns para o melanoma começar.

Os melanomas não são tão comuns quanto os cânceres basocelulares e de células escamosas, mas podem ser muito mais sérios. Como os cânceres das células basais e das células escamosas, o melanoma quase sempre pode ser curado em estágios iniciais. Mas se deixado sozinho, o melanoma é muito mais provável de se espalhar para outras partes do corpo, onde pode ser muito difícil de tratar.

Outros cânceres da pele

Existem muitos outros tipos de câncer de pele, mas eles são muito menos comuns:

  • Carcinoma de células de Merkel
  • Sarcoma de Kaposi
  • Linfoma cutâneo (pele)
  • Tumores anexiais da pele (tumores que começam nos folículos pilosos ou nas glândulas sudoríparas e oleosas)
  • Vários tipos de sarcomas

Juntos, esses tipos representam menos de 1% de todos os cânceres de pele.

É importante que os médicos digam os tipos de câncer de pele, porque são tratados de forma diferente. Também é importante que você saiba como são os cânceres de pele. Isso pode ajudá-lo a encontrá-los o mais cedo possível, quando eles são mais fáceis de tratar e mais propensos a serem curados.

Sintomas de câncer de pele

Como muitos cânceres de pele se desenvolvem onde podem ser vistos, há uma boa chance de pegá-los cedo. O exame regular da pele para qualquer crescimento novo ou incomum, ou mudanças nas manchas existentes é crítico. Se você encontrar algo suspeito, converse com o seu médico da atenção primária, um dermatologista (médico de pele) ou um profissional de saúde qualificado para reconhecer os sinais de câncer de pele e diagnosticar a doença.

Câncer de pele

Sintomas de câncer de pele não melanoma

Um crescimento incomum da pele ou uma ferida que não desaparece pode ser a primeira indicação de um câncer de pele não melanoma. O câncer de pele pode inicialmente aparecer como um nódulo, erupção ou irregularidade na superfície da pele. Essas manchas podem ser levantadas e podem escorrer ou sangrar facilmente. À medida que o câncer cresce, o tamanho ou a forma da massa visível da pele pode mudar e o câncer pode crescer em camadas mais profundas da pele. Pode ser difícil diferenciar uma forma de câncer de pele de outra, então consulte um dermatologista se você notar marcas suspeitas ou em evolução na pele.

Os carcinomas basocelulares na cabeça ou no pescoço podem...

publicidade ;)

... aparecer primeiro como uma mancha pálida de pele ou solavanco translúcido ceroso. Você pode ver vasos sanguíneos ou um recuo no centro do inchaço. Se o carcinoma se desenvolver no peito, pode parecer mais uma cicatriz acastanhada ou uma lesão da cor da carne. À medida que o câncer se desenvolve, ele pode sangrar se ferido ou escorrer e se tornar crocante em algumas áreas.

Os carcinomas de células escamosas também podem se desenvolver como um nódulo na pele. Esses caroços firmes são tipicamente ásperos na superfície, ao contrário da aparência lisa e perolada de um carcinoma basocelular. Se um nódulo não se formar, o câncer pode se desenvolver mais como um remendo avermelhado e escamoso. Ao contrário de uma erupção cutânea que desaparece com o tempo, estas manchas ásperas, semelhantes a lesões, continuam a desenvolver-se lentamente. Este tipo de câncer é tipicamente encontrado na cabeça, pescoço, mãos ou braços, mas eles também podem se desenvolver em outras áreas, como a região genital ou em cicatrizes ou feridas na pele.

Os carcinomas de células de Merkel podem aparecer como toupeiras vermelhas ou cor de carne que são criadas e crescem rapidamente. Esses pequenos tumores geralmente aparecem em áreas da pele expostas ao sol, como face, pescoço ou couro cabeludo.

Verificar os sintomas do câncer de pele

O exame regular da pele para qualquer crescimento novo ou incomum, ou alterações no tamanho, forma ou cor de um local existente, é fundamental para encontrar e tratar o câncer de pele precocemente. Se você encontrar algo suspeito, converse com o médico da atenção primária ou com um dermatologista.

Enquanto muitos cânceres de pele se desenvolvem em áreas expostas ao sol, eles também podem se desenvolver em áreas que geralmente são escondidas do sol. É importante examinar todas essas áreas. Além de examinar as pernas, tronco, braços, rosto e pescoço, é importante procurar sinais de câncer de pele nas áreas entre os dedos, por baixo das unhas, palmas das mãos e solas dos pés, genitais e até mesmo os olhos.

Fatores de risco para câncer de pele

O principal fator de risco para câncer de melanoma e não-melanoma é a exposição à luz ultravioleta (UV), incluindo luz solar e camas de bronzeamento, com o risco aumentando com a quantidade de exposição. As pessoas que vivem em áreas com luz solar intensa o ano todo ou aquelas que passam muito tempo ao ar livre sem roupas de proteção ou protetor solar correm maior risco. A exposição precoce, particularmente em pessoas que sofreram queimaduras frequentes durante a infância, também aumenta os riscos de câncer de pele.

Fatores redutores sob seu controle podem ajudar a diminuir o risco de câncer de pele, incluindo o melanoma. Exames regulares da pele podem ajudar a identificar um câncer de pele em desenvolvimento precocemente, quando é mais tratável.

Fatores de risco para câncer de pele

Geral

  • Idade: os riscos de câncer de pele aumentam com a idade, o que é provavelmente devido à exposição acumulada à radiação UV. Mas os cânceres de pele também podem ser encontrados em pessoas mais jovens que passam muito tempo ao sol. As queimaduras solares frequentes, especialmente quando ocorreram durante a infância, aumentam o risco de desenvolver melanoma.
  • Imunossupressão: Condições que enfraquecem o sistema imunológico, como vírus, doenças ou terapia imunossupressora associada ao transplante de órgãos, podem aumentar os riscos de câncer de pele.
  • Gênero: Os homens têm aproximadamente duas vezes mais chances de desenvolver carcinomas basocelulares e três vezes mais chances de desenvolver carcinomas de células escamosas do que as mulheres.

Corpo

  • Tom de pele: os caucasianos têm um risco maior de desenvolver câncer de pele do que os não brancos. O risco também é maior em indivíduos com cabelos loiros ou ruivos, olhos azuis ou verdes, ou pele que queima ou freckles facilmente.
  • Toupeiras: A maioria das toupeiras (moles de pele) é inofensiva e pode nunca evoluir para câncer, mas ter um grande número de toupeiras pode aumentar o risco de desenvolver melanoma. A presença de nevos displásicos (sinais que podem se assemelhar ao melanoma) também pode aumentar o risco em 10%. Embora a maioria dos nevos displásicos não se desenvolva em melanomas, uma pequena porcentagem pode, e indivíduos com esses tipos de sinais devem consultar um dermatologista regularmente para exames completos da pele.

Genética

  • História familiar e / ou pessoal: Indivíduos com um ou mais pais ou irmãos com câncer de pele podem estar em risco aumentado. Indivíduos que já foram diagnosticados com câncer de pele também estão em maior risco de desenvolver a doença novamente.
  • Condições hereditárias: Condições como o xeroderma pigmentoso, uma doença hereditária que afeta a capacidade da pele de reparar os danos causados pelos raios UV, apresentam um risco maior de desenvolver câncer de pele...

    publicidade

    ...e podem desenvolvê-las em uma idade mais precoce.

Estilo de vida

  • Fumar: Os fumantes são mais propensos a desenvolver câncer de pele de células escamosas, particularmente nos lábios.
  • Exposição química: Certos produtos químicos, incluindo arsênico, alcatrão industrial, carvão, parafina e certos tipos de óleo, pode aumentar o risco de certos tipos de câncer de pele não-melanoma.
  • Exposição UV: Pessoas que trabalham ao ar livre durante o dia ou que optam por passar grande parte do seu tempo de lazer ao ar livre e estão expostas à luz ultravioleta estão em maior risco. As pessoas que escolhem usar camas de bronzeamento aumentam o risco de câncer de pele.

Outras condições

  • Síndrome do Nevo Basocelular: Indivíduos com essa condição, também conhecida como síndrome de Gorlin, freqüentemente desenvolvem muitos carcinomas basocelulares ao longo de suas vidas, e estes podem começar antes dos 20 anos de idade.
  • Vírus: Certos tipos de infecções por vírus do papiloma humano (HPV), particularmente aqueles que afetam a área anal ou genital, podem aumentar o risco de câncer de pele. Os indivíduos têm um risco maior de sarcoma de Kaposi se estiverem infectados com o que é conhecido como o oitavo herpesvírus humano, também chamado herpesvírus associado ao sarcoma de Kaposi. Segundo a American Cancer Society, alguns pacientes com sarcoma de Kaposi têm um sistema imunológico enfraquecido por causa de sua infecção pelo HIV.

Tratamento anterior

  • Exposição à radiação: O tratamento com radiação pode aumentar o risco de desenvolver câncer de pele na área exposta.
  • Tratamento da psoríase: indivíduos que foram tratados para psoríase com uma combinação de psoraleno, um remédio natural e tratamento com luz ultravioleta podem ter um risco aumentado de desenvolver carcinoma de células escamosas e outras formas de câncer de pele.

Dicas que podem ajudar a prevenir o câncer de pele

Se você quiser reduzir o risco de desenvolver câncer de pele, os especialistas dizem que o primeiro passo é diminuir sua exposição à luz ultravioleta (UV), evitando a luz direta do sol e as camas de bronzeamento. Se você deve estar do lado de fora, tente evitar o sol do meio-dia, fique na sombra quando possível e use protetor solar, mangas compridas e um chapéu largo para proteção adicional. Para sua conveniência, você pode querer manter esta lista de dicas à mão:

  • Limite sua exposição ao sol, especialmente das 10h às 16h, quando o sol é tipicamente mais forte. Procure a sombra se você estiver do lado de fora. Use um chapéu de abas largas, óculos de sol anti-UV e mangas compridas e calças.
  • Use protetor solar com proteção solar fator (SPF) de 30 ou mais, se você pretende ficar fora por mais de 20 minutos. O filtro solar deve ser resistente à água e proteger contra os raios UVA e UVB. Reaplique regularmente, especialmente depois de suar ou sair da água.
  • Verifique outros produtos para números SPF, também, não apenas o protetor solar. Os rótulos em algumas maquiagens, roupas (especialmente chapéus) e acessórios de praia, como barracas e guarda-chuvas, incluem os números SPF como parte de suas informações sobre os produtos.
  • Use óculos de sol que protejam os olhos dos raios UVA e UVB.
  • Não queime! Queimaduras solares, especialmente em crianças, têm sido associadas a um aumento do risco de desenvolver melanoma mais tarde na vida.
  • Evite cabines de bronzeamento e camas que usam concentrados Luz UV. Os riscos são tão grandes que vários estados proíbem e alguns países limitam e proíbem o uso de camas de bronzeamento, especialmente para adolescentes.
  • Examine sua pele por manchas suspeitas todos os meses e procure um dermatologista para fazer exames de pele uma vez por ano.

Tratamento para câncer de pele

Os carcinomas de células escamosas detectados precocemente e removidos prontamente são quase sempre curáveis e causam danos mínimos. Entretanto, quanto maior e mais profundo o tumor cresce, mais perigoso e potencialmente desfigurante ele pode se tornar, e mais extenso o tratamento deve ser.

Se não forem tratados, os carcinomas podem se espalhar (metastatizar) para os linfonodos locais, tecidos e órgãos distantes e podem se tornar uma ameaça à vida. Portanto, qualquer crescimento suspeito deve ser visto por um médico sem demora. Uma amostra de tecido (biópsia) será examinada ao microscópio para chegar a um diagnóstico. Se as células tumorais estiverem presentes, o tratamento é necessário.

Felizmente, existem várias maneiras eficazes de erradicar o escamoso carcinoma celular. A escolha do tratamento baseia-se no tipo, tamanho, localização e profundidade de penetração do tumor, bem como na idade e estado geral de saúde do paciente.

O tratamento quase sempre pode ser realizado em nível ambulatorial no consultório de um médico ou em uma clínica. Um anestésico local é usado durante a maioria dos procedimentos cirúrgicos. Dor ou desconforto geralmente são mínimos, e raramente há muita dor depois.

publicidade

Aviso Saudável
Os conteúdo do artigo e demais informações divulgadas não devem substituir a orientação ou o diagnóstico de profissionais de saúde ou um especialista na área de saúde.
Em caso de emergência médica ligue para 192 e solicite ajuda!
Disque Saúde SUS (Sistema Único de Saúde) ligue para 136
Centro de Valorização da Vida (CVV) ligue para 188.