Zumbido em pessoas idosas | Causas e Efeitos
Autor: Dr. Pedro Lemos

Zumbido em pessoas idosas | Causas e Efeitos

Se você está começando a ouvir um som de zunir, rugir, ou chilrear à medida que envelhece, pode não ser a sua imaginação.

publicidade

Zumbido em pessoas idosas

O que provoca zumbido em seus ouvidos e como você age?

Se você está começando a ouvir um som de zunir, rugir, ou chilrear à medida que envelhece, pode não ser a sua imaginação. Tinnitus, comumente conhecido como um zumbido em seus ouvidos, pode realmente envolver uma grande variedade de ruídos e é mais prevalente em pessoas idosas, às vezes como o primeiro sinal de perda auditiva relacionada à idade, ou presbiacusia.

Quão comum é o zumbido entre os idosos?

Embora não haja uma definição simples e uniforme de zumbido para fins de pesquisa, o Instituto Nacional dos EUA sobre surdez e outros distúrbios da comunicação (NIDCD) relata que cerca de 10% da população adulta tem alguma forma da condição. Um estudo 2010 publicado no jornal internacional de audiologia teve como objetivo avaliar a incidência, citando pesquisas passadas sugerindo que 20% dos adultos podem sofrer.

A gravidade do problema pode variar de meramente irritante para debilitante, graças à ansiedade, concentração prejudicada, e sono pobre que pode resultar.

Não há atualmente nenhuma cura para o zumbido, embora um número de maneiras novas de administrar a medicamentação, e o uso inovativo da estimulação elétrica do nervo mostraram a promessa na pesquisa em curso.

O zumbido pode envolver sons que são de baixa frequência, agudos, suaves, altos, intermitentes ou constantes.

Por que ouvimos sons que não estão lá?

Nossa audição faz parte de um complexo sistema auditivo que envolve os ouvidos como receptores, e o cérebro como intérprete....

publicidade

... Quando ocorre um som, as vibrações no ouvido interno viajam ao longo do nervo auditivo para o cérebro, onde o ruído é processado e identificado. Zumbido, essencialmente ouvir um som inexistente como tocar, sibilar ou clicar, indica que algo deu errado ao longo da via auditiva, embora o mecanismo biológico exato não tenha sido estabelecido.

Em um estudo 2011 publicado na revista Nature, pesquisadores da Universidade do Texas sugeriram que o zumbido pode ser o resultado do excesso de compensação do cérebro para perda auditiva, tornando-se mais sensíveis a certas frequências sonoras e gerando a percepção de sons fantasmas.

Um número de condições de saúde pode resultar em zumbido, incluindo infecções de ouvido, problemas de tireoide, e até mesmo cera de ouvido. Em pessoas idosas, as causas mais prováveis podem ser pressão arterial elevada (hipertensão), danos cumulativos de ruído alto, ou reação à medicação. Alguns pacientes com artrite reumatoide experimentam zumbido. De acordo com o NIDCD, mais de 200 diferentes medicamentos são conhecidos por causar zumbido, quer ao iniciar a droga ou depois de cessar o uso da droga.

Efeitos duradouros da exposição ao ruído alto

Ruídos altos de locais de trabalho como fábricas, construção de estradas e serviço ativo nas forças armadas são conhecidos por causar zumbido, seja temporariamente ou como condição permanente. Os músicos de rock também sofrem frequentemente, agradecimentos à amplificação pesada de seus instrumentos. Em 1988, um músico e um médico de San Francisco fundou uma organização sem fins lucrativos, "audição...

publicidade

...educação e conscientização para Rockers" (HEAR), que visa sensibilizar os fãs, os membros da banda, engenheiros de som, e os membros do público em geral, do risco de perda auditiva e zumbido com exposição repetida a música alta e ruídos altos em geral.

O lendário guitarrista Pete Townshend de The Who é um defensor da HEAR, revelando que ele sofreu de zumbido por anos.

A cura para o zumbido no futuro?

Em seu estudo 2011 Nature, os pesquisadores da Universidade do Texas relataram que eles foram capazes de eliminar o zumbido em ratos, usando uma técnica chamada estimulação nervosa vagus (taVNS). Ao estimular o nervo vago no pescoço de ratos que sofrem de zumbido induzido por ruído, e ao mesmo tempo tocando sons emparelhados em frequências específicas, os cientistas disseram que essencialmente "Reset" cérebros dos ratos para responder apropriadamente a todos frequências audíveis.

Em 2015, a equipe relatou um estudo de caso de um homem de 59 anos de idade que sofreu por anos de zumbido sem alívio de terapias convencionais. Após 4 semanas diariamente de estimulação nervosa vagus, seus sintomas foram muito melhorados. O artigo foi publicado na revista Otology e Neurotology.

Eventualmente, o zumbido pode ser erradicado em seres humanos usando técnicas semelhantes, mas até que estes ou outros métodos sejam aperfeiçoados, os doentes devem se contentar com medidas que mascaram (como geradores de som) ou distrair os sons fantasmas. Aconselhamento também é eficaz para ajudar os doentes a relaxar e dormir mais facilmente.

Sobre o Autor

Médico Generalista escritor com 35 anos de experiência em Clínica Geral / Saúde da Família.

Aviso Saudável
Os conteúdo do artigo e demais informações divulgadas não devem substituir a orientação ou o diagnóstico de profissionais de saúde ou um especialista na área de saúde.
Em caso de emergência médica ligue para 192 e solicite ajuda!
Disque Saúde SUS (Sistema Único de Saúde) ligue para 136
Centro de Valorização da Vida (CVV) ligue para 188.

publicidade